Thais Carla
Reprodução/Instagram
Thais Carla

Thais Carla  é convidada do programa "Encontro" com Fátima Bernardes desta sexta-feira (8).  A influenciadora e bailarina venceu um processo judicial contra Leo Lins, onde a sentença determina que o humorista deve pagar uma indenização de R$ 5 mil. Leo Lins usou um vídeo de Thais, divulgando os dados pessoais e imagem da influenciadora digital sem sua autorização, falando diversas frases preconceituosas e  gordofóbicas.

Questionada sobre o que essa vitória representa, Thais fala: "Essa vitória não é só para mim. Eu digo que o meu trabalho vai além só de blogueiragem. É um trabalho social. Eu mexo com o que está doendo lá dentro da alma. A pessoa gorda não tem uma roupa, não tem uma cadeira, ela não tem um lugar no médico para sentar e tirar uma chapa, ela não tem emprego."

"O mundo, parece que ele está, praticamente, querendo forçar as pessoas de que elas sejam uma só. A gente tem que entender que somos milhares de corpos. O que aconteceu comigo serve para as pessoas não se calarem, para as pessoas falarem porque elas não são um monstro, elas não são anormais. São simplesmente seres humanos, são simplesmente gordas. As pessoas precisam entender que não existe só um tipo de corpo, existem milhares de pessoas, de corpos. Parar de usar, também, que é desculpa sobre saúde - e não é sobre saúde. É uma coisa estrutural", finaliza.

Fátima fala que esses tipo de comentários não são sobre saúde e não levam em consideração a realidade da pessoa - baseada somente no visual. A atriz Taís Araújo, também convidada do programa, fala sobre a importância deste trabalho feito nas redes sociais para ajudar a mostrar outras perspectivas. Fátima Bernardes cita um vídeo de Thais onde ela mostra que é feliz no casamento, ironizando pessoas que falaram que o casal não daria certo.

Leia Também

Fátima diz que é impressionante que as pessoas ainda pensem que quem é gordo não merece ser feliz, e pergunta para Thais como é perceber que este é o olhar que ela recebia. Thais responde: "Minha vida inteira foi puro julgamento. Até quando eu tinha o maior sonho de ser bailarina e eu era muito julgada. As pessoas não percebiam que basta você querer para ser. Você tem que lutar para ser o que você quer."

"Eu comecei depois dos 30, em 2009, e aí foi uma atrás da outra, fiz muitos programas de televisão, já participei de programa com o Marcos Mion, aí fui para a Anitta... Do nada, quando eu fui perceber, eu virei influencer de um grupo de pessoas. Eu quero mostrar e educar os olhos das pessoas que elas podem ser sim. Antes de saúde, antes de corpo, você tem que ter uma alma feliz, uma pessoa realizada onde você pode se encontrar."

"O que eu faço na rede social é muito social. É para mostrar para as pessoas que não importa como elas sejam, que elas podem ser felizes do jeito que elas são. Eu construí meu império, abri uma loja de sex shop, onde eu apresento várias coisas na internet. Minha família toda dança, meu marido é um cara negro, temos filhas negras. É sobre isso: a sociedade tem que entender que basta você se encontrar e ser feliz. Eu mostro isso, que é real e pode ser real. Não precisa ser plastificada ou a pessoa mais magra do mundo para ser quem você quer ser."

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários