Para autores e estrangeiros, o jeitinho é uma ferramenta que pode ser usada a favor da criatividade e informalidade

Ter receptividade com estranhos, pensar em novas soluções para todos os tipos de problemas e até ceder um lugar na fila, por exemplo, formam o lado bom - original e ainda não compreendido - do jeitinho brasileiro. A declaração é de Fernanda Carlos Borges, autora do livro "A Filosofia do Jeito" (Summus Editorial), que reconhece no famoso “jeitinho” uma resistência brasileira aos valores da impessoalidade e formalidade. “Enquanto o mundo trata com indivíduos, o Brasil escolheu tratar com pessoas”, avalia a filósofa.

O bom jeitinho brasileiro: criatividade, informalidade e novas soluções
Getty Images
O bom jeitinho brasileiro: criatividade, informalidade e novas soluções


Enquanto o mundo trata com indivíduos, o Brasil escolheu tratar com pessoas

No lugar-comum, o jeitinho está ligado ao ato de se levar vantagem em tudo e, por conseguinte, associado à corrupção. Mas, segundo Fernanda, por outro lado, com ele os brasileiros mantêm viva a possibilidade de ir além da norma e assim são capazes de encontrar soluções novas para situações imprevistas. “Percebemos que essa é uma capacidade de manter a razão, o pensamento e a criatividade vivos, atuantes”, explicou em entrevista ao Delas . Tais características do jeitinho deveriam ser reconhecidas, educadas e estimuladas.

O historiador Sérgio Buarque de Holanda publicou em 1936, em "Raízes do Brasil", o perfil do "homem cordial" e sua informalidade descompromissada com a ética. Essa visão negativa sobre o que mais se aproximava do jeitinho brasileiro foi rebatida por Oswald de Andrade, por exemplo. "Na ética da nossa cultura popular não nos submetemos à ideia de democracia entre iguais. Estamos assentados na ideia da democracia entre diferentes", explica Fernanda sobre a visão de Andrade.

Leia também: como os estrangeiros veem o brasileiro

Já o lado positivo do jeitinho foi explorado pela antropóloga Lívia Barbosa em "O Jeitinho Brasileiro" (Ed. Campus). Para a autora, ele surgiu como uma nova identidade cultural no País, a partir de 1930, e só apareceria nos meios de comunicação mais de dez anos depois. E foi resumido assim: “Pois nada é mais importante para a sociedade brasileira moderna, individualista, industrial, do que temperar toda a impessoalidade do mundo político, econômico e empresarial com uma boa dose de intimidade.”

Alexandra Coelho durante visita a São Paulo
Vera Moutinho
Alexandra Coelho durante visita a São Paulo

“Brasileiros dão jeitinho, coisas acontecem”

Para Fernanda Borges, com a massiva presença de estrangeiros no Brasil, a Copa do Mundo surge como uma oportunidade de exportação do melhor aspecto dos brasileiros e o seu jeito. E a experiência da jornalista portuguesa Alexandra Padro Coelho confirma isso. Após 18 dias viajando entre os Estados de São Paulo, Mato Grosso e Pará, Alexandra e os colegas do site Público viram seus problemas resolvidos após ouvirem de brasileiros a frase mágica: “Daremos um jeitinho, espera aí”.

A experiência foi tão surpreendente que Alexandra decidiu escrever em seu blog o artigo  “O jeitinho brasileiro” , onde narrou suas experiências no País. “Poderia até ter dado outro título. Algo mais para ‘eles dão um jeitinho e as coisas acontecem’. Foi realmente impressionante ver a conectividade entre brasileiros e como todos abrem suas redes de contato para nos ajudar”.

Para a jornalista é interessante analisar ambiguidade da expressão, muitas vezes negativada pelos próprios brasileiros. Ela cita ainda uma comparação com os portugueses, que não são prontamente otimistas diante de um favor ou desafio. “Em Portugal é muito comum escutar que tudo vai ser difícil, quase impossível. Os brasileiros que conheci deram um jeitinho e as coisas aconteceram. A vontade de ajudar é incrível”, conclui.

Vizinhos da América do Sul e outros estrangeiros veem criatividade e boa vontade no jeitinho
Getty Images
Vizinhos da América do Sul e outros estrangeiros veem criatividade e boa vontade no jeitinho

Práticos, espontâneos e otimistas

Dividindo um escritório em Miami (EUA) com norte-americanos, latinos e europeus, o colombiano Mauricio Garcia Quiñones, de 38 anos, que atua como diretor de logística em uma grande cervejaria, acredita que o jeitinho é responsável pela praticidade brasileira na rotina do trabalho. “Os brasileiros têm o pensamento de que alguns problemas podem ser resolvidos sem o freio da burocracia. É algo simples? Resolvem sem mandar aquele e-mail enorme. Acredito que o nível de agilidade dos brasileiros é similar ao dos norte-americanos”.

Veja também: você é civilizado? Veja 35 deslizes na etiqueta do dia a dia

Para o mexicano Eduardo Cornejo, de 33 anos, que trabalha com brasileiros nos EUA há quatro anos, é admirável como os seus colegas do Brasil não se deixam influenciar pelo estresse do escritório e são agradáveis ainda na situação de crise. “Alemães, holandeses e franceses podem até ofender com um discurso direto com tom de superioridade, mas nunca passei por um momento difícil com os brasileiros”.

Outros estrangeiros ouvidos pelo Delas , como o economista argentino Diego B., de 30, e o francês Grégoire Delahaye, de 31, citaram a visão otimista sobre o futuro como a principal diferença ao trabalhar com os brasileiros. “O jeitinho faz com que você pense um jeito para remediar situações aparentemente sem solução. A equipe se esforça mais para pensar em outras soluções, que não são as mais óbvias”, comenta Delahaye, que é diretor de vendas de uma empresa francesa em São Paulo.

>>> Assine a newsletter do Delas , curta nossa página no Facebook e siga o @Delas noTwitter <<<

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.