Tamanho do texto

Alguns costumes bonitinhos, como limpar demais os brinquedos, pode ser sinal de TOC infantil. Segundo psicóloga, é importante consultar um médico

É comum ouvirmos que as crianças têm certas manias e só o tempo poderá mudá-las. De acordo com a psicóloga Adriana Severine, porém, alguns desses costumes podem indicar que os pequenos precisam de ajuda especializada e adiar o contato com um psicólogo nem sempre é uma boa ideia.

Manias das crianças nem sempre indicam problemas, mas os pais precisam estar atentos para perceber mudanças
shutterstock
Manias das crianças nem sempre indicam problemas, mas os pais precisam estar atentos para perceber mudanças


O TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo) não é uma exclusividade dos adultos e, na infância, pode ser desenvolvido de acordo com certos rituais e manias ”, explica a especialista. Ainda segundo ela, muitos pais tendem a achar “bonitinho” quando uma criança só dorme depois de ouvir determinada história, é extremamente preocupada com a limpeza ou gosta de criar regras para tudo. Essas atitudes, porém, já podem ser sinais do desenvolvimento do TOC .

“A criança que começa a desenvolver esse transtorno apresenta alguns comportamentos e pensamentos repetitivos, inquietantes, que geram medo, desconforto e ansiedade”, avisa Adriana. Para ela, é importante que os pais saibam a hora de procurar ajuda e entendam que não é normal esses hábitos interferirem negativamente na vida dos pequenos.

“Se a criança cria uma rotina de rituais para fazer atividades diárias, como vestir, comer e brincar, os pais precisam fazer alguma coisa. É muito importante o acompanhamento de um psicólogo para ajudar a entender se a criança tem ou não tem TOC”, defende a profissional.

Nem todas as manias são TOC

Filha de Bella Falconi já deixou a mãe bem preocupada por conta das manias que tem ao se molhar durante o banho
Reprodução/Instagram/bellafalconi
Filha de Bella Falconi já deixou a mãe bem preocupada por conta das manias que tem ao se molhar durante o banho

Embora algumas manias sejam bem peculiares, a psicóloga alerta que os pais não devem se desesperar, do dia para a noite, ao perceberem comportamentos estranhos em seus filhos . Recentemente, por exemplo, Bella Falconi publicou uma foto com sua filha na banheira e explicou na legenda que a garotinha não gosta de molhar a cabeça. Segundo ela, Vicky só lava o cabelo usando óculos de mergulho, e essa mania já a deixou bem preocupada.

Leia também: Crianças com TOC podem apresentar déficit de memória, diz pesquisa


A psicóloga Adriana, no entanto, afirma que não tem como diagnosticar o que levou a filha de Bella a ter pavor de molhar a cabeça, pois é necessário entender como essa mania de lavar o cabelo com óculos começou. Ainda assim, a especialista recomenda o contato com um profissional da área e tranquiliza a influenciadora ao dizer que existe a possibilidade de a garotinha apenas se incomodar com o contato do xampu em seus olhos.

“O importante é que os pais sempre observem e tentem entender, junto com as crianças, como essas manias começaram a ser desenvolvidas. Se elas realmente atrapalham a vida da família, esse é o momento de buscar um profissional para diagnosticar o que pode ser isso e indicar o tratamento necessário, mas nem toda mania é TOC”, aconselha.

Não tenha medo de procurar ajuda para tratar as manias

Psicólogos podem ajudar na hora de identificar a causa das manias das crianças, fique atento aos sinais que o seu filho dá
shutterstock
Psicólogos podem ajudar na hora de identificar a causa das manias das crianças, fique atento aos sinais que o seu filho dá


Para a profissional, o TOC está diretamente ligado à ansiedade, e quando não é tratado pode desenvolver problemas mais sérios na vida de uma criança, como até mesmo a automutilação. “Algumas começam a desenvolver comportamentos que infligem dor: começam a se beliscar,  se arranham ou mordem o próprio corpo. Isso pode ser uma necessidade de autopunição por achar que elas fizeram algo de errado ou por imaginar que causaram sofrimento nas pessoas que amam”, esclarece Adriana.

Por se tratar de um problema muito sério, ela reitera que os pais não devem ter medo de procurar ajuda e afirma que um dos pontos que mais atrapalham no tratamento infantil é o preconceito dos familiares com a própria criança.  "Não deixe de ajudar seu filho a combater essas manias , com medo que ele seja rotulado como louco, problemático, estranho. As pessoas buscam ajuda de um psicólogo sempre que há uma situação desconfortável, que cause sofrimento, justamente para que ela não se agrave."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.