Frases dos pais que acabam com a autoestima das crianças

Por Raquel Paulino - especial para o iG São Paulo

compartilhe

Tamanho do texto

Ajudar os filhos a amadurecer de forma saudável é uma das tarefas mais importantes dos adultos. Veja o que se deve evitar falar para que as crianças cresçam plenas e felizes

Nos acertos e nos erros, a criança olha ao seu redor e vê as pessoas com quem sempre poderá contar: seus pais. Possibilitar a sensação de amparo e incentivar a seguir em frente é a melhor maneira de os adultos auxiliarem seus filhos a terem uma autoestima sólida e, consequentemente, uma postura confiante ao longo de todas as fases do amadurecimento.

>> Veja, na galeria abaixo, frases que prejudicam a autoestima do seu filho:

Cada criança é única e compará-la a outra promoverá ciúmes e rivalidade com quem poderia ser uma influência positiva. Foto: Arte iGEssa frase é um reforço para comportamentos inadequados. Foto: Arte iGSempre é melhor reforçar que a família tem regras que devem ser seguidas e que não serão quebradas por uma birra inadequada. Foto: Arte iGO melhor é explicar por que algo não deve ser feito sem envolver a aparência física nisso. Foto: Arte iGOs pais devem agir em conjunto para o filho se sentir seguro e próximo dos dois. Foto: Arte iGQuando quiser saber se o que seu filho fala é verdade ou não, pergunte se vocês estão brincando de realidade ou de imaginação. Foto: Arte iGOuvir que é mentirosa pode fazer com que a criança sinta necessidade de se calar de uma vez por todas, encerrando a comunicação familiar. Foto: Arte iGEstudar junto com seu filho em casa, incluindo aulas de reforço nas atividades extracurriculares, pode ser uma boa maneira de ajudá-lo a melhorar as notas. Foto: Arte iGExplique que é importante se dedicar aos estudos e afirme que a criança pode fazer melhor no próximo bimestre. Foto: Arte iGEssa frase passa a impressão de que a criança não terá a capacidade de ser adulta um dia. Foto: Arte iGPais podem intervir como companheiros de atividade, não como substitutos. Foto: Arte iG

Os benefícios da boa autoestima infantil são muitos. A psicóloga Katia de Paiva Accurso, especializada em psicoterapia e psicodinâmica infantil pela Universidade Mackenzie, lista alguns: “As crianças desenvolvem-se plenamente, com alegria de viver, explorando o que encontrarem pelo caminho. Lidam melhor com as frustrações, que são inevitáveis em nossas vidas. Aprendem mais na escola, pois não temem demonstrar dificuldades e dúvidas. Se permitem ser criativas, já que não se prendem a modelos. Serão mais independentes, uma vez que sabem que são amadas pelos pais onde quer que estejam”.

A psicóloga clínica especializada em crianças pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) Ana Paula Miessi concorda. “A autoestima consolidada na infância forma adolescentes mais tranquilos, que conseguem enxergar os dilemas típicos da idade com mais clareza e lidar melhor com eles”, diz.

O problema é quando a educação dada pelos pais, por autoritarismo ou por falta de conhecimento sobre o assunto, não ajuda as crianças a construírem uma base de confiança para a vida. Quando a criação é baseada em frases que diminuem os filhos ou os fazem se sentir inseguros na maior parte do tempo (confira na galeria de fotos acima), as chances de a adolescência e a vida adulta serem mais complicadas são bem maiores.

Leia também:
Até onde elogiar os filhos?
Pais devem aprender a aceitar os filhos como eles são

Arquivo pessoal
A artesã Camilla incorporou ao dia a dia de sua família atitudes para promover a autoestima dos filhos Theo, Eloah e Isabella

“Sem uma boa autoestima, podem surgir problemas nos relacionamentos, tanto de amizade quanto amorosos, compulsão por dinheiro, distúrbios alimentares, problemas com álcool e com drogas”, afirma Ana Paula. Katia complementa que “essa pessoa tende a ser mais introspectiva, insegura ou agir de maneira prepotente e arrogante, justamente para ocultar sua imensa insegurança. Autoestima rebaixada traz consigo angústia, tensão constante e dependência”.

Depois de muito ler em livros e na internet sobre o assunto e de trocar ideias com outras mães em grupos de discussão em redes sociais, a artesã Camilla Werner incorporou ao dia a dia de sua família várias atitudes para promover a autoestima dos filhos Theo, de nove anos, Eloah, de cinco, e Isabella, de três. “Evito adjetivos negativos, porque a criança acaba incorporando aquilo à sua personalidade”, exemplifica.

Ela segue direitinho as orientações psicológicas contemporâneas. “Prefiro focar nas atitudes, conversar. Claro que às vezes, na hora do nervoso, a gente não pensa e corre o risco de falar algo de que se arrependerá. Quando isso acontece, não tenho problema em chamá-los depois e explicar que me expressei mal porque estava nervosa. Que não tinha a intenção de criticá-los pessoalmente. Tento acertar o máximo possível, porque quero que eles sejam adultos completos e felizes.”

Veja ainda:
Bullying entre irmãos pode causar danos psicológicos graves
Pais atenciosos têm menos chances de criar um filho praticante de bullying

Leia tudo sobre: autoestimacriançafraseprejudicarcomportamento negativocriticarcríticasfilhomaislidas

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas