Produto estimula sensações, mas não é responsável pelo prazer. Saiba como usar

Gel lubrificante pode ser considerado um acessório erótico
Thinkstock/Getty Images
Gel lubrificante pode ser considerado um acessório erótico
O gel íntimo lubrificante é um dos produtos mais populares em sex-shops. Com foco no público feminino, eles prometem sensações de calor, frio, efervescência e até formigamento – tudo para estimular um orgasmo ou prolongar o prazer. Mas será que o gel é uma solução para as dificuldades sexuais das mulheres? Especialistas explicam que esses cosméticos – muitas vezes vendidos com intenções milagrosas - ajudam na vida sexual de um casal, mas não garantem o orgasmo.

“É um apetrecho a mais. Não existe fórmula mágica. Sexo é muito mais imaginação, sintonia e autoconhecimento”, esclarece Carolina Carvalho Ambrogini, ginecologista e sexóloga, coordenadora do Projeto Afrodite da Universidade Federal de São Paulo. Segundo ela, o uso de um acessório ou novidade durante o sexo já é estimulante. “Em uma ocasião eventual pode mesmo fazer a diferença”, completa.

Adriana Khouri, química responsável pelo produto Orgasm, da Santo Cosméticos, explica que o gel da marca é feito com extratos fitoterápicos e age por meio de uma oscilação do pH que proporciona sensações na vagina ou na pele. “Você passa o produto e em 40 segundos começa a sentir a região quente, contraindo ou dilatando. O efeito é individual, varia entre as mulheres”, explica ela.

Para a sexóloga Maria Cristina Romualdo Galati, do Instituto Kaplan de São Paulo, a química do gel realmente não tem capacidade de desencadear o orgasmo, mas os efeitos na pele provocam uma brincadeira entre o casal. “Ter um acessório como esse faz com que a mulher se concentre mais no estímulo sexual. E é bom para o parceiro também”, explica.

O equívoco é aplicar o gel e achar que só isso vai levar a mulher ao orgasmo instantaneamente. “É como tomar o Viagra e ficar assistindo ao noticiário na TV. Assim não vai ter ereção. O que faz a diferença é como a pessoa usa o produto”, pontua Maria Cristina.

Além dos produtos encontrados em lojas especializadas, existem géis com testosterona que são prescritos por médicos. “Eles têm ação comprovada para aumentar a libido, mas não são vendidos comercialmente. É preciso manipular”, adverte Carolina. Ela lembra que o uso do hormônio masculino ainda é controverso e só é feito em quantidades pequenas em função dos efeitos colaterais.

O gel
Divulgação
O gel "Orgasm" promete orgasmos mais longos, mas especialistas dizem que o efeito não é garantido
Como escolher o produto
A maioria das marcas oferecem géis íntimos com base de água, que não costumam causar alergias ou comprometer a eficácia da camisinha. Mas mesmo assim é preciso prestar atenção nas recomendações do rótulo e na fórmula. “Sugiro experimentar em uma pequena região antes de brincar com o produto, porque a reação pode ser incômoda ou danosa para o organismo”, aconselha Maria Cristina.

Não existe uma dose correta para o uso do gel. Quem tem pouca lubrificação natural costuma usar um volume maior, mas a aplicação exagerada pode diminuir a fricção local e a sensibilidade. “O casal deve encontrar a quantidade e as situações de uso que aumentam o estímulo sexual”, recomenda Maria Cristina.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.