Tamanho do texto

A menopausa precoce é aquela que chega por volta dos 30 anos e, além da ausência da menstruação, tem outros sinais específicos; veja detalhes

Women's Health

Muito se fala sobre a menopausa na vida das mulheres, porém pouco se aborda sobre a menopausa precoce que como o próprio nome já diz, acontece antes da idade considerada comum.

menstruação arrow-options
shutterstock
Ausência de menstruação é um dos sinais da menopausa precoce

Leia também: 10 mitos e verdades sobre menstruação para você não ter mais dúvidas

Fernanda Nassar, formada em Medicina pela Universidade Lusíada com especialização em Ginecologia e Obstetrícia e pós-graduação em Estética Intima Ginecológica, reúne os principais pontos sobre o assunto:

O que é menopausa precoce

A menopausa precoce é o quadro clínico que se apresenta quando a mulher entra na menopausa antes dos 32 anos, ou seja, período em que ela fica um ano ou mais sem menstruar com sintomas específicos.

A menopausa precoce não é um distúrbio hormonal, mas a falência ovariana em uma mulher jovem, que por sua vez representa a perda temporária ou definitiva da função gonadal (de produzir hormônios) que acontece após a menarca (primeira menstruação) e antes dos 40 anos de idade. Ela é caracterizada pela diminuição do número de folículos ovulatórios (óvulos) e é exatamente essa condição que vai gerar alteração hormonal.

A diferença para a menopausa comum

A diferença básica é a idade em que ela ocorre, visto que o período em média da chegada da menopausa na mulher brasileira é por volta dos 50 anos. Nesse momento, quando não há mais ovulação e cessa a menstruação, a chegada da menopausa pode ser decretada.

Durante a menopausa, a mulher experimenta uma série de mudanças físicas, psicológicas e sociais importantes que começam no climatério . Porém, para algumas mulheres, a menopausa chega com, pelo menos, 15 anos de antecedência, bem no período em que a maioria ainda pode ter filhos. Quando isso acontece, ela pode estar entrando em um quadro de menopausa precoce.

Leia também: Reposição de hormônios na menopausa pode melhorar qualidade de vida

Como prevenir e detectar a menopausa precoce

Não existe uma causa determinante para o surgimento do problema. A menopausa precoce pode ocorrer por vários fatores, como o histórico familiar, por exemplo. Na verdade, a idade da menopausa não está relacionada à época da primeira menstruação, mas, sim, quando a mãe e as irmãs da paciente entraram em menopausa e o histórico familiar não se pode prevenir.

É possível detectar através dos sintomas que a paciente se refere, além de apresentar irregularidades menstruais, com intervalos entre os ciclos mais extensos.

Existem trabalhos científicos que mostram interligação das idades da mãe com a da filha, porém esta não é a regra geral. Há também fatores externos que podem antecipar a menopausa, como a remoção dos ovários ou de grande parte deles e os tratamentos contra o câncer, por exemplo.

A radioterapia e a quimioterapia têm como objetivo impedir o crescimento celular. Porém, estes tratamentos não atingem apenas as células malignas, mas as que estão sadias também. Por isso, dentre outros efeitos colaterais, os tratamentos contra o câncer podem levar a uma falência prematura dos ovários.

Como tratar a menopausa precoce

Confirmado o diagnóstico, a regra para tratamento é a Modulação Hormonal e assim conseguirmos amenizar os efeitos colaterais da ausência hormonal.

Leia também: Mitos e verdades sobre reposição hormonal

O uso desta Modulação é imprescindível nos casos de menopausa de origem cirúrgica ou provocada por quimioterapia, em virtude da intensidade dos sintomas como: ondas de calor, irritabilidade, diminuição da libido, secura vaginal, queda de cabelo, dificuldade para dormir, dificuldade para perder peso, entre outros.

Além disto, a menopausa precoce precisa da Modulação Hormonal porque essas mulheres apresentam risco quatro vezes maior de desenvolver doenças cardíacas e sete vezes maior de desenvolver osteoporose.

*Fernanda Nassar é formada em Medicina pela Universidade Lusíada com especialização em Ginecologia e Obstetrícia e pós-graduação em Estética Intima Ginecológica.