Tamanho do texto

Quanto antes o diagnóstico for feito, mais cedo o tratamento vai apresentar resultados; veja como identificar os sintomas da ansiedade em crianças

Falta de ar, coração acelerado, inquietação e irritabilidade são alguns sintomas da ansiedade, doença que afeta 18,6 milhões de brasileiros, segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde). O que nem todos sabem é que o transtorno não é exclusivo aos adultos. Na verdade, os primeiros sinais podem aparecer logo na primeira infância.

Leia também: As manias do seu filho podem indicar problemas, explica especialista

criança abraçada na perna de adulta arrow-options
shutterstock
Falta de ar, palpitação no peito, medo irracional e inquietação são alguns dos sintomas da ansiedade infantil

“A ansiedade é um estado de humor desagradável que extrapola a normalidade, ou seja, com grande apreensão em relação ao futuro (geralmente próximo)  e intensa preocupação”, explica Fabíola Toffoli, pediatra e parceira da Weleda.

Identifica alguma dessas características em seu filho? Se sim, é hora de ligar o sinal de alerta e buscar ajuda. Quanto mais cedo a ansiedade infantil for diagnosticada, mais rápido são os resultados do tratamento.

Causas e sintomas de ansiedade infantil

Os fatores que podem desencadear a ansiedade infantil são diversos. De acordo com a pediatra, vão desde os mais graves e conhecidos, como a perda de um ente querido ou sofrer bullying e violência física, até fatores aparentemente menos danosos, como a superproteção dos pais que, ao demonstrarem medo com relação a tudo que a criança passa, geram uma sensação constante de risco e de insegurança.

Já os sintomas de ansiedade lembram os que acometem os adultos. Fabíola faz uma lista dos mais comuns entre os pequenos:

  • Palpitações ou dor no peito
  • Sensação de falta de ar
  • Boca seca
  • Alterações gastrointestinais (náuseas, vômitos, dor abdominal, diarreia)
  • Agressividade
  • Choro desproporcional ou aparentemente sem motivo
  • Tremores
  • Sudorese em extremidades
  • Enurese
  • Dor de cabeça
  • Tontura
  • Sensação de desmaio
  • Dificuldade para dormir
  • Insônia
  • Sono agitado com pesadelos
  • Cansaço excessivo
  • Tensão muscular
  • Medo exacerbado e agitação
  • Involução do desenvolvimento
  • Baixo rendimento escolar

Segundo a pediatra, essas manifestações geralmente são relacionadas a algum fator de medo, por exemplo: antes de provas, apresentação de trabalhos escolares, competições, viagens, mudanças de escola, etc.

“Como mecanismos de defesa, as crianças podem evoluir com isolamento e retração social, interferindo em sua vida cotidiana. Muitas vezes, com queda do rendimento escolar, distúrbios alimentares, dificuldade de se relacionar, distúrbios do sono e até depressão”, acrescenta.

Fabíola também fala que a ansiedade gera insegurança, dores físicas e agitação quando a criança está diante de uma situação “gatilho”. Assim, elas passam a evitar determinadas situações e se comportam de forma diferente do habitual. Por isso, é importante sempre observar de que forma seu filho reage aos acontecimentos.

Leia também: Como reverter e evitar o bullying, problema comum entre crianças e adolescentes

Meu filho é ansioso, e agora?

criança na terapia arrow-options
shutterstock
Psicoterapia e terapias integrativas, como aromaterapia e meditação, são tratamentos indicados para a ansiedade

O primeiro passo ao perceber sintomas de ansiedade na criança é tranquilizá-la e buscar ajuda profissional. Fabíola sugere recorrer ao pediatra que já conhece o histórico do seu filho para verificar se há algum fator físico ou metabólico associado e encaminhar para o tratamento mais adequado.

A profissional explica que diagnóstico de um quadro de ansiedade é complexo e passa, necessariamente, por uma investigação minuciosa que vai considerar fatores familiares, possíveis medicações que a criança usa, sintomas relatados e fatores ambientais, como escola, dinâmica familiar, amizades e traumas vividos.

A criança começa a ser tratada assim que o diagnóstico é feito. “A base do tratamento é a psicoterapia sendo a terapia comportamental a mais utilizada em pediatria”, explica Fabíola.

Além da psicoterapia voltada para a criança, existem terapias integrativas como técnicas de relaxamento e de respiração, musicoterapia, meditação, leituras, massagens, nutrição, gestão de estresse, cromoterapia e aromaterapia.

“Nos casos mais intensos, em que somente a psicoterapia não está apresentando a melhora esperada, será necessário o uso de medicações, inicialmente naturais (medicamentos antroposóficos e fitoterápicos) e, se necessário, associar alopáticos (ansiolíticos, antidepressivos)”, diz a pediatra. Nesse caso, o acompanhamento será feito por um médico psiquiatra infantil.

Leia também: Como lidar com os medos infantis

Como os pais podem ajudar?

pai e filha sorrindo arrow-options
shutterstock
Estar presente e se colocar aberto ao diálogo é fundamental, demonstrando carinho e segurança à criança

O apoio dos pais é imprescindível para o sucesso do tratamento da ansiedade infantil . Eles precisam ter a consciência para lidar adequadamente com a situação, transmitindo carinho e segurança ao filho. Fabíola diz que é preciso paciência e compreensão, já que a ansiedade infantil é causadora de sofrimento.

Para isso, busque sempre manter o diálogo aberto com a criança para que ela se sinta confortável para contar o que está sentindo. Nesse momento, não menospreze os sentimentos dela. “Lembre que é incontrolável e ela não tem a maturidade suficiente para entender o que se passa”, alerta.

Ensine a criança a aproveitar o presente e desacelere a correria do dia a dia para ser mais presente na vida do seu filho. A pediatra explica que mostrar a ação do tempo também é importante. Vale fazer um calendário para que a criança entenda a passagem dos dias.

Fabíola também fala para mostrar ao filho que as responsabilidades dos pais são cumpridas, demonstrar que nem sempre é possível ganhar e que perder faz parte da vida, além de focar nas soluções dos problemas e medos, tentando substituir o “esse acontecer tal coisa” por “o que posso fazer”.

Momentos em família também são fundamentais para casos de ansiedade infantil . Faça jogos envolvendo todos da casa, escutem música e usem técnicas de respiração em momentos mais ansiosos.

Para completar, outro ponto importante é que os pais reconheçam se também sofrerem de ansiedade e, se for o caso, busquem tratamento.