Saiba como combater os principais inimigos da pele com skin care
Pexels/Anna Shvets
Saiba como combater os principais inimigos da pele com skin care




Ter uma rotina skin care é de extrema importância para manter a pele bem cuidada, bonita e saudável. Os cuidados devem ser sempre reforçados, já que existem diversos fatores internos e externos que podem impactar na qualidade e na saúde da pele a curto, médio e longo prazo.

Cada ingrediente da composição dos produtos de cuidados com a pele  são importantes para melhorar determinados aspectos, sendo que alguns deles podem ser fortes aliados para combater os principais inimigos da pele. Sem nenhum tipo de cuidado, esses fatores podem causar ressecamentos, rugas e contribuir para o envelhecimento da pele. Conheça quais são os 10 principais inimigos da pele e entenda o que pode ser adotado na rotina skin care para evitá-los.


1- Poluição

Segundo a dermatologista Fernanda Chauvin, especialista em dermatocosmética e CEO Ellementti Dermocosméticos, a poluição pode desencadear processos inflamatórios na pele, que são responsáveis por aspectos como envelhecimento, manchas, rugas e flacidez.

“Os malefícios da poluição podem ser combatidos com produtos à base de Filmexel, um agente que forma uma segunda pele e a protege contra agressores exógenos”, explica a médica. Esse agente também evita que a pele perca água transepidérmica (que pode ressecar a pele) e ainda produz efeito lifting logo após a aplicação.

2- Luz azul

A luz azul é emitida por telas de aparelhos com celulares, tablets e computadores e é invisível a olho nu. “Essa luz prejudica não apenas a saúde da pele, mas também aparência e longevidade. Manchas podem ser ocasionadas”, diz.

O ativo Oxygen Skin pode ajudar a bloquear a luz azul, além de ter efeito clareador e calmante, auxiliando em acnes. Esse componente pode ser usado junto do I-Defender, que combate o envelhecimento e reduz as alterações causadas pelas ondas da luz azul.

3- Radiação UVA e UVB

Dois dos mais conhecidos inimigos da pele, esses raios solares podem causar impactos na pele mesmo em dias nublados e no frio. “A radiação ultravioleta emitida pelo sol produz efeitos prejudiciais como o aumento de risco de câncer de pele e o fotoenvelhecimento cutâneo, que torna a pele espessa, áspera e produz manchas”, aponta Chauvin. A médica também indica o uso do ativo I-Defender para combater os danos dos raios UVA e UVB. Ele deve ser combinado ao uso diário de protetor solar FPS 30.


4- Radicais livres

Os radicais livres são átomos e moléculas naturalmente criadas no organismo e que geram estresse oxidativo na pele. “Com a exposição excessiva aos agentes externos que causam danos à pele, também chamados de exposomes, há aumento dos radicais livres”, diz a médica. O resultado dessa reação é o envelhecimento precoce.

Chauvin explica que eles podem ser balanceados com o uso de produtos e consumo de alimentos antioxidantes . Além disso, invista em uso recorrente de  Vitamina C e Resveratrol — que confere mais firmeza e colágeno e menos manchas na pele.

Você viu?

5- Poluição térmica

A médica explica que a poluição térmica pode ser encontrada até mesmo dentro de casa e provém de afazeres domésticos do cotidiano, como exposição ao ferro de passar, ao fogão e até mesmo durante banhos quentes. “Essa poluição causa aumento da vasodilatação e da inflamação na pele, assim como desidratação e aumento da oleosidade. Também pode causar um aumento da formação de melanina, gerando manchas.”

Isso ocorre porque o calor em excesso afeta as barreiras de proteção de altas temperaturas do corpo, conhecidas como Proteínas do Choque Térmico. A alta exposição pode impactar na diminuição dessas proteínas ao longo da vida.

Para auxiliar em suas composições, Chauvin indica o uso do ativo natural Eucoolan, extraído da planta Eucommia. “O Eucoolan trabalha na redução do dano causado pela agressão térmica na pele, gerada pela radiação infravermelha. Além disso, ele possui ação anti-inflamatória, causando efeito de resfriamento na superfície da pele e ajudando a equilibrar a homeostase”, afirma.

6- Poluentes indoor

Os poluentes indoor são aqueles causados em ambientes fechados, principalmente em casa. Alguns deles são produtos de limpeza, poeira e ácaros. Chauvin diz que é possível combatê-los ao combater o ressecamento e a sensibilidade do tecido cutâneo.

Para isso, vale a pena investir em produtos com Neurofense na composição. O Neurofense é um agente natural extraído da sálvia vermelha que protege peles sensíveis e hiper reativas, aumentando a resposta imunológica da pele. Também pode ser utilizado o D-Pantenol, que regenera e umecta a pele, conferindo mais maciez e elasticidade.

7- Medicamentos

Seja os preventivos ou utilizados em longos tratamentos, os medicamentos podem causar diversas reações na pele, principalmente nas mais sensíveis. Para auxiliar, Chauvin indica o uso de fórmulas neuro-calmantes. O Neurofense e o D-Pantenol também são indicados nesse caso.

Além disso, podem ser utilizados os ativos Beta-Glucan, que reforça a proteção contra as agressões externas; o Rhamnosoft, que age como calmante, reduz a reação inflamatória e libera beta endorfinas, associado ao bem-estar; Rhodiola, que regula o metabolismo e aumenta a capacidade de adaptação da pele; e o Pro-Lipiskin, que diminui a perda de água transepidérmica ao estimular a reposição natural de lipídeos.

8- Alimentação e sedentarismo

Chauvin explica que esses dois fatores foram muito piorados durante os períodos de isolamento social, consequência da pandemia do novo coronavírus. Isso porque as pessoas acabaram se rendendo ao delivery e pararam de se exercitar. “É importante que se mantenha uma dieta equilibrada e que se faça exercícios físicos para ajudar a balancear a produção de cortisol. A alta ingestão de água também é recomendada para atingir um equilíbrio corporal e cutâneo”, explica a dermatologista.

9- Higiene excessiva

A higienização excessiva também se mostrou um problema durante a pandemia. Afinal, as pessoas passaram a lavar mais as mãos e utilizar álcool em gel por questões de segurança. A saída para que os impactos não sejam tão graves é a hidratação constante das mãos. Podem ser usados ativos como manteiga de karité e ceramidas.

“Outra alternativa é usar limpadores com Clorexidina, ativo com atividade antisséptica superior ao álcool em gel 70%, para remover impurezas e higienizar. No entanto, deve-se manter a hidratação e o equilíbrio do pH cutâneo”, indica a médica. Devem ser evitados ressecamentos e produtos com Lauril e Sulfato de Sódio na composição.

10- Fatores emocionais

As emoções também podem desencadear diversos tipos de resposta na pele. Chauvin afirma que as mais prejudiciais são medo e estresse, pois alteram as percepções em relação à beleza. A médica explica que esses sentimentos podem ser amenizados apostando em uma boa relação com bem-estar e rituais que unem beleza e relaxamento.

Algumas composições podem amenizar os efeitos, como os antioxidantes Vitamina C e Resveratrol. Hidratantes à base de ácido hialurônico e o ativo Early Boost, que aumenta a molécula de adenosina trifosfato (também conhecida como ATP). Essa molécula tende a diminuir a produção de radicais livres devido ao estresse, o que impacta a produção de colágeno e elastina, que são primordiais para a saúde cutânea.

Cuidados gerais

Para auxiliar ainda mais no combate aos principais inimigos da pele, Chauvin aponta que, além do skin care, outros cuidados gerais e cotidianos podem auxiliar na proteção da pele. A principal delas é a higienização completa da face, além do uso correto de hidratantes, séruns e cremes.

A especialista reforça a necessidade do uso diário de proteção solar. Ela indica que sejam usados produtos capazes de não apenas cuidar da pele, mas ativos sensoriais para proporcionar momentos relaxantes. Assim, os cuidados ganham funções que vão além do skin care, mas também se tornam eficazes em relação ao relaxamento e a saúde mental.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários