Tamanho do texto

Celeste Ayala não hesitou em alimentar bebê que chegou desnutrida em hospital; apesar do gesto, pediatras alertam contra a amamentação cruzada

Uma cena que se passou na Argentina comoveu os internautas: ao fazer ronda em um hospital público, uma policial viu um bebê passando fome e, deixando o instinto falar mais alto, saiu de sua condição de segurança do local e parou para alimentá-lo. A foto mostrando a  cena de amamentação viralizou rapidamente nas redes.

Cena de amamentação entre policial e bebê desnutrida comoveu as redes sociais
Reprodução
Cena de amamentação entre policial e bebê desnutrida comoveu as redes sociais


A policial mostrada na foto é Celeste Ayala e o registro foi feito por Marcos Heredia, um colega de trabalho que fazia ronda com ela, que a postou no Facebook. No momento da cena, o bebê que Celeste segura havia sido internada por desnutrição. Percebendo que a equipe médica estava sobrecarregada e que a melhor forma de ajudar a criança era por meio da amamentação , a policial, que é mãe, não hesitou em pedir para alimentar a pequena.

“Quero tornar público esse grande gesto de amor que você teve com esse bebê que, sem conhecer, você não duvidou por um momento e alimentou como se fosse a mãe dela. Não se importou com a ‘sujeira e o fedor’ dela, como diziam os próprios profissionais do hospital”, descreveu Marcos no Facebook.

A mídia local afirma que a menina, de oito meses, é a irmã mais nova de seis crianças cuja mãe, solteira, está tendo dificuldades financeiras o que faz com que, ocasionalmente, a família passe fome. Depois do ocorrido, estão arrecadando fundos e recursos para a família.

Leia também: Mulher faz smoothie de placenta após parto, e marido, filho e até mãe provam

Celeste deu seu depoimento: “Eu percebi que ela estava com fome porque ela ficava colocando a mão na boca. Então pedi para abraçá-la e amamentá-la. Foi um momento triste, partiu meu coração vê-la daquela forma. A sociedade deveria ser mais sensível aos problemas que afetam as crianças. Isso [crianças passando fome] não pode continuar acontecendo”.

A postagem do colega de Celeste mostrando sua boa ação viralizou nas redes, tendo mais de 142 mil reações, 296 comentários e 105 mil compartilhamentos.

Amamentação cruzada

Na amamentação cruzada, mesmo que não sejam transmitidas doenças, o leite de outra mulher pode prejudicar o bebê
shutterstock
Na amamentação cruzada, mesmo que não sejam transmitidas doenças, o leite de outra mulher pode prejudicar o bebê


Apesar do lindo gesto feito pela policial argentina, pediatras alertam para a amamentação cruzada , isto é, quando uma mulher que não é a mãe amamenta um bebê. Isso porque tudo, de bom e ruim, é transmitido pelo leite materno .

Ainda que a mulher que esteja amamentando a criança seja saudável, o leite que ela produz não foi feito para aquele bebê. O corpo de cada mulher produz o leite ideal para seu próprio bebê, para atender suas necessidades especificamente.

Numa mulher saudável, o leite está repleto de anticorpos, específicos para seu filho. Ao ofertar seu leite para outro bebê, aqueles anticorpos podem não ser os que ele precisa, sendo até perigosos para a criança, que pode adoecer.

Se a amamentação não pode acontecer por algum motivo entre a mãe e seu bebê, o ideal é buscar um banco de leite humano. O leite doado a esses locais, além de passar por um cadastro detalhado, é pasteurizado e, assim, tem qualquer impureza removida e se torna próprio para o consumo dos bebês sem nenhum perigo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.