Tamanho do texto

Ao ouvir os comentários maldosos, mãe confrontou a cliente preconceituosa

Apesar de ser um direito das mães de amamentarem seus filhos onde quiserem, ainda existe muito estigma sobre o ato, que, inclusive, ainda é sexualizado por muitas pessoas. Uma mulher amamentando em um café no Reino Unido ouviu de outro cliente que o ato estava fazendo-a “perder o apetite”.

Leia também: Foto de policial amamentando bebê passando fome em hospital comove

Uma mulher amamentando não deve se sentir constrangida, defende mãe que sofreu preconceito em café
shutterstock
Uma mulher amamentando não deve se sentir constrangida, defende mãe que sofreu preconceito em café


O episódio aconteceu com Nikki Davis, de 32 anos, que estava alimentando sua filha, Dulcie, de oito semanas, e teve de ouvir que uma mulher amamentando em público era algo nojento de outra cliente no café que frequentava.

Os comentários maldosos sobre a mãe fizeram com que Nikki começasse a chorar de tristeza e humilhação em meio ao estabelecimento.

Ao tabloide britânico “Daily Mail”, ela detalhou o ocorrido: “Eu encontrei com duas amigas minhas. Recentemente nós todas havíamos tido filhos então queríamos nos encontrar para conversar e nos apoiar. Foi quando ouvi uma mulher nos descrever para a família dela como a ‘brigada mamária’ e anda dizer que nós estávamos ‘tirando o apetite’ dela por estarmos amamentando”.

Mulher amamentando: mãe reage

Nikki Davis diz que preconceito contra mulher amamentando desencoraja a amamentação entre outras mulheres
shutterstock
Nikki Davis diz que preconceito contra mulher amamentando desencoraja a amamentação entre outras mulheres


Apesar de chateada com o comentário, Nikki e as amigas decidiram não se calar e confrontar a cliente preconceituosa. “A mulher respondeu que ela achava ofensivo [amamentarmos em público] e que deveríamos alimentar nossos bebês no banheiro. O incidente todo  prejudicou muito minha auto-confiança como alguém que acabou de se tornar mãe”, disse.

Além disso, Nikki falou de como esse tipo de atitude desencoraja muitas mães a escolher amamentar. “Num país como o Reino Unido que tem uma das menores taxas de amamentação do mundo [o Brasil, por exemplo, tem uma taxa de amamentação exclusiva até os seis meses que é mais do que o dobro do que acontece no país europeu], apesar de todos os benefícios comprovados do ato para a mãe e o bebê, não podemos desencorajar as mulheres”, defende.

Agora Nikki está usando sua experiência para estimular estabelecimentos a se registrarem como “baby friendly” (amigáveis para bebês, em tradução literal), para acolher mães, também avisando outros clientes - não mães - de que aquele é um ambiente em que a  amamentação pode ocorrer livremente e, assim, evitar que qualquer outra mulher amamentando passe pelo mesmo constrangimento que ela passou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.