"Garganta Profunda", 40 anos depois

Mulher ‘de bem’ jamais faria sexo oral no marido. Hoje, prática é comum e faz parte das preliminares

Alexandre Adoni / iG São Paulo | - Atualizada às

Divulgação
Até onde uma mulher vai para alcançar o prazer?

O clássico do cinema pornô “Garganta Profunda” (Deep Throat, em inglês) completa 40 anos em 2012. Para quem não lembra, o filme chocou a sociedade norte-americana, quando foi lançado, em junho de 1972, com a história de Linda, uma mulher que só tinha prazer com sexo oral, pois seu clitóris ficava localizado na garganta em vez de na vagina.

Em meio a onda de protestos provocada pela exibição do filme, muita gente na época apostava que Deep Throat e a enxurrada de filmes pornográficos que foram feitos depois e que incluia outros 'clássicos', como Emannuelle, ajudaria a eliminar muitos tabus que na época envolviam a sexualidade

Leia também:

Como deixar o seco oral mais gostoso
Dúvidas sobre sexo oral respondidas
5 dicas para fazer sexo oral nele
É mais fácil dar prazer do que receber

40 nos depois, Maria Helena Vilela, educadora sexual e diretora do Instituto Kaplan, concorda. O filme ajudou as pessoas a incluírem o sexo oral no seu repertório sexual e a falarem sem constrangimento sobre a prática: “Nos anos 70, os homens faziam sexo oral apenas com prostitutas, mulher ‘de bem’ jamais faria sexo oral no marido. Hoje, passou a ser parte das preliminares. Ninguém mais se assusta de admitir que faz sexo oral”, diz.

75% dos casais ocidentais pratica sexo oral hoje
Segundo a psicanalista e escritora, Regina Navarro Lins, com o movimento da contracultura, o movimento feminista e a invenção da pílula anticoncepcional, o sexo ‘para fins reprodutivos’ deu lugar ao ‘sexo para dar e receber prazer’. Resultado, o número de pessoas que praticam sexo oral hoje é altíssimo: “Atualmente existem pesquisas que apontam que 75% dos casais ocidentais fazem sexo oral, sendo que, 40% deles, praticam com frequência”, declarou.

Nos EUA, fala-se em epidemia de sexo oral entre os jovens
Nos grandes centros urbanos, o assunto passou a ser discutido nas escolas e criaram-se até cursos que ensinam as mulheres como fazer sexo oral. Nos Estados Unidos, pesquisa recente do John Hopkins Bayview Medical Center descobriu que entre 1994 e 2004 mais que dobrou o número de jovens de 12 a 24 anos que relataram já ter feito sexo oral. A divulgação dos resultados causou furor, virou pauta no programa de Oprah Winfrey e ganhou destaque em editorial do New York Times, ambos veículos chamando a atenção para uma epidemia de sexo oral entre os adolescentes.

Divulgação
Linda Lovelace, protagonista de Deep Throat, na sua cinebiografia, que será lançada até o final do ano, será interpretada por Amanda Seyfried

Sexo oral: um favorito na terceira idade
No Brasil, não se fala em epidemia, mas sim de uma maior aceitação da prática. E não só entre os mais jovens. Depois da invenção daquele famoso comprimido para disfunção erétil, o sexo oral também é um favorito entre indivíduos da terceira idade. “De 100 pacientes que me procuram, 90% praticam, independente da faixa etária”, contou o urologista, sexólogo e terapeuta sexual Celso Marzano, que tem clínica em São Paulo.

As mulheres fazem mais sexo oral do que recebem
Apesar de toda liberação, existe um ponto que intriga os especialistas: as mulheres continuam fazendo muito mais sexo oral nos homens do que recebendo. Segundo Maria Helena, enquanto 80% dos homens gostam de receber sexo oral, entre as mulheres que declaram gostar de receber esse número cai para algo entre 40% e 50%.

Essa conta não fecha por alguns motivos. Primeiro, sentem-se mais à vontade para pedir e, segundo, existiria uma repulsa em relação à prática por parte do parceiro ou da própria mulher. “As mulheres gostam de receber, mas existe um certo preconceito. Essa coisa do cheiro da vulva afasta o homem e elas não se sentem livres para receber”, analisa a diretora do Instituto Kaplan.

Regina Navarro reforça a ideia: “A maior preocupação da mulher com o sexo oral é o cheiro”, diz a psicanalista que ainda conta que existem mulheres que têm tanto nojo do próprio cheiro que chegam a dizer: “Se fosse homem jamais faria uma coisa dessas”.

Nada que um bom sabonete íntimo não possa resolver e hoje existem opções nas farmácias e supermercados para todos os bolsos. Vale lembrar que esse tipo de produto é especialmente desenvolvido para essa área do corpo: “Nada de passar perfume ou desodorante”, aconselha Celso Marzano.

Sexo Oral e DST’s (Doenças Sexualmente Transmissíveis)
Nos anos 70, quando “Garganta Profunda” foi lançado, o conceito de sexo seguro não fazia parte do repertório das pessoas. Hoje, os especialistas são unânimes: sexo só com proteção, sobretudo o oral. A recomendação é que os homens usem camisinha e que as mulheres, na falta de um produto específico, improvisem, cobrindo a área com filme plástico ou com uma camisinha cortada.

De acordo com Maria Helena, é mais difícil contrair HIV pelo sexo oral, mas não impossível, principalmente se houver alguma ferida na boca e a mulher engolir o esperma. Ela ressalta que o risco é sempre maior para quem está fazendo do que para quem está recebendo e alerta também para a coleção de DST’s que é possível contrair através da prática: “Doenças eu seriam dos genitais, como herpes, sífilis, gonorreia e HPV podem pegar na boca”, avisa a educadora sexual.

Renato Munhoz (Arte iG)
"Garganta profunda" é uma variação de sexo oral que exige a penetração profunda do pênis na boca até atingir a garganta. A língua fica imobilizada, não há movimento de sucção. É o vai e vem do pênis na estreita passagem da garganta que garante intenso prazer para o homem

O escândalo no lançamento do filme
Quando foi lançado, em 1972, no World Theather, no coração de Manhattan, Deep Throat provocou um escândalo que durante alguns anos ocupou os juristas americanos. Em meio a uma série de denúncias e de processos, o filme conseguiu ser exibido nos grandes circuitos de cinema de Nova York, coisa absolutamente impensável em se tratando de filmes do gênero. O barulho foi tanto que mereceu um artigo no New York Times, escrito pelo jornalista Ralph Blumenthal, com o título Porno Chic, no qual ele dizia que discutir Deep Throat tinha virado moda nas festas do jet set e que personalidades como Truman Capote, Warren Beatty e Jack Nicholson eram vistos engrossando as filas nas salas de cinema que ousavam exibir o filme. O fenômeno Deep Throat ajudou a lançar uma onda de filmes pornográficos que floresceu durante algum tempo enquanto alimentava iradas discussões entre intelectuais, feministas e religiosos. Linda Lovelace (a protagonista de "Garganta Profunda") seria o protótipo de mulher liberada ou a encarnação da mulher-objeto?

E vem aí, a cinebiografia de Linda Lovelace

“Garganta Profunda” é o filme pornô mais lucrativo de todos os tempos. Filmado com um orçamento de US$ 25 mil arrecadou US$ 600 milhões e colocou o sexo oral, literalmente, na boca do povo. A cinebiografia da atriz principal, Linda Lovelace, está programada para sair nos cinemas em dezembro deste ano e vai trazer Amanda Seyfried, de "Mamma Mia" e "Cartas a Julieta", no papel da estrela pornô, que morreu em virtude de um acidente de carro, em 2002.

Continue lendo:
- Annabel Chong, a bio máquina do sexo
- Mulheres sonham em fazer sexo na Torre Eiffel
- Frases célebres de Nora Efhron, a roteirista de "Herry e Sally"

>>> Assine a newsletter do Delas, curta nossa página no Facebook e siga o @Delas no Twitter <<<

Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG