Tríade da mulher atleta afeta ciclo menstrual e pode até parar menstruação
shutterstock
Tríade da mulher atleta afeta ciclo menstrual e pode até parar menstruação



Mulheres com rotinas muito intensas - que envolvem trabalho, cuidar da casa, dos filhos e de si nem sempre conseguem  alimentação saudável e se exercitar regularmente. Isso pode causar alterações no  ciclo menstrual , causando suspeitas de uma menopausa precoce . Trata-se de um problema conhecido como tríade da mulher atleta.

A chef de cozinha Dani Faria Lima, que em 2017 percebeu que seu ciclo menstrual estava alterado. Na época, ela levava uma rotina que considerava saudável: exercitava-se duas vezes ao dia e seguia uma dieta com uma série de restrições . “Além disso, trabalhava o dia todo e ainda cuidava dos meus dois filhos ao chegar em casa à noite. Por um tempo, mantive essa rotina e me sentia muito disposta”, afirma.

No entanto, Lima não sabia que essa rotina que ela levava causou uma desestabilização em seus hormônios, o que fez com que seu ciclo menstrual fosse interrompido completamente por dois anos. “Além da falta de menstruação, também comecei a sentir fadiga, lentidão, mau humor e até sofri com queda de cabelo”, explica.


Você viu?

Lima estava passando por uma síndrome chamada tríade da mulher atleta, que normalmente altera e pode até interromper o ciclo menstrual. A síndrome não atinge apenas pessoas que seguem carreira como esportistas profissionais, mas uma analogia à intensa rotina baseada em exercícios físicos, restrições alimentares e ansiedade e estresse antes das competições.

Segundo explica o ginecologista e obstetra Fernando Prado, esses fatores afetam a produção hormonal necessária para expelir o óvulo no período menstrual. No entanto, diferentemente da menopausa , a pessoa não fica infértil, já que ainda existe um estoque de óvulos, mas não são liberados pelo ovário por conta desse desequilíbrio hormonal.

Prado também ressalta que esse efeito é muito comum em mulheres que cria obsessões para conquistar o corpo ideal , seja para emagrecer ou por conta de dismorfia corporal. Lima explica que isso aconteceu com ela, que seguia uma rotina com pouca gordura.

Essa redução de gorduras nos pratos foi o que tornou a rotina da chef cada vez mais exaustiva. Ela se sentiu muito pressionada com seu corpo por acompanhar influenciadores fitness em seu Instagram, o que fez com que ela criasse um padrão para seguir e, assim, conquistar o “corpo perfeito”. “Porém eu não percebia que a minha realidade era completamente diferente da delas”, explica.

Prado explica que a questão por trás da tríade da mulher atleta tem muito a ver com o psicológico. “Para se ter uma ideia, muitas mulheres conseguem regular o seu ciclo apenas fazendo tratamento psicoterapêutico, sem a introdução de hormônios”, explica o ginecologista.

No entanto, é necessário se consultar com o médico e ter os exames em mão para saber se esse é o caso ou se a pessoa vai precisar de um tratamento para que aconteça a reposição. Foi o caso de Lima, que combinou o tratamento com a diminuição na rotina de exercícios físicos. Assim, seu ciclo menstrual se regularizou e a ajudou a repor  carboidratos no organismo.

Diante das pressões estéticas e da correria que mulheres sofrem no dia a dia, Prado afirma que é muito importante que o organismo fique saudável. “Isso principalmente quando se trata de reprodução feminina. Não se baseia só em exercícios ou numa dieta, mas também em qualidade de vida”, conclui.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários