Tamanho do texto

Problema é mais comum em mulheres com mais de 35 anos ou menos de 18

Tatá Werneck revelou há pouco tempo que está grávida. No início de março, a atriz e humorista falou que foi necessário ficar em repouso por alguns dias por conta de complicações na gestação. A princípio, houve uma suspeita de descolamento de placenta, mas, na verdade, ela teve um descolamento ovular. 

Leia também: Deslocamento de placenta: entenda o que aconteceu com a apresentadora Eliana

A atriz Tatá Werneck, grávida de seis semanas, passou alguns dias de repouso por conta do descolamento ovular
Divulgação
A atriz Tatá Werneck, grávida de seis semanas, passou alguns dias de repouso por conta do descolamento ovular

Tatá tem seis semanas de gravidez, por isso, o descolamento de placenta não seria possível. Esse tipo de descolamento acontece apenas após o segundo trimestre de gravidez, quando a placenta está completamente formada. De acordo com Mário Macoto, coordenador da obstetrícia da Pro Matre Paulista, em São Paulo, o descolamento ovular pode ocorrer pode ocorrer no primeiro trimestre de gravidez (12 semanas).

O descolamento acontece quando o ovo desgruda da parede do útero. "O problema é decorrente do acumulo de sangue entre o saco gestacional e a parede do útero." O médico explica que o problema pode acontecer nas primeiras 12 semanas da gestação e ser assintomático ou surgir acompanhado de sangramento vaginal e cólicas.

"O diagnóstico do hematoma é realizado por meio de exame de ultrassonografia, que aparece como uma mancha escura localizada entre o saco gestacional e a parede do útero", explica. O exame vai mostrar se há algum risco de abortamento ou se o descolamento é decorrente apenas de alguma alteração no processo de implantação ovular ou de algum vaso rompido no útero. 

Por isso, é fundamental buscar o seu ginecologista e obstetra ao observar qualquer tipo de alteração durante a gestação, principalmente no primeiro trimestre. O profissional poderá examinar e dar um diagnóstico adequado, para que providências sejam tomadas.

Leia também: Ácido fólico e outros: é preciso tomar suplementos na gestação?

Cuidados com o descolamento ovular

Quando se tem o descolamento ovular é preciso ficar em repouso de uma semana até 15 dias para evitar complicações
shutterstock
Quando se tem o descolamento ovular é preciso ficar em repouso de uma semana até 15 dias para evitar complicações

Assim como Tatá Werneck , as gestantes que passam pelo problema devem ficar em repouso de uma semana até 15 dias, variando conforme a gravidade do caso, para evitar possíveis complicações.  Também é preciso fazer reposição de progesterona, que é o hormônio responsável pela manutenção do primeiro trimestre da gestação. 

Além disso,  é indicado que a gestante não pratique atividade física de impacto e evite relação sexual. Muitas vezes o problema regride sozinho conforme o avanço da gestação, mas é importante o controle por meio de ultrassonografia.  “Passado o susto, a tendência é que não haja maiores repercussões na evolução da gravidez ”, completa o especialista. 

Leia também: Thaeme fala sobre cuidados na gravidez após aborto e descobrir trombofilia

Em relação ao grupo de risco, mulheres com mais de 35 anos têm mais chance de ter o  descolamento ovular  durante a gestação, por conta de alterações hormonais e algumas doenças de útero, como a endometrite, que é a inflamação do endométrio. Em jovens com menos de 18 anos, o risco também pode existir devido ao início da vida menstrual e útero infantil.

    Leia tudo sobre: gravidez
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas