Saiba identificar quando a sua saúde íntima não vai bem
Mary Archangel
Saiba identificar quando a sua saúde íntima não vai bem



De vez em quando, a secreção vaginal aparece na calcinha. Mas ela, por si só, não é motivo para pânico algum. Essa secreção de líquidos é natural e mantém a  vagina limpa e lubrificada. Contudo, alterações nessa secreção podem indicar problemas na saúde íntima. Pensando nisso, o iG Delas preparou um guia para ajudar a identificar problemas na saúde vaginal.





Segundo Mariana Betioli, obstetriz, o corrimento pode mudar de aspecto em alguns contextos específicos, como, por exemplo, durante as diversas fases do ciclo menstrual . Normalmente o fluido é transparente, esbranquiçado e não tem cheiro forte.

"Em certos dias do mês, a secreção aumenta. Isso acontece porque a produção do líquido é estimulada pelo estrogênio, um hormônio que está presente em maior volume perto da ocorrência da ovulação e também durante a gravidez", explica. 

Cores de secreção

A alteração da cor do corrimento, junto a outros sintomas, como a mudança na textura e odor, pode identificar que algo não vai bem. Nesses casos é recomendado consultar sua ginecologista. Veja a seguir o que a cor do corrimento pode indicar, de acordo com a especialista.

vagina
shutterstock
vagina


Branco : é bem provável que seja um corrimento normal. Se há mau cheiro e aparenta ter placas brancas ou acinzentadas, pode ser sinal de vaginose bacteriana. Se for uma secreção branca acompanhada de ardência, coceira ou vermelhidão, pode ser candidíase.

Marrom : costuma indicar a presença de sangue. Pode ser restinho de sangue  do fim da menstruação, mas também pode ser sinal de infecção. Segundo Mariana, a secreção marrom também pode sugerir a implantação do embrião nos primeiros dias de gravidez.

Amarelo : corrimento levemente amarelado e sem cheiro pode ser normal. Mas se for acompanhado de mau cheiro e com aspecto de pus pode ser sinal de inflamação, devido a infecções, como clamídia ou gonorréia.

Amarelo-esverdeado : corrimentos com essa coloração e odor bem desagradável costumam indicar tricomoníase.

Você viu?

Cinza : corrimento acinzentado com cheiro forte, espesso, que se agrupa em placas como "queijo cottage", costuma ser sinal de vaginose bacteriana.

A especialista diz que é importante ficar de olho no corrimento e notar se está acompanhado de irritação, coceira, vermelhidão, ferida ou ardência. "Consultar um profissional de saúde para avaliar o seu quadro é fundamental, já que alguns sinais podem indicar infecções, alergias ou até mesmo algumas doenças", alerta Marina. 

Como evitar infecções e manter a saúde íntima

Ao se informar sobre os sintomas e o que significa cada tipo de corrimento, fica mais fácil entender como cuidar da região íntima. Entretanto, alguns cuidados são importantes para preservar a saúde vaginal no dia-a-dia. Confira as dicas:

1.Ventilação em primeiro lugar

“A melhor alternativa é usar roupas que deixem a região genital mais ventilada", indica. “Evite calças jeans e outras peças mais justas e apertadas para dar preferência a saias, vestidos e shorts mais folgados, além do uso de calcinhas de algodão, para ajudar na transpiração da vagina”.

Se você está mestruada, lembre-se de trocar de absorvente regularmente. “Os absorventes descartáveis externos não são os mais indicados, pois abafa essa região”, aponta.

2. Durma sem calcinha

O ideal, inclusive, é dormir sem roupa íntima para deixar a vulva “respirar”, de acordo com a especialista. “A dica é deixar que a região íntima ‘respire’ livremente em pelo menos alguns momentos do dia”, afirma Mariana. 

Durma sem calcinha
Pexels
Durma sem calcinha


3. Evite roupas molhadas

“Evite ficar muito tempo com as roupas molhadas, como biquínis e maiôs, pois a umidade facilita a proliferação de fungos e bactérias e pode resultar em outras infecções”, ressalta.

Para quem costuma deixar as peças íntimas secando no banheiro, muita atenção. "O banheiro é uma região úmida. Sua calcinha tem mais chance de atrair fungos e bactérias. Seque em um ambiente seco e arejado.”

4. Não lave a vagina

Algo fundamental para ajudar na saúde íntima é deixar a região limpinha. Mas a limpeza não deve ser feita na parte interna, a vagina . A pessoa precisa lavar somente a vulva, que é a área externa.  

“A vagina é autolimpante, então pode esquecer ducha, sabonete ou qualquer outro tipo de limpeza interna. Já a vulva, só com água morna e os dedos, a pessoa consegue higienizar aqueles espaços entre os lábios internos e externos, para tirar uma eventual secreção”, recomenda.

5. Sexo sempre protegido

Não pense que a camisinha durante a relação sexual evita apenas a gravidez. “A proteção no momento do sexo também diminui as chances de contrair  infecções sexualmente transmissíveis  ”, ressalta a obstetriz.

Além disso, casais homoafetivos devem evitar compartilhamento de fluídos e sangue da sua parceira e buscar também fazer sexo protegido. 

Camisinha: um dos métodos para se proteger na hora do sexo
shutterstock
Camisinha: um dos métodos para se proteger na hora do sexo



    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários