Tamanho do texto

Um dia antes do ocorrido Gabbie gastou R$ 300 para descolorir os cabelos

A britânica Gabbie, de 19 anos, comprou uma bomba de banho — tipo de bolinha efervescente que dissolve em contato com a água (geralmente da banheira), deixando-a colorida e liberando um aroma — para usar enquanto relaxava em casa. O que ela não estava esperando é que a cor rosa da bomba tingiria seu cabelo e seria muito difícil de remover.

Leia também: Mulher fica "parecendo um alien" após reação à tintura de cabelo

Gabbie antes e depois do acidente com a bomba de banho arrow-options
Reprodução/Facebook
Gabbie usou a bomba de banho cor de rosa na banheira e só percebeu a nova cor de cabelo quando foi secá-lo

Segundo informações do Metro UK , a jovem comprou a bomba de banho "Luxury Lush Pud" , edição de Natal da marca Lush. Pelo site oficial, o produto custa 4,95 libras esterlinas, cerca de R$25. Ela só foi perceber que o produto havia "destruído seu cabelo " e deixado as mechas cor de rosa depois do banho, ao secar os fios com o secador.

Leia também: Cabelos tingidos: é verdade que a tintura deixa o fio ressecado?

Além de ter ficado com o cabelo colorido, Gabbie ficou ainda mais desesperada ao ver que a tinta não saía. Isso porque dia antes do "acidente", ela havia gastado cerca de R$ 309 no salão de beleza para descolorir os fios e ficar loira. 

"Eu saí do banho e comecei a usar o secador, foi quando percebi que meu cabelo estava rosa. A cor não sai. Me disseram que vai desbotar naturalmente e que qualquer shampoo removedor que existe pode prejudicar os meus fios", comenta. 

Leia também: 3 dicas para fazer a cor durar mais tempo em cabelos brancos

A jovem afirma que entrou em contato com a marca e eles ofereceram um shampoo que ajuda a remover a cor. Porém, segundo ela, a acusaram de ter usado a bomba de forma errada. "Mandei um email para a Lush e eles me deram um produto para voltar à cor que estava antes, mas eles me acusaram de ter entrado na banheira enquanto a bomba de banho ainda estava efervecendo, o que não é verdade", disse.