Tamanho do texto

No processo, mulher afirma que disse aos médicos que queria ter feito exame para detectar a condição na gravidez, mas que o teste não foi realizado

Edyta Mordel
Reprodução/Facebook/Edyta Mordel
Edyta Mordel é mãe de Aleksander, que tem Síndrome de Down

O caso da polonesa Edyta Mordel, de 33 anos, ganhou as páginas dos jornais de todo o mundo recentemente. Segundo informações do britânico Daily Mail , a mulher está processando o sistema de saúde do Reino Unido por ter tido um filho com Síndrome de Down

Leia também: Mãe se recusa a fazer aborto após médicos acharem que bebê tem síndrome de Down

De acordo com o jornal, a mulher, que mora no Reino Unido, só soube que a criança tinha Síndrome de Down no parto. No processo, ela afirma que gostaria de ter feito exames que detectassem a condição ao longo da gravidez, mas que isso não aconteceu. 

"Teria abortado"

No processo, ainda segundo o Daily Mail, Edyta afirma que não teria seguido com a gravidez se soubesse da condição do bebê. "Eu teria abortado se soubesse que ele teria Síndrome de Down. Eu disse para meu médico que queria fazer o exame para diagnosticar a Síndrome de Down", teria falado a mulher. Como a mãe queria ter feito um aborto , o caso é tratato legalmente como um "parto errôneo". 

Agora, ela se dedica a cuidar de Aleksander, hoje com 4 anos, e pede no processo 200 mil libras (cerca de R$ 950 mil) como uma forma de compensar os gastos extras que teve com a criação do pequeno. 

Leia também: Erro médico leva gestante a acreditar que seu bebê havia morrido; entenda

Mais detalhes do processo

A mãe conta ainda que fez um ultrassom na 12ª semana de gestação e acreditava que havia sido feito também o teste para a condição genética. Ela afirma que queria fazer todos os testes, mesmo sabendo que havia um risco de aborto. "Sabia desde o começo que concordaria em fazer teste para Síndrome de Down e não teria tomado nenhuma outra decisão", fala Edyta. 

Clodagh Bradley, advogada da mãe, reforça que se ela soubesse da condição, teria tomado a decisão de interromper a gravidez. 

Entretanto, o advogado do sistema de saúde do Reino Unido Michael de Navarro, também segundo o jornal britânico, diz que a mulher desistiu dos testes e reforçou que isso é comum entre as grávidas justamente porque há um risco de 1 em 50 casos de aborto espontâneo. 

A polonesa deu à luz em janeiro de 2015, no Royal Berkshire Hospital, e os registros médicos dizem que ela ficou muito brava e triste quando o filho foi diagnosticado com Síndrome de Down . O caso segue na Justiça. 

    Leia tudo sobre: gravidez