Tamanho do texto

A pequena Gisele passou cinco meses internada e foi adotada por Liz Smith

A enfermeira Liz Smith adotou a pequena Gisele depois que a recém-nascida passou cinco meses internada no hospital Franciscan Children's, na cidade de Brighton, nos Estados Unidos, onde Liz trabalhava, sem receber nenhuma visita. Ao portal Bored Panda , a mulher enfatiza que sentiu uma ligação instantânea com a criança, e a visitava todos os dias após o trabalho.

Leia também: Mãe solo faz relato emocionante sobre experiência com adoção

adotar
Reprodução/Bored Panda
Liz Smith, enfermeira, adotou a pequena Gisele após a recém-nascida passar cinco meses internada sem receber visitas


Gisele nasceu prematura após 29 semanas de gestação, equivalente a seis meses. O bebê também recebeu o diagnóstico de síndrome de abstinência neonatal, devido a dependência química dos pais. No tempo em que ficou internada, a menina não recebeu nenhuma visita, e a enfermeira, então, decidiu adotar a pequena.

Leia também: História de adoção: garotinha comove a web com pedido fofo para o padrasto

Liz Smith tem 45 anos e contou ao site que sempre quis ser mãe, mas os tratamentos de fertilidade não deram certo e ela desistiu de tentar engravidar. A enfermeira também confessou que relutava ao considerar a ideia de adotar uma criança , mas seu pensamento mudou quando conheceu Gisele.

Liz diz que o hospital oferecia o melhor atendimento possível para ajudar a recém-nascida a se recuperar, entretanto, a mulher declara que ela precisava de um lar estável para ter melhores condições de vida. Gisele, agora com 2 anos, ainda passou um ano em um orfanato até ser adotada, em outubro de 2018.

Leia também: Mãe de 4 filhos adota mais 4 e descobre tumor no cérebro: "Quero ter mais tempo"

Apesar de não ter gerado um filho – como desejava –, Liz atualmente defende que adotar alguém que não tem um lar é um dos caminhos para obter a família que muitos sonham.