Expressões como “disponível para qualquer oportunidade” e “ótima performance” podem denotar falta de qualificação ou excesso de vaidade do candidato. Veja outras

Todo currículo precisa ter informações claras, objetividade e grafia correta para qualificar o candidato à seleção. Mas observar somente isto não basta. Na opinião de recrutadores, algumas frases e expressões comumente usadas estão muito “batidas” ou, pior, indicam insegurança ou falta de qualificação. Conheça-as abaixo e, depois, entenda por que é melhor evitá-las.

Embora o modelo e a formatação do documento mudem de acordo com a área de atuação ou o tipo de empresa, autoelogios, gerundismo e palavras com sentido vago ou muito genéricas devem ser abolidas de qualquer currículo, não importa o cargo pretendido. “O currículo é um resumo profissional. Deixe-o atraente e dê destaque especial aos resultados que já entregou ao longo da carreira. Isto é o que mais diferencia um profissional de outro”, diz Alexandre Prates, especialista em carreira do Instituto de Coaching Aplicado e autor do livro “A Reinvenção do Profissional” (Novo Século, 2013).

Entenda a fundo os maiores erros do currículo:

1. “Estou disponível para qualquer oportunidade na empresa”

Não definir o objetivo no currículo pode ser a primeira demonstração de que o candidato não está qualificado para ocupar uma determinada função ou, ainda, demonstrar que ele não tem especialidade alguma. Portanto, seja específico e defina o cargo a que pretende concorrer ou sua área de atuação.

2. “Almejo o cargo de....”

Ao descrever o objetivo profissional, nunca coloque a palavra “almejo”, que pode denotar fraqueza ou imaturidade. Procure colocar somente a área ou a posição desejada, de maneira direta. Não use “Almejo o cargo de analista de vendas”. Coloque simplesmente: “Objetivo: analista de vendas”.

Leia também: como conseguir o que você quer do seu chefe

3. “Sou uma pessoa proativa”

Especialistas são unânimes ao dizer que não pega bem ficar enumerando qualificações que só podem ser comprovadas na prática. Sendo assim, de nada adianta colocar no currículo que você é proativo, comunicativo ou que tem bom relacionamento interpessoal. “Em vez de dizer que tem atitude, simplemente cite os resultados que você já trouxe para as empresas para as quais trabalhou. Isso mostrará, de fato, quem você é”, recomenda Alexandre Prates.

4. “Sou um profissional criativo”

Da mesma maneira, colocar no currículo que é criativo soa como uma informação vaga e sem valor para o recrutador. “Caso o candidato queira mostrar que é criativo, o melhor é ele inovar no formato do currículo. Dizer que é criativo mandando o currículo em Word com letra Arial mostrará alguma incoerência entre discurso e prática”, afirma a psicóloga Renata Magliocca, professora de captação e seleção da Fundação Instituto de Administração da USP, gerente da Cia de Talentos e coautora do livro “Carreira: Você está Cuidando da Sua?” (Campus Elsevier, 2011).

Leia também: como pedir (e conseguir) aumento de salário

5. “Vários projetos...”

Evite generalizar. “Vários”, “diversos”, “muitos” são termos que devem ser usados com atenção, já que denotam indefinição e podem gerar dúvidas no selecionador. “O ideal é que o candidato apresente o contexto de algum projeto ou função que ele assumiu e detalhe qual era o seu papel e responsabilidade, e depois cite os resultados alcançados”, aconselha Renata.

6. “Ótima performance...”

Cuidado com os autoelogios. Adjetivos como “ótima performance” ou “altamente qualificado” podem apresentar a pessoa como esnobe. “O excesso de vaidade atrapalha. Não pega bem para a imagem do candidato”, diz a psicóloga Ana Cristina Limongi França, professora de comportamento organizacional da Faculdade de Administração da USP e autora do livro “Práticas de Recursos Humanos – Conceitos, Ferramentas e Procedimentos” (Atlas, 2007). Ela explica que, neste caso, o melhor é mostrar as qualificações com números, resultados, estatísticas e até premiações. Portanto, ao invés de dizer “fui o melhor vendedor no ano de 2012”, coloque: “Em 2012, as vendas que realizei representaram lucro de X% para a empresa”.

Leia também: não minta no currículo!

7. “Eu acho...”

Assim como “eu acredito” e “eu suponho”, “eu acho” é uma expressão considerada duvidosa. Então, se quer demonstrar confiança ao recrutador, não use. “A frase dá a impressão de que a pessoa não está querendo se comprometer. Se algo der errado, é porque ela não deu certeza sobre determinado assunto”, diz Alexandre. Se precisar se colocar de alguma maneira, utilize algo do tipo: “Minha posição sobre este assunto é...”.

8. “Vou estar cursando...”

Além de denotar fraqueza de ação, o uso do gerundismo é considerado perigoso na língua portuguesa. “É horrível e sugere insegurança. Quando a pessoa diz ‘vou estar fazendo’ tal coisa dá a impressão que não está querendo assumir a responsabilidade do ‘vou fazer’”, comenta Alexandre Prates. Portanto, em vez de colocar: “No próximo mês vou estar cursando inglês” prefira “Começo o curso de inglês no mês que vem”.

9. “Deixei meu último emprego porque...”

Não é necessário mencionar no currículo as razões pelas quais você saiu da empresa ou foi demitido. Deixe para responder ao entrevistador pessoalmente, quando for perguntado. O currículo é um resumo das qualificações e as informações precisam ser objetivas e “vender” o profissional.

Leia também: os sete pecados capitais das entrevistas de emprego

10. “Sou vegetariano”

No currículo, não é preciso revelar detalhes pessoais, do tipo “Sou vegetariano” ou “Pratico esportes três vezes por semana”. A psicóloga Ana Cristina Limongi França lembra que é preciso somente se ater aos dados relacionados à carreira, de forma objetiva e relevante para a posição desejada.

Leia também

Guia para mulheres empreendedoras

Teste: está na hora de mudar de emprego 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.