O verão está chegando e, com isso, muitas pessoas começam a correr atrás do prejuízo para ficar em forma na estação mais ensolarada do ano. Se esse é o seu caso, não se preocupe: o Delas conversou com a nutricionista parceira da Fit Food, Valentina Slaviero, que pontuou as cinco melhores dietas para emagrecer a tempo de aproveitar os dias de sol.

Leia também: Boa forma aos 50 anos! Jennifer Aniston é adepta da dieta 16:8; veja detalhes

dietas para emagrecer
shutterstock
As dietas para emagrecer a tempo de curtir o verão são indicadas por Valentina, nutricionista parceira da Fit Food

Apesar de haver muitas estratégias para perder peso rápido, diversos especialistas afirmam que o modo mais eficaz começa com uma reeducação alimentar. Essas cinco dietas para emagrecer indicadas pela nutricionista prometem ajudar a conquistar mais saúde e boa forma.

1. Dieta do mediterrâneo

dieta do mediterrâneo
shutterstock
A dieta mediterrânea permite uma alimentação balanceada ao ser caracterizada por frutas, verduras, leites e derivados

A primeira é a dieta do mediterrâneo, que permite uma alimentação com todos os tipos de comida e tem como base frutas, verduras, azeite, leites e derivados. Estudos como o relatório anual US New s and World Report  comprovam que esse estilo alimentar colabora com a redução do colesterol ruim, do risco de doenças cardíacas e de diabetes tipo 2.

Além disso, a dieta está diretamente relacionada à melhora no funcionamento do sistema cardíaco e ajuda a propiciar ossos mais fortes, isso porque seu cardápio inclui alimentos frescos, gorduras boas e muitas frutas.

2. Dieta low-carb

dieta low-carb
shutterstock
Uma das dietas mais comuns, a low-carb consiste em diminuir ou excluir o consumo de carboidratos

Essa é uma das  dietas da moda mais comuns. Ela consiste em diminuir o consumo de alimentos ricos em carboidratos da rotina, e eles podem ser pão, arroz, macarrão e doces. No lugar desses produtos, as pessoas costumam colocar mais fontes de proteínas, como ovos, carne e vegetais crus.

Para a nutricionista Ana Paula Gava, é preciso se atentar ao adotar esse método, pois ele não tem apenas benefícios. "Um dos grandes riscos de diminuir demais o seu carboidrato é aumentar sua ansiedade, fome e compulsão por carboidratos, como doces, pães e bolos e ainda, falta de disposição física, aumento de dores de cabeça e diminuição de massa magra", afirma ela em entrevista prévia ao Delas .

3. Dieta cetogênica

cetogênica
shutterstock
A dieta cetogênica serve para aumentar o consumo de gorduras boas e reduzir os carboidratos

A cetogênica baseia-se em "aumentar o consumo de gorduras boas, manter as proteínas em quantidades adequadas e diminuir o consumo de carboidratos". De acordo com Valentina, o objetivo dela é usar corpos cetônicos como fonte de energia no lugar da glicose, uma vez que eles ajudam am promover energia ao cérebro, ao coração e aos músculos.

Os corpos cetônicos são três substâncias solúveis em água derivadas da quebra dos ácidos graxos. Essa quebra ocorre no fígado durante períodos de baixa ingestão de alimentos, dieta de restrição de carboidratos, exercícios intensos prolongados, alcoolismo ou em diabetes tipo 1 não tratada.

4. Dieta plant-based

dieta plant-based
shutterstock
Nesse caso, o consumo de proteína animal é diminuído ou excluído do cardápio e entram proteínas vegetais

"Na dieta plant-based nós diminuímos o consumo de proteínas animais e substituímos pelas proteínas vegetais como as leguminosas: feijões, lentilhas, grão de bico, ervilha e tofu orgânico", explica a nutricionista.

Ela ressalta ainda ser importante deixar as leguminosas de molho na água por, pelo menos, 24 horas, para que o ácido fítico seja reduzido e não prejudique a absorção de nutrientes como o zinco e o ferro.

5. Mindful eating

mindful eating
shutterstock
O mindful eating significa "comer com atenção plena" e é mais uma estratégia alimentar do que uma dieta

O mindful eating , conforme destaca Valentina, não é bem uma dieta, e, sim, uma estratégia de alimentação. Ao ser traduzido, o termo significa "comer com atenção plena". "Consiste em 'estar presente' na hora da refeição, isso aumenta o nível de saciedade e diminui os riscos de comer em excesso", esclarece a especialista.

Antes de iniciar a refeição, é recomendado respirar fundo três vezes, identificar as cores, sabores e texturas presentes no prato, se afastar do celular,  desligar a TV e agradecer pela comida.

Por que essas dietas são boas?

O que faz desses métodos as melhores dietas para emagrecer, segundo Valentina Slaviero, é que a alimentação deve ser composta por folhosos verdes escuros, vegetais e frutas coloridas e gorduras boas. "Comer um arco-íris para viver mais", relaciona a nutricionista.

Ela ainda listou alimentos essenciais dessas dietas que não podem ficar de fora do cardápio:

  • Vegetais crucíferos (couve, brócolis, couve-flor e repolho, por exemplo);
  • Folhosos verde escuros;
  • Azeite extravirgem;
  • Proteínas magras de boa qualidade e orgânicas;
  • Peixes gordurosos, como sardinhas, arenques e salmão selvagem;
  • Ovos orgânicos;
  • Vegetais coloridos;
  • Avocado;
  • Nozes, pistache, macadâmias e amêndoas;
  • Chocolate amargo;
  • Frutas vermelhas;
  • Coco.

Entretanto, é necessário ter atenção especial à dieta cetogênica. Com exceção dela, todas as quatro opções alimentares podem ser feitas por qualquer pessoa. Valentina explica que a cetogênica pode oferecer riscos por conta da queda significativa no consumo de carboidratos.

"Deve ser prescrita e acompanhada muito bem por um médico ou nutricionista de confiança. Nada de fazer dietas baseadas na internet.", alerta ela.

Investir em uma dieta equivocada pode gerar malefícios à saúde. "A perda de peso de forma brusca e muito rápida acarreta em diversos efeitos colaterais, como a queda da taxa metabólica basal, ou seja, o metabolismo começa a ficar mais lento como forma de sobrevivência", diz Valentina.

Com isso, há chances de haver diminuição da disposição, queda de cabelo, unhas e intestino preso. Outro risco é ocasionar "rebote" do peso perdido, uma vez que dietas muito restritivas podem fazer a pessoa desenvolver compulsão alimentar.

Leia também: Emagreça de vez! 6 dicas para perder gordura e ganhar músculos ao mesmo tempo

Dica extra: abuse desses alimentos

dietas para emagrecer para o verão
shutterstock
Além das dietas, a nutricionista considera importante incluir alguns alimentos e bebidas para alcançar os resultados

Valentina cita ainda alguns alimentos que, não importa qual seja a dieta, podem ser incluídos no cardápio sem medos:

  • Todos os vegetais crus como pepino, palmito, aipo e erva doce, pois ajudam na hidratação e diurese;
  • Vegetais coloridos ricos em betacaroteno como abóbora, cenoura, beterraba, tomate e pimentões;
  • Frutas coloridas e refrescantes: kiwi, abacaxi, frutas vermelhas, açaí puro, manga, laranja, tangerina, mamão, limão, maçã verde, uvas escuras e melão;
  • Água saborizada antioxidante: cinco morangos, uma laranja grande e punhado de hortelã fresca. Misture tudo em uma jarra de água e deixar pegar gosto.

Além das dietas para emagrecer para o verão , é importante colocar na rotina os seguintes fatores:

  • Dormir bem e ter um sono reparador, entre 7 e 8 horas;
  • Praticar atividade física, no mínimo, 30 minutos por dia ao menos quatro vezes na semana;
  • Escolher atividades como ioga ou dança para relaxar;
  • Investir na hidratação: tomar, no mínimo, dois litros de água por dia e muitos chás como cavalinha, hibiscos, chá verde e centella asiática.

Com esse passo a passo, você não só conquista boa forma a tempo de curtir o calor, mas ainda fica saudável e adquire bons hábitos para seguir o ano inteiro.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários