Tamanho do texto

Por décadas, a vida de Rose se baseou em esconder os pelos por medo de sofrer bullying e, depois de se aceitar, ela já conquistou até prêmios

Rose Geil lutou contra os pelos faciais por 20 anos e investiu em inúmeros tratamentos para conter o surgimento deles e evitar que isso interferisse em sua autoestima. A norte-americana de 42 anos revela ao Daily Star que precisava se barbear desde os 13.

Leia também: Casais inter-raciais enfrentam preconceito: "Vai mesmo se casar com essa preta?"

mulher decide aceitar pelos faciais arrow-options
Reprodução/Instagram/@lunchboxscoresagain
Rose resolveu parar de lutar contra os pelos faciais e se sente bem melhor. "Não imagino minha vida sem minha barba"


Rose sofre da síndrome dos ovários policísticos, doença que eleva a produção de hormônios masculinos em mulheres, e mantinha os sintomas em segredo para evitar sofrer bullying. Para isso, um dos artifícios usados por ela era carregar sempre na bolsa uma lâmina para cortar os pelos faciais durante o dia.

Depois de anos de tratamento para combater a síndrome, Rose decidiu aceitar o corpo e abriu mão de aparar os pelos e, com isso, passou a cultivá-los. Desde então, a mulher já ganhou até prêmios de barbas mais bonitas e derrotou vários homens nas competições.

"Fiquei cerca de cinco dias sem me barbear, com amor próprio e me olhando no espelho, dizendo: 'Não sou medonha e repugnante e isso realmente me agrada'", conta ela ao portal.

Leia também: Mulher que nasceu sem as mãos e com pernas curtas inspira: "Amo meu corpo"

O amor próprio tem papel importante nessa história de autoaceitação. Apesar de ser vítima de comentários "cruéis" devido aos sintomas da síndrome dos ovários policísticos , Rose se sente bem com os pelos faciais. "Os homens me perguntam por que estou de vestido, tenho problemas quando uso banheiros femininos", fala a mulher.

"As pessoas levam um tempo para aceitar que sou mulher. Elas ficam procurando alguma coisa na minha calça que não existe. É embaraçoso", diz Rose. "Se eu não tivesse barba , isso não aconteceria", opina.

Leia também: Líder de igreja repreende roupa de jovem: "Garotas gordas não podem usar short"

A norte-americana faz questão de enfatizar ter mais coisas positivas do que negativas em parar de lutar contra a natureza e assumir os pelos faciais . "Agora, meus banhos passaram de 20 minutos para sete minutos e eu não posso nem imaginar quanto dinheiro gastei com navalhas na minha vida", afirma ela. "Não imagino minha vida sem minha barba", finaliza.