shutterstock
"Precisamos entender melhor a significância da amamentação", diz Daíse Reis, especialista em amamentação


amamentação  é um tema que gera muitas dúvidas e ansiedade sobre as mães, principalmente quando se trata de seu primeiro bebê. O que muita gente não sabe é que existem profissionais, como  doulas e nutricionistas , que podem auxiliar a lactante a tornar essa atividade mais tranquila para ela e seu bebê.


“Ninguém é capaz de dar o alimento mais completo do mundo para outra pessoa a não ser uma mãe que amamenta. É algo ímpar e que precisamos entender melhor”, diz a nutricionista Daíse Reis, personal diet (profissional que presta acompanhamento nutricional individualizado) especializada em sensibilização à respeito da amamentação.

Em entrevista ao Delas a nutricionista explica como funciona esse tipo de serviço, que é oferecido por diversos órgãos públicos (como hospitais e maternidades) e esclarece às dúvidas mais recorrentes sobre o assunto. Confira.

Como funciona o amparo às mulheres que estão amamentando?

Segundo a profissional, o assunto é pautado em programas da rede pública de saúde. Além da Caderneta da Saúde da Criança, do Ministério da Saúde - que apresenta o passo a passo sobre a importância da amamentação e como fazê-la - as Unidades Básicas de Saúde (UBS) de todo Brasil contam com equipes especializadas para auxiliar as lactantes.

Os bancos de  leite humano do Brasil também tiram dúvidas e oferecem apoio para mães lactantes e os profissionais da obstetrícia também são adequados para dar esse tipo de suporte. Existem ainda profissionais que prestam consultoria individualizada.

A nutricionista explica que o trabalho consiste em informar à mãe sobre a importância da amamentação sob livre demanda. Ou seja, em todo momento e sem controle de tempo. O atendimento auxilia em questões como posições ideais para o bebê e a mãe ficarem confortáveis e conseguirem fazer o processo com calma e tranquilidade.

Como funciona uma consultoria de amamentação na prática?

Existem diversos motivos pelos quais uma lactante pode decidir contratar uma consultora em amamentação, seja para tornar esse momento mais confortável e evitar problemas, como fissuras ou o choro do bebê, ou, caso já tenham surgido, tratar deles. O serviço é presencial, mas durante a pandemia, Daíse conta que adaptou para o virtual e conseguiu continuar atendendo pela Internet.

Antes da contratação, a lactante e a consultora devem acordar um pacote que sirva para que esse suporte seja dado corretamente. “Tem consultas que duram até duas horas, algumas a tarde inteira, outras a manhã inteira. Algumas profissionais disponibilizam pacotes para dormir na mesma casa que a lactante”, diz.

Você viu?

Quem pode se tornar uma consultora de amamentação?

Ser consultora de amamentação não tem nada a ver com o fato de uma mulher ser mãe ou não. Trata-se de uma profissional que passou por especializações e cursos que as treinam para dar esse tipo de amparo. “Não é qualquer pessoa que pode se tornar, é preciso experiência”, diz.

Por que amamentar é tão difícil?

Segundo Daíse, a falta de informação e de apoio emocional são os principais motivos pelo qual a amamentação se torna tão complicada para algumas mães. Mas, segundo a profissional, amamentar não é algo tão difícil quanto parece. A tensão por parte das lactantes é o que pode causar momentos de desespero e angústia, já que essa sensação impacta diretamente na produção de leite.

“Para o leite ser produzido e ‘descer’ para o peito, o organismo conta com apoio de hormônios liberados de forma mais fácil quando a mulher está calma e tranquila. O estresse, a preocupação em querer dar o melhor, ansiedade e outros sentimentos negativos atrapalham muito”, explica.

Tudo isso, somado a um possível desenvolvimento de depressão pós-parto , tornam a rede de apoio e o acompanhamento por parte de profissionais tão importantes para a lactante durante a amamentação.

Quais as dúvidas mais recorrentes das lactantes sobre amamentação?

A nutricionista diz que uma das aflições por parte das mães durante a  amamentação é sobre a qualidade do leite. “As maiores dúvidas são ‘se o leite do peito é fraco’, se a criança está bem alimentada, se vai conseguir dar conta de amamentar sem ajuda de fórmula infantil”, explica Daíse. Por esse motivo, é importante que a lactante tenha paciência, persistência e resistir à tentação do uso da fórmula.

O que é aconselhado a se fazer para ajudar uma lactante?

De acordo com Daíse, o apoio à lactante precisa ir além dos serviços de atendimento, mas deve se estender para o cotidiano da mulher. É nesse momento que a rede de apoio se mostra útil e eficiente para garantir o conforto e o bem-estar da lactante.

“As pessoas imaginam que o apoio está somente em dar suporte para a criança, mas na verdade a mulher precisa de total atenção, cuidado e carinho, pois desde que se conhece como  grávida ela perde a identidade, se torna ‘a mãe do fulano’, ‘a grávida’. Isso também afeta muito a cabeça dela”, ressalta.

Por esse motivo, é importante que as pessoas que estão ao redor deem suporte para que a mãe tenha tempo de descanso e autocuidado. Ajudar nos afazeres da casa, seja lavando uma louça ou passando uma vassoura nos cômodos, pode ajudar para que ela tenha tempo para se concentrar em outras coisas.

“Outras formas de apoio é, sempre que possível, revezar os cuidados com o bebê para que ela descanse, tome um banho em paz e coma bem. Também vale incentivá-la com palavras positivas para que ela abrace essa fase com felicidade e prazer”, recomenda.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários