Barriga "para dentro" de Candice Swanepoel vira desejo entre mulheres; médicos avisam que nem todo biotipo favorece o estilo, e tentar chegar lá pode ser perigoso

Não basta mais ser magra e ter gominhos no abdome. A nova moda entre as mulheres é a barriga negativa, aquela com uma curvatura para dentro, que deixa os ossos do quadril e das costelas saltados, destacando a magreza. A modelo sul-africana Candice Swanepoel costuma exibir a sua, bem como Adriane Galisteu, Luciana Gimenez e outras celebridades. Recentemente a webcelebridade  Daiane Dornelles, aclamada no Instagram por sua magreza, morreu, vítima de complicações com a anorexia nervosa .


Fadlo Fraige, endocrinologista do Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo, avisa que não é todo o mundo que pode ter a barriga "para dentro", e define o tipo de corpo que a favorece: “É o da pessoa que sempre foi magra e possui família com esse mesmo biotipo”. O personal trainer e fisiologista Givanildo Matias explica que quem tem o abdome assim são as mulheres longilíneas, com perfil de modelo. “Não são todas que conseguirão chegar ao resultado que querem. Uma mulher mais curvilínea pode até tentar, mas é bem pouco provável que dê certo. Para aquela concavidade negativa, tem de haver uma grande diminuição de gordura e até perda de massa muscular. Então, para a maioria, mesmo fazendo todo esforço do mundo, não será possível”, explica.

A busca pela barriga negativa pode ser muito perigosa; leia mais sobre o caso de Daiane Dornelles
Reprodução/Instagram

Matias alerta para o fato de que a barriga negativa apresenta perigos para a saúde, pois o músculo abdominal de quem tem pouca massa muscular fica mais vulnerável. “A pessoa pode ter desvios posturais e dores na coluna. Não é algo muito bom para gestação também, pois o abdome fica enfraquecido. Além disso, para ter essa curvatura, a mulher, provavelmente, terá um índice de gordura abaixo de 16%, próximo à desnutrição, e aí já corre o risco de entrar no quadro de menorreia”, cita.

Os especialistas fazem questão de ressaltar que, para quem é magra naturalmente, é possível ser saudável e ter a barriga negativa. “É preciso analisar cada caso, mas há quem tenha essa concavidade. Depende das características das pessoas. Tem gente que tem o osso saltado mesmo”, avalia Matias.

Fraige chama a atenção para a excessiva busca pela magreza, que pode ser prejudicial à saúde. “Isso pode vir a romper o equilíbrio metabólico. O paciente perde massa proteica muscular, diminui a resistência imunológica e tem a chance de ter outras complicações”, fala, referindo-se aos excessos que uma pessoa chega a cometer para alcançar objetivos como a barriga negativa. “Quem não tem o biotipo adequado não deve buscar a barriga negativa. O ideal é que a mulher esteja com a saúde em dia, realize constantes exercícios físicos e se alimente corretamente. Assim, terá saúde e certamente estará em forma”, completa o endocrinologista.

Cristiane Moraes Pertusi, doutora em psicologia do desenvolvimento humano pela Universidade de São Paulo (USP), também fala dos problemas que essa perseguição exagerada pelo corpo tido como ideal podem acarretar. “Se isso se tornar uma obsessão e o único foco da vida, pode trazer danos psicológicos e físicos. A busca exagerada pelo corpo perfeito e a falta de flexibilidade para lidar com as naturais limitações e imperfeições podem levar a distúrbios psicológicos como anorexia, bulimia, depressão entre outras patologias.” Ela defende que o mais importante é se cuidar de maneira saudável, orientada por médicos e até se necessário por psicólogos. “Ter uma boa imagem de si próprio, cuidar-se r aceitar seus limites e os do próprio corpo é fundamental para uma vida saudável.”

Para ter uma barriguinha em dia, Matias dá as seguintes dicas: “É precisa reduzir a gordura corporal, dar ênfase aos exercícios aeróbicos, como correr, caminhar, andar de bicicleta ou patins, e fazer uma alimentação muito bem regrada”. Para não correr grandes riscos, os especialistas avisam: antes de começar qualquer coisa, é melhor consultar um nutricionista e um profissional de educação física, para não passar dos limites.

Leia também
Brasileiras de 35 a 39 anos são as mais satisfeitas com o próprio corpo
Como conquistar um sorriso branquinho
Eles usam a beleza para fazer o bem aos outros
Tratamentos para pele e cabelo que agem enquanto você dorme

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.