Luísa Lina Villa foi a primeira a descobrir que o vírus é o causador da maioria dos cânceres de colo de útero

Luisa Lina Villa declarou guerra ao HPV
Divulgação
Luisa Lina Villa declarou guerra ao HPV
Em tempos de Segunda Guerra Mundial, a matriarca dos Villa não conseguiu estudar. Com o marido e duas filhas no encalço, a mãe deixou a Itália e veio ao Brasil tentar uma nova vida. Após uma longa viagem de navio, olhou para a caçula Luisa Lina Villa e disparou a frase: “a educação será a sua missão”.

A menina obedeceu e fez dos livros e pesquisas seu objetivo de vida. E quando virou adulta utilizou todo o conhecimento adquirido nas escolas brasileiras para declarar uma nova guerra, desta vez pessoal.

O alvo escolhido pela italiana, naturalizada brasileira e bióloga pela USP foi o HPV . As pesquisas pioneiras de Luisa, iniciadas na década de 80, mudaram a forma da comunidade médica tratar as mulheres vítimas de câncer de colo de útero . Seus dias e noites analisando as moléculas cancerígenas no microscópio mostraram que o vírus, até então desconhecido, era o causador de uma das doenças que mais mata no País.

Guia de exames: saiba quais detectam o HPV

Só em 2012, o câncer de colo do útero deve fazer 30 mil novas vítimas (projeta o Instituto Nacional do Câncer). Descobrir que estes tumores tinham relação com o HPV, em mais de 40% dos casos, foi o primeiro passo para fazer do Papanicolaou um exame de rotina importante para resguardar a saúde da mulher. Os achados de Luisa também foram o embrião da vacina contra o HPV, hoje disponível na rede particular do País, mas que protege pacientes do mundo todo contra este tumor maligno.

Enciclopédia: saiba mais sobre o câncer de colo do útero

Para travar esta batalha, Luísa conta que precisou ser movida a paixão. “Um amor incondicional à ciência”, define. Namoro antigo mesmo, que foi despertado aos 11 anos de idade, quando surpreendeu os pais ao fazer um pedido especial.

Sapos, apêndice e vestibular

Luisa estava sentada à mesa, esperando o jantar, quando o pai comunicou à família que precisaria fazer uma viagem aos Estados Unidos. Disse que ficaria alguns dias longe de São Paulo mas que poderia trazer dois presentes, um para a filha mais velha, amante de poesia, e outro para a mais nova, que era fissurada pela natureza.

“Minha irmã pediu goma de mascar, cadernos e bonecas, relíquias por aqui”, lembra. Já Luísa disparou: “papai, quero um microscópio”.

“Desde muito pequena, eu tinha uma curiosidade latente em saber o que tinha dentro das coisas. Estava na primeira série do ensino fundamental e a professora havia ensinado o que era célula. Pirei com aquela informação”, conta.

“Imaginei que com um microscópio eu poderia saber como tudo funcionava. Quando meu pai trouxe o presente encomendado, comecei a minha investigação.”

A primeira coisa que Luisa observou foi uma gota d’água. Depois, um pouquinho do sangue tirado do indicador do pai. Em seguida, a casca da cebola, o tecido do vestido da mãe, os insetos. Os restos de comida, os sapos e muitas coisas passaram por aquela lente que aumenta (só) 5 vezes o tamanho das coisas. Os anos também passaram e a paixão pelos bichos, células e fibras aumentava.

Aos 14 anos, Luísa precisou tirar o apêndice e, em vão, a mãe tentou convencê-la a deixar o órgão no hospital. “Levei para casa. Guardei no formol. E vasculhava quase que diariamente aquelas fibras, aqueles tecidos, aquelas maravilhas”, diz, gargalhando, ao lembrar da insatisfação da família em ter de conviver com todos aqueles vidros espalhados pela casa. A irmã dizia que os vidros só continham "tranqueiras”, mas Luisa garantia que se tratavam de “micro-organismos importantíssimos para a vida”.

Fazendo jus ao pedido da mãe de ter a educação como tarefa, Luísa se preparava para escolher a carreira no vestibular. Biologia já era a alternativa certa, mas ficou ainda mais evidente em uma aula de ciências naturais.

“A professora explicou na aula sobre o DNA. Fiquei maravilhada e não queria fazer outra coisa na vida.”

Escolhas e propostas

Luísa Lina já estudava brincando – e não teve muita dificuldade para em 1969 entrar na USP. Naturalizou-se brasileira porque sonhava em dar aula em escola pública e este era uma condição do governo para contratar professores. De forma voluntária – e para ir se acostumando – dava aula de educação sexual para alunos do período noturno em um colégio do Estado.

Com apenas 17 anos, ela já percebia que os homens e mulheres, de qualquer idade, tinham uma dificuldade enorme em conhecer o próprio corpo, assimilar o autocuidado e a importância das relações sexuais seguras. Condutas essas que se mostrariam tão influentes, anos mais tarde, quando Luisa passou a pesquisar o HPV e constatou sua transmissão via sexo sem camisinha.

Nos corredores da USP, Luisa dividia essas experiências com a turma da Biologia, majoritariamente feminina. “Eram tantas mulheres que o pessoal da Física e da Medicina Veterinária (na época ainda com mais meninos do que meninas) só passava o intervalo com a gente”, diz. Entre um lanche e outro, ela começou um namoro com um dos futuros veterinários, relação que durou 13 anos e virou casamento.

“Meu grande parceiro, até hoje. Depois de casados, ficamos 6 anos juntos e acabamos nos separando. Com 35 de idade, quando as minhas amigas pensavam no segundo filho, eu estava me divorciando sem ter experimentado a maternidade.”

“É claro que eu sei o quanto a paixão pela ciência influenciou neste meu destino. Já confrontei várias vezes estes caminhos que trilhei, mas quando olho para trás, honestamente, não vejo como ter feito diferente”, diz com toda sinceridade Luísa Lina Villa.

Se do útero da pesquisadora não sairiam herdeiros, com o seu trabalho Luísa conseguiu deixar um importante legado. Suas pesquisas sobre microorganismo estavam a todo vapor, mas mudaram de foco quando ela recebeu um convite do Instituto Ludwig, uma das instituições internacionais mais importantes do mundo, para pesquisar “como era o câncer por dentro”.

“Eu nunca tinha parado para pensar nesta doença, mas a proposta me aguçou. Escolhi como foco o câncer de colo de útero e o de pênis e, desde então, estou debruçada neles”, pontua a pesquisadora

Saiba mais

Sexo oral: o alerta do HPV

HPV está em 30% dos cânceres de pênis

HPV, o vírus associado ao câncer

Dona Emozilia

O ano era 1982, as investigações começaram e no final daquela década a relação entre HPV, sigla misteriosa, e câncer de colo de útero e pênis já estava estabelecida, comprovada e publicada nas revistas médicas mais importantes. Luisa passou a ser convocada pela indústria farmacêutica para ajudar na busca por uma vacina preventiva. Na metade dos anos 90, as doses já estavam prontas e a bióloga cientista referenciada nos quatro quantos do mundo por ter conduzido a maior parte das pesquisas no Brasil.

Vacina do HPV: Testes das doses para adultas

Nos anos 2000, Luisa e sua equipe começaram a investigar a associação entre os tumores malignos na língua e pescoço e o mesmo vírus. Pela primeira vez, a relação entre sexo oral desprotegido e câncer na boca começou a ser divulgada.

A guerra contra o HPV, todos sabem, não foi vencida. Luísa ainda espera que a vacina chegue à rede pública brasileira, que as mulheres usem mais camisinha, que façam o Papanicolaou regularmente e que os homens não precisem ter o pênis amputado após um diagnóstico de câncer – quatro em dez causados pelo HPV – em estágio avançado. Mas ela sabe que a sua história é de sucesso e, a todo momento, diz que nenhuma história se faz sozinha.

Dedica as conquistas à mãe e sua frase “a educação é sua missão”, a todos os envolvidos nas pesquisas que ela já fez, aos concorrentes que trouxeram mais dados aos ensaios clínicos e ao professor da USP Ricardo Brentani (falecido em 2011 e um dos principais nomes da ciência internacional).

“Foi ele quem me soprou no ouvido, lá nos anos 1980, que a comunidade internacional estava de olho no HPV”, diz Luisa.

A pesquisadora elencou uma lista de nomes e, com entusiasmo, citou dona Emozilia, faxineira do Ludwig, com quem a bióloga testava os questionários sobre hábitos de vida antes de aplicá-los na população participante das pesquisas.

“Ela que me direcionava, dizia que as perguntas eram difíceis, fáceis, aplicáveis ou não.”

Luisa também coloca como peças fundamentais na história o pai e seu primeiro microscópio, que ainda está na sua penteadeira, com algumas partes faltando, mas com capacidade de mostrar como é importante conhecer as coisas por dentro.

Mariana Diniz, 28 anos, pesquisa fórmulas contra o HPV desde os 20 de idade
Eduardo Cesar/Fotoarena
Mariana Diniz, 28 anos, pesquisa fórmulas contra o HPV desde os 20 de idade

Nova geração

Mariana Diniz, também bióloga, pesquisa uma vacina para tratar o HPV. Doses no marcado são preventivas e não terapêuticas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.