77% das mulheres citam atuais cônjuges, companheiros e namorados como agressores
FreePik
77% das mulheres citam atuais cônjuges, companheiros e namorados como agressores

Pesquisa feita pela FEBRABAN-IPESPE, Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas, revela que oito em cada dez entrevistadas se dizem insatisfeitas ou muito insatisfeitas com a forma como as mulheres são tratadas na sociedade brasileira. A  violência e o  assédio, seguidos do  feminicídio e da  desigualdade de direitos e oportunidades entre homens e mulheres, são os principais pontos negativos.

O estudo, realizado entre os dias 19 de fevereiro a 02 de março, entrevistou 3 mil mulheres das cinco regiões do País, com o objetivo de traçar um quadro sobre o preconceito e a violência contra a mulher no Brasil. Nesse levantamento ficou óbvia a impressão de que os casos de violência contra a mulher aumentaram durante a pandemia da Covid-19. Juntamente aos dados nacionais, registra-se um recorte sobre o sentimento nas cinco regiões do país.

Noção de violência

De acordo com a pesquisa, as mulheres têm uma percepção muito clara sobre o aumento da violência durante a pandemia. Essa opinião é maior entre as mulheres pretas com 87%, do que entre as brancas (81%) e as pardas (83%). Para 70%, homens e mulheres sofreram igualmente os impactos da pandemia nos setores econômico e de trabalho, enquanto 25% creem que as mulheres sofreram mais do que os homens impactos nesses setores.

“Indo direto ao ponto, a pesquisa nos faz um sério alerta de que, mesmo com os avanços dos últimos anos, as mulheres no Brasil ainda são, com frequência, vítimas de violência, assédio, preconceito e discriminação e de que precisamos de políticas e ações afirmativas que enfrentem esse grave problema social”, diz Isaac Sidney, presidente da FEBRABAN. “Não podemos pensar em desenvolvimento e crescimento social e até econômico sem combater esse tipo de mazela.”

55% das mulheres entrevistadas afirmam já ter sido vítimas de violência verbal, física ou sexual ou terem tomado conhecimento de mulheres próximas que foram vítimas de ameaça, insulto, assédio ou agressão; chegando esse número a 63% na faixa etária de 18 a 24 anos. Mais mulheres pretas (61%) do que brancas (52%) e pardas (58%) declaram ter sido vítimas ou tomaram conhecimento de alguém que foi vítima de violência verbal, física ou sexual. A casa comparece como principal local da violência contra a mulher, sendo apontada por 77%.

Machismo

Os resultados obtidos também revelam que o machismo (31%) é apontado como principal motivação para os crimes violentos cometidos contra as mulheres. A impunidade ou falta de leis mais rigorosas contra o agressor (20%).

Leia Também

Leia Também

Leia Também

Uma série de outras razões associadas ao machismo também são citadas, que somam 40%, como  ciúme (19%), sentimento de posse em relação às mulheres (10%), não aceitação do fim de um relacionamento (7%), restrição à independência profissional, econômica, social ou intelectual da mulher e  manifestação de desprezo pela mulher (4%).

Quando olhada para o ambiente de trabalho o preconceito e a violência continuam expressivos, 40% das entrevistadas afirmam já terem sido vítimas ou conhecerem alguém que já sofreu algum tipo de assédio moral nesse espaço por ser mulher. Percentual semelhante também aponta assédio sexual. Em ambos os casos, apenas um terço das entrevistadas declara que houve denúncia formal à empresa.

A falta de busca por ajuda não se restringe ao ambiente de trabalho, grande parte das vítimas contra a violência de gênero não denunciam. Quando questionadas sobre o assunto 51% das entrevistadas acredita que as mulheres vítimas de agressão, assédio ou ameaça não procuram ajuda ou denunciam junto a órgãos oficiais ou policiais. Somente 30% das vítimas agem dessa forma. Além desses, 14% buscam apoio informal de amigos, familiares ou conhecidos; e apenas 1% procura os diretores/gestores das empresas ou instituições onde ocorreu o fato.

Na opinião da maioria isso acontece em função do medo de represália e de perseguição (59%), sentimento que sinaliza uma relação de poder entre o agressor e a vítima. Uma relação assimétrica ou de dependência com o agressor também está na base de duas outras respostas: não perder ou se prejudicar no trabalho (11%) e depender financeiramente do agressor (2%).

Um quinto (19%) refere-se à vergonha, 15% expressam o medo de que não acreditem no fato e 10% citam a falta de confiança na Justiça.

A Delegacia da Mulher aparece como a referência mais positiva em termos de proteção e apoio nas situações de violência de gênero, sendo citada por quase oito em cada dez entrevistadas como a principal opção a recorrer.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários