Bruna Freire, 28, conheceu Jude Law duas vezes e todo ano faz festa de aniversário na data em que viu o primeiro filme com ele no elenco
Acervo pessoal
Bruna Freire, 28, conheceu Jude Law duas vezes e todo ano faz festa de aniversário na data em que viu o primeiro filme com ele no elenco


Você provavelmente já se apaixonou com uma pessoa famosa em algum momento da vida. Comprava todas as revistas em que ele/ela saía, tinha vários pôsteres na parede, escreveu as iniciais de vocês dentro de um coração. É muito comum que isso aconteça na adolescência, mas alguns crushes vão além e se tornam  relacionamentos por muitos e muitos anos, sem que os famosos saibam.

O iG Delas ouviu relatos de oito mulheres que se apaixonaram por famosos. Elas contaram como era esse  amor platônico e quais foram as maiores loucuras que já fizeram por eles. Os casos incluem odiar uma namorada, viajar para outro país para encontrá-lo ou até usar uma calcinha com o rosto do ídolo estampado.


Conheci o Jude Law duas vezes e pensei que fossemos casar


"Sou fã do Jude Law há 16 anos. Todo ano faço uma festa para comemorar o dia em que vi um filme dele pela primeira vez, foi ‘Cold Mountain’. Assisti dia 12 de agosto de 2004, foi uma indicação da minha avó. Eu tinha 11 anos. Minha família diz que foi ladeira abaixo desde então, porque inspirada nele eu decidi estudar Cinema.

Meus bolos de aniversário eram sempre com a cara dele, com papel de arroz mesmo. Minhas capas de caderno da escola eram com fotos que eu imprimia e fazia colagemns horríveis. Brigava muito no colégio com quem não acreditava que eu ia  casar com ele ou conhecê-lo. Depois que eu o conheci pessoalmente vieram falar que eu era uma inspiração por nunca ter desistido do meu sonho.

Viajei para outro país por ele. Eu tinha essa visão que o encontraria pela primeira vez em um dia de chuva em Londres e meu guarda-chuva iria quebrar e machucar meu dedo. Juro que foi assim que o vi pessoalmente pela primeira vez, ele atravessou a rua e me deu oi. Chorei por horas.

A primeira vez que conversei com ele foi em 2014, na porta de um teatro em que ele estava fazendo uma peça, em Londres. Eu o agradeci por ter salvado minha vida e ele ficou meio em choque, mas passou o tempo inteiro segurando meu braço e fazendo carinho enquanto falava com as outras pessoas.

Na segunda vez foi na estreia de ‘Capitã Marvel’ e o chamei pelo primeiro nome - David - e pedi foto. Ele me disse que voltaria pra falar comigo e realmente voltou, tirou foto e me agradeceu. Fiquei mudinha.

Eu tinha certeza que nos casaríamos quando eu fizesse 26 anos e cheguei a vê-lo de novo com essa idade. Não nos casamos, infelizmente, mas pelo menos tenho a foto pra mostrar que o encontrei. Meu último relacionamento acabou porque meu ex achava que eu nunca o amaria da mesma forma que amo o Jude, o que é verdade. Outro reclamava quando eu escutava ‘Hey Jude’, dos Beatles e tentava me proibir de ver filmes dele.

Ele é muito importante pra mim até hoje. Parece que ele é uma pessoa real na minha vida, é um sentimento estranho demais. Gosto de ser conhecida por ser fã dele, sinto muito orgulho da carreira dele e o Jude me inspira diariamente. A vida não foi como eu imaginei em relação a minha carreira, mas não me arrependo de ter sido influenciada por ele".

- Bruna Freire, 28

Calcinha com o rosto do Robert Pattinson

"Minha paixão pelo Robert Pattinson começou depois que eu o vi em ‘Harry Potter e o Cálice de Fogo’. Eu tinha uns 9 anos e fiquei obcecada. Comprei as revistas em que ele aparecia, comprava figurinhas do filme… Eu achava que quando eu fizesse 18 anos, a gente poderia ficar juntos. Aí os anos se passaram, minha paixão foi meio esquecida porque ele sumiu da grande mídia. Até que ele voltou com Crepúsculo.

Eu já estava mais velha, tinha uns 13 anos e isso só piorou as coisas porque eu estava realmente apaixonada e achava que era o destino nos aproximando. A cada filme e livro, eu me apaixonava cada vez mais pelo Edward [o personagem interpretado pelo ator] e pelo próprio Rob. Eu me vestia igual à Bella [protagonista que faz par romântico com Edward na saga] e tinha uma  calcinha com a cara dele (algo que não me orgulho) e usava um anel que simbolizava meu compromisso com ele.

Quando eu completei 15 anos, ele ia gravar a cena de lua de mel do Edward e da Bella no Brasil e eu tentei convencer minha mãe a todo custo que eu deveria ir para o Rio de Janeiro sozinha. Cheguei até a fazer power point com custos e planos para conhecê-lo. Não rolou e eu chorei muito, fiquei mal a ponto de dizer para a minha mãe que ela estava impedindo meu amor. Eu realmente achava que quando ele me visse ele ia se apaixonar, tipo um encontro de almas, sabe?

Eu cresci e fui vivendo amores reais, mas ainda  tinha uma leve crush por ele só que em um nível normal. Era o que eu achava, na verdade, até eu descobrir que ele estava namorando uma modelo britânica. Chorei porque pensei que teria chances agora que estou mais velha. Mas enfim, vida que segue".

- Paula Cortez, 24

Você viu?

Odiei a Paris Hilton porque ela traiu o Nick Carter, dos Backstreet Boys


"Eu cresci ouvindo Backstreet Boys e minha primeira paixão, sem dúvidas, foi o Nick Carter. Passei anos apaixonada por ele. Lembro que quando criança eu descobri que ele era  aquariano como eu e vi aquilo como um sinal do destino. Eu nem ligava para a diferença de idade, pensava que tinha tempo até fazer 18 anos e casarmos.

Lembro também do namoro dele com a Paris Hilton. Se não me engano ela o traiu e passei anos com raiva dela por isso. Quando ele noivou eu tinha acabado de fazer 18 anos. Achei uma traição tremenda, chorei muito, ainda mais por ele ter feito isso no mês do meu aniversário. Fiquei um bom tempo sem ouvir as músicas da banda. Agora acompanho as fotos dele com a família e os filhos nas redes sociais e voltei a ouvir as músicas. Passou né? Mas se um dia ele quiser tamo aí".

- Ellen Leinig, 26

Fiz vídeos me declarando para a Fergie


"Sempre tive vários ídolos, mas a primeira que acompanhei todos os mínimos passos que dava era a Fergie. Com 10 anos aprendi inglês sozinha para entender as músicas e as entrevistas. Foi quando perdi a inocência de vez. Arrastei meu pai para o show do Black Eyed Peas quando eu tinha 11 anos porque não tinha idade para ir sozinha. Quando ela ia cantar 'Big Girls Don't Cry', ela ouviu minha gritaria e choradeira e viu que eu estava fazendo coração com as mãos. Ela fez um para mim e apontou para mim. Minha alma não voltou para o corpo até hoje.

Acompanhei lançamentos de CDs, o último show ao vivo da banda com ela, o anúncio da gravidez (chorei horrores nesse dia), o segundo CD solo, chorei mais porque não consegui ver o show dela no Rock in Rio. Eu até roubava as revistinhas da Avon em que ela estava. Tinha todos os perfumes, recortes de revista colados na minha parede e fazia vídeos me declarando para ela. Até hoje sinto um carinho indescritível. Se não fosse por ela eu não seria bilíngue, não teria conhecido os Estados Unidos, não teria feito amizades incríveis e não teria a vida que eu tenho hoje".

- Gabriela Gonzaga, 27

Harry Styles foi meu primeiro amor


"Quando eu tinha uns 12 anos eu era apaixonada pelo Harry Styles. Cheguei a pegar o cartão dos meus pais e comprei um ingresso para o show do One Direction em Miami, na melhor área. Graças a Deus o dólar estava quase R$2 naquela época. Só não fui porque eu não tinha documentação para viajar mesmo. Eu chorava de ficar mal por ele, ficava de cama de tanto que amava (ainda amo, mas não do mesmo jeito), ficava até sem comer. Acho que o Harry Styles foi o meu primeiro amor".

- Ana Claudia Alves, 21

Odeio a Giovanna Lancellotti porque ela namorou o Pe Lanza

Ysabela Carolinna, 23, passou horas em filas de shows do Restart e chegou a ficar na frente da casa de Pe Lanza para entregar presentes ao vocalista
Acervo pessoal
Ysabela Carolinna, 23, passou horas em filas de shows do Restart e chegou a ficar na frente da casa de Pe Lanza para entregar presentes ao vocalista


"Eu era mega fã de Restart a ponto de fugir de casa para ir aos shows. Já dormi na fila por dias. Na minha cabeça eu ia casar com o Pe Lanza, ter filhos e tudo mais. Já fui na frente da casa dele levar presentes. Consegui vê-lo em uma rádio uma vez, mas eu fiquei tão emocionada que eu não lembro de nada do que aconteceu, só lembro que estava descendo a rua da minha casa chorando. O fim da minha vida foi quando o Pe Lanza começou a namorar com a Giovanna Lancellotti. Odeio ela até hoje".

- Ysabela Carolinna, 23

Por favor, seja meu, Joe Jonas


"Eu chorava horrores pelo Joe Jonas. Toda vez que ele arranjava uma namorada eu sofria como se eu fosse a ex dele. Minha mãe até brigava comigo porque eu sofria de verdade (risos). Eu tinha absurdos de pôsteres no quarto e ficava olhando e chorando ao som de ‘Please Be Mine’, dos Jonas Brothers".

- Gabrielle Correia, 22

Passei uma madrugada inteira chorando pelo Nick Jonas


"Passei a madrugada inteira chorando quando vazou foto do Nick Jonas beijando a Delta Goodrem [ex-namorada do cantor] no aeroporto. Eu era louca por ele! Sonhava até em como seria o casamento e quantos filhos a gente teria (risos). Isso no auge dos meus 14 ou 15. Cheguei a escrever música para ele, bem ruim diga-se de passagem, e fiz uma fanfic toda na minha cabeça porque no show de 2010 o Nick piscou para mim".

- Camila Fieri, 24

Achei que a foto do vocalista do Simple Plan com a namorada fosse montagem


"Quando eu tinha 15 anos jurava que casaria com o Pierre Bouvier, vocalista do Simple Plan. Eu tinha um fotolog com uma fanfic minha em que eu conhecia ele e a gente se apaixonava, bem groupie. Quando ele começou a Lachelle Farrar [atual esposa de Bouvier] eu quase morri! Não acreditava que aquilo estava acontecendo, chorei horrores.

Coloquei na minha cabeça que a foto dos dois juntos era montagem, que a menina era só uma fã fazendo “fãzisse” e que eu era o amor da vida dele. Eu tinha um pôster gigante dele bem em cima da minha cama. Ainda tenho, na verdade, porque não me desfiz de nada. Dormia pensando que ele estava ali comigo".

- Mayara Melverstet, 25

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários