Entre as razões estão uso de salto alto, tamanho exagerado das mamas, sedentarismo e estresse

Má postura em atividades cotidianas levam às dores, que podem se agravar com o tempo
Thinkstock/Getty Images
Má postura em atividades cotidianas levam às dores, que podem se agravar com o tempo
Tantas obrigações familiares, pessoais e profissionais, dão aquela sensação de estar “carregando o mundo nas costas”.

E isso tem um custo: dores , que podem ir de simples desconfortos a enfermidades incapacitantes.

“Estatísticas têm mostrado que as mulheres são as que mais apresentam queixas de dores nas costas, especialmente acima dos 45 anos”, afirma o ortopedista Adalto Lima, membro titular da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT) e chefe do serviço de ortopedia e traumatologia do Hospital Badin e do Hospital Israelita Albert Sabin, do Rio de Janeiro.

Leia mais: Dor nas costas é a líder de
afastamento do trabalho

Vários fatores influenciam o aparecimento do problema e podem levar a maior ou menor gravidade. Entre as principais razões estão o uso constante de saltos altos, má postura em situações do dia a dia, falta de atividade física, gravidez , doenças e estresse.

Leia: Empinar demais o bumbum prejudica a coluna

“O corpo humano tem um eixo que vai da cabeça ao centro da bacia. A utilização do salto alto favorece o desalinhamento desse eixo, sobrecarregando a coluna. E quanto maior ele for, mais o quadril se pronuncia para trás. A curto prazo isso pode gerar dores lombares e se a coluna for exposta diariamente a esse esforço, pode sofrer um desgaste maior, gerando problemas mais graves no futuro, como uma hérnia de disco ", alerta o neurocirurgião especializado em coluna Marcelo Perocco, membro titular da Academia Brasileira de Neurocirurgia, de São Paulo.

Leia mais: Dossiê do salto alto e Saltos altíssimos, usados por anos, podem afetar aparência dos pés

Quem tem os seios naturalmente volumosos ou quem exagera no tamanho da prótese de silicone também pode sofrer desconforto lombar.

“O volume e o peso das mamas fazem o tórax se projetar para frente, desalinhando a coluna”, reforça Lima. Se for essa a causa da dor nas costas, é preciso fazer uma avaliação médica para verificar a necessidade de reforço muscular, uso de sutiãs adequados e até cirurgia de redução mamária ou adequação da prótese de silicone.

Leia também: Silicone: errar no tamanho prejudica os seios

A obesidade e a inatividade física são outros problemas que agravam as dores nas costas. “Uma coisa puxa a outra: o aumento de peso muitas vezes inibe a pessoa de fazer exercícios, o que só contribui com os quilos a mais. A obesidade é um dos mais frequentes desencadeadores de dores nas costas”, completa o ortopedista do Rio de Janeiro.

Confira o infográfico: Cinco maneiras de evitar dor nas costas durante a gravidez

O mal ainda pode estar relacionado a doenças como osteoporose , fibromialgia , artrite e artrose – patologias mais frequentes no sexo feminino. Nesses casos, é preciso ficar atenta para que a doença seja investigada e não apenas as dores sejam tratadas.

Até o estresse emocional pode atingir as costas femininas, ao provocar tensão, contração muscular e descarga de substâncias nocivas que irritam a musculatura e provocam dor. Da mesma forma, a má postura em situações do dia a dia, como sentar diante do computador ou assistir televisão no sofá, pode levar ao desconforto lombar.

O ideal, de acordo com Perocco, é a mulher conhecer e entender as necessidades de seu corpo, evitando situações que causem dor.

"A prática de exercícios físicos e fortalecimento muscular, além de alimentação saudável, visando o controle de peso, redução do estresse, boa postura e exames periódicos podem ajudar a evitar os problemas”, aconselha.

“Não é normal sentir dor. Diante de manifestações dolorosas – incômodo constante, que piora com o passar do tempo e que limita seus movimentos – procure um médico”, finaliza Lima.

Siga lendo:
Meditação ajuda a lidar com a dor
Dor crônica aflige mais mulheres e é problema para 30%
Para lombalgia, tente alongamento e ioga

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.