Mudar o caminho usado para ir ao trabalho, aprender uma nova língua e ler as notícias com outros olhos. Confira estas e outras dicas para turbinar o cérebro

A memória funciona como um músculo que precisa ser estimulado para manter sua capacidade de adquirir, guardar, recuperar ou acessar as informações armazenadas durante a vida – seja o nome de sua rua, a música que tocava no momento do primeiro beijo, as fórmulas para a prova de Física (que provavelmente nunca mais foram usadas) ou os ingredientes daquele bolo de fubá especial ensinado pela avó. “É como treinar um esporte”, diz Antonio de Salles, chefe da Neurologia do Hospital do Coração (HCor), em São Paulo. “Precisa ativar o cérebro com uma série de incentivos de aprendizado”.

Sobrecarga de trabalho, depressão, ansiedade, distúrbios de sono ou estresse podem prejudicar o armazenamento de informações e torná-lo menos eficiente do que antes. Nesse caso, é importante tentar descobrir o motivo exato da piora da memória.

Leia também: como ganhar uma discussão

Existem alguns remédios que ajudam, como a classe de inibidores da acetilcolinesterase, mas a indicação deve ser realizada por médicos somente em casos de doenças específicas. “Não são para uso de pessoas que buscam melhor desempenho para o estudo ou o trabalho, mas para situações em que haja prejuízos cognitivos, como o Alzheimer. Outros medicamentos, como o metilfenidato são usados de modo irregular, por isso devemos alertar que o uso indevido dessas substâncias podem levar a sérios prejuízos”, ressalta Renato Anghinah, neurologista e coordenador do Centro de Atenção à Memória do Hospital Samaritano de São Paulo.

Por isso, o melhor é investir em um dia a dia com hábitos saudáveis e mais qualidade de vida, além de aproveitar as 15 dicas abaixo para melhorar sua memória.

1. Faça exercícios de memorização com as notícias
“Ao ler uma matéria no jornal sobre um acidente de avião, por exemplo, faça um questionário a si mesmo para tentar se lembrar dos detalhes: qual era a companhia aérea? Dos mortos, quantos eram passageiros e tripulantes? Qual era o nome do comandante?”, recomenda Avelino Leonardo da Silva, professor de Neurofisiologia da Universidade Estadual Paulista (Unesp) de Assis.

2. Não leve lista ao supermercado
Para se lembrar do que precisa comprar, use a técnica de associação. Memorize um produto ligado ao outro. Por exemplo: “ao pegar macarrão, preciso lembrar do molho de tomate, o que me remete aos legumes e frutas, o que me lembra do suco”, e assim por diante.

Sono: dormir pouco ou mal compromete as funções do cérebro
Getty Images
Sono: dormir pouco ou mal compromete as funções do cérebro

3. Tenha uma boa noite de sono
Algumas ondas cerebrais produzidas enquanto dormimos ajudam a transferir dadosda região chamada hipocampo ao córtex frontal, área onde fica o "estoque" da memória ao longo prazo. Além disso, quanto mais descansada a mente estiver, mais informação ela conseguirá guardar.

4. Coma mais peixe (e outros alimentos específicos)
Enquanto baixos índices de glicose no sangue podem causar sensação de cansaço, alimentos ricos em ômega 3 (peixes de água salgada e fria, como salmão, sardinha e bacalhau), vitamina B (banana, carne, vegetais verdes folhosos, cereais e ovos) e antioxidantes (frutas, verduras e legumes) são fundamentais para o melhor funcionamento do cérebro. “Suplementos alimentares que são propagados como potencializadores da memória geralmente já estão presentes em uma alimentação equilibrada, ou seja, não há necessidade de ingeri-los à parte”, reforça Anghinah.

5. Faça exercícios físicos
Não é à toa que os médicos recomendam a prática regular de exercícios físicos. De acordo com estudo da Universidade da Pensilvânia, além de promoverem melhores oxigenação e circulação sanguínea, aqueles que envolvem atenção fazem com que os praticantes desenvolvam uma melhor performance cerebral.

6. Mergulhe em jogos e passatempos
Sudoku, damas, baralho, xadrez, caça-palavras e palavras cruzadas são boas opções para estimular o raciocínio. São expressões lúdicas que ativam o cérebro significativamente.

7. Preste atenção aos pequenos movimentos diários
Com pressa, não é difícil esquecer onde deixamos a chave ou os óculos – por isso, é essencial focar em uma coisa de cada vez. Em uma palestra, por exemplo, em vez de se distrair com o celular ou conversas paralelas, tome nota do assunto e procure interagir.

8. Administre a ansiedade
Já aconteceu de dar branco antes daquela prova superimportante? Isso acontece porque o hormônio cortisol apaga as lembranças de curto prazo para que a concentração esteja na situação impactante daquele momento. Portanto, evite estresse e ansiedade em excesso.

9. Evite álcool e drogas
As substâncias causam destruições orgânicas de áreas do cérebro. O dano pode ser temporário ou permanente, de acordo com a gravidade do caso.

10. Varie o caminho usado para ir ao trabalho
A neuróbica consiste em exercitar o cérebro por meio de coisas inabituais. “Ao ir para o trabalho, troque o caminho algumas vezes por semana para não se acostumar a um só. Você verá outras paisagens, novos rostos e poderá tentar se lembrar deles depois. É um desafio”, indica Silva.

'Reaprender' a usar o mouse, movido para o lado oposto, evita os movimentos automáticos de costume e estimula o cérebro
Getty Images
'Reaprender' a usar o mouse, movido para o lado oposto, evita os movimentos automáticos de costume e estimula o cérebro

11. Troque o mouse do computador de lado
Mais um exercício da neuróbica, ajuda a quebrar a rotina e manter as estruturas de aprendizagem treinadas.

12. Veja as horas por um espelho
O estranhamento força o cérebro a interpretar os ponteiros e quebra o automatismo com que vemos as horas.

Leia também

Eles passaram um ano sem dinheiro, sem sexo ou sem compras -- e contam como foi

35 deslizes na etiqueta do dia a dia

13. Vista-se de olhos fechados
O objetivo é reconhecer os caminhos de uma atitude automática contando com um dos sentidos a menos, dando mais ênfase, assim, para os outros.

14. Escove os dentes com a outra mão
Se você é destro, use a esquerda. Se é canhoto, a direita. O propósito é o mesmo dos anteriores: ‘reaprender’ um ato automático.

15. Aprenda culinária (também vale pintura, um novo idioma ou outra coisa que você nunca fez)
Não existe um limite de armazenamento de informações para o cérebro, por isso é importante aprender sempre - seja culinária, idiomas, artesanato ou lutas marciais.

Leia também

Os dez erros imperdoáveis do restaurante por quilo

Butão, Djibuti, Coreia do Norte: norueguês viaja para os 25 países menos visitados do mundo