Tamanho do texto

Não, nem sempre o treino mais longo é o que queima mais calorias e diversos abdominais não serão os únicos responsáveis por sua barriga chapada

Já parou para pensar que um treino mais longo pode ser mais eficiente e que a chave para ter o abdômen definido não se resume a exercícios abdominais? Há diversas afirmações falsas espalhadas pelo universo fitness, e elas prejudicam a jornada rumo ao resultado desejado.

Leia também: 9 exercícios de musculação bem tradicionais, mas que são pura perda de tempo

mentiras do mundo fitness arrow-options
shutterstock
Fazer abdominais é o suficiente para ter tanquinho? Profissional revela cinco mitos do mundo fitness

Nick Freer, ex-jogador de basquete e membro do Freeletics, aplicativo de atividades físicas, decidiu dar uma forcinha nesses casos e revelou cinco mitos do mundo fitness que podem atrapalhar seu desempenho. Veja o que dizem por aqui e que, no fundo, são grandes mentiras:

1. Quanto mais longo for o treino, melhor

hiit arrow-options
shutterstock
Treino HIIT costuma elevar bem a frequência cardíaca, pois tem objetivo de acelerar o metabolismo e queimar calorias

Nem sempre o treino mais longo proporciona resultados melhores. De acordo com Freer, estudos comprovam que praticar três sessões de 27 minutos de HIIT por semana propicia as mesmas vantagens aeróbicas e anaeróbicas que cinco sessões de cardio aeróbico de 60 minutos. Alguns dos benefícios são a queima de calorias e aumento da resistência muscular.

Leia também: Pesquisa aponta que 18h é o melhor horário para treinar; entenda os motivos

2. Exercícios com peso corporal não desenvolvem músculos

mulher fazendo flexão de braço arrow-options
shutterstock
Além dos pesos tradicionais, usar o próprio corpo para desenvolver os músculos também é eficaz

O peso do próprio corpo pode, sim, ajudar a desenvolver os músculos. Esse é, inclusive, um estímulo de sobrecarga para promover força e massa magra. O ex-jogador de basquete explica que os músculos se formam quando a pessoa faz mais força do que o comum e, logo após, tem um  período de descanso para adaptação.

Ele afirma que os ombros, por exemplo, não vão saber a diferença entre o exercício feito com pesos e a atividade feita com o próprio corpo em uma barra. Além disso, Nick Freer reforça que boa resistência, nutrição e descanso são fundamentais para atingir o objetivo.

3. Treino de força não ajuda no desempenho de corrida

treino de força arrow-options
shutterstock
Treinos de força ajudam o corredor e permitem que ele se desenvolva melhor no exercício

O treino de força ajuda bastante a melhorar a performance na corrida, isso porque ele contribui com o aumento na taxa de desenvolvimento de força – conhecida como TDF – e a quantidade de força produzida tem impacto no desempenho do corredor e permite que ele corra mais rápido. Portanto, nada de pular a musculação, corredor!

Leia também: É corredor de rua? 5 exercícios para melhorar desempenho e ganhar velocidade

4. Para a corrida, só usamos as pernas

corrida arrow-options
shutterstock
Correr faz bem, mas é preciso realizar exercícios também na região abdominal para a atividade ser mais eficaz

Treinar apenas os membros inferiores com a desculpa de que se usam somente as pernas para correr não adianta em nada. O membro da Freeletics garante que os músculos do abdômen são os responsáveis por proporcionar estabilidade durante o exercício, além de manter o corpo estável. O indicado é treinar o corpo todo. 

Leia também: Você sabe o que é overtraining? Conheça os riscos de fazer exercícios demais

5. Abdominais deixam o abdômen tanquinho

abdominal arrow-options
shutterstock
Para ter o abdômen definido é preciso concentrar a força nos músculos no tempo certo

Essa é uma das afirmações mais comuns do mundo fitness . Apesar de ser uma afirmação bem comum, o segredo para definir o abdômen vai além dos exercícios na região. De acordo com o profissional, os músculos abdominais estão segmentados e, geralmente, ficam escondidos em uma camada de gordura corporal. Logo, para ter tanquinho , é necessário ter uma porcentagem de gordura corporal baixa e não, necessariamente, um abdômen forte. O caminho para o abdômen sarado é aliar dieta e exercícios