Enfermeira Mara Abreu precisou de um transplante de fígado e teve uma hepatite fulminante, culminando na sua morte
Reprodução
Enfermeira Mara Abreu precisou de um transplante de fígado e teve uma hepatite fulminante, culminando na sua morte

A enfermeira Mara Abreu morreu  no dia 3, após a rejeição do transplantade fígado que precisou fazer após contrair uma hepatite fulminante. Antes de adoecer, Mara tinha hábitos saudáveis e fazia uso de um chá emagrecedor composto por 50 ervas. O episódio acendeu um alerta para pessoas que buscam perder peso de maneira natural: chás e outros suplementos à base de plantas são seguros? Existe uma dose recomendada desses produtos ou é preciso evitá-los? Até onde a regra do "mal não vai fazer" é válida?

Liliana Ducatti, gastroentereologista do Hospital das Clínicas, fez postagens em suas redes sociais, alertando para este tipo de produto. "Nós recomendamos não fazer o uso desse tipo de medicação: chá que desincha, chá detox, natural, erva... Não faça uso, desaconselhe as pessoas que você conhece. Isso tudo é charlatanismo e são descritos como hepatotóxicos, fazem mal para o fígado sim e podem levar à necessidade de um transplante de fígado."

Ela aproveitou para recordar que já aconteceram casos semelhantes ao de Mara registrados no HC. "Tudo isso por causa de uma medicação que poderia ter sido evitada, um falso remédio para emagrecer, uma falsa ilusão de que é natural e não tem problema. Tem problema sim", escreveu a médica em 24 de janeiro.

Existe emagrecimento saudável?

O iG Delas conversou com a médica pós-graduada em nutrologia Laura Mocellin Teixeira sobre o acontecimento e ela diz que os profissionais da saúde precisam falar sobre o que se diz "natural" ou "milagroso". 

"Primeiramente, o emagrecimento não deve ser buscado através de fórmulas mágicas pois somente será obtido com acompanhamento profissional, suporte nutricional e compreensão dos fatores emocionais e metabólicos que estejam levando ao ganho de peso. Tentar emagrecer a qualquer custo pode causar sérias consequências emocionais, gatilhos para compulsões e até mesmo graves problemas de saúde, como o exemplo que tivemos", explica Laura.

Dados de uma pesquisa de 2019 do Conselho Federal de Farmácia ( CFF ) indicam que quase metade dos brasileiros se automedica pelo menos uma vez por mês e 25% todos os dias ou pelo menos uma vez por semana.

Leia Também

Leia Também

Leia Também

Todo chá faz mal?

"Receitas caseiras e complexos de ervas passados no "boca a boca" e vendidos em lojas de produtos naturais ou até mesmo online dificilmente possuem registro pela ANVISA, não possuem dose controlada, tabela de ingredientes e muito menos bula. Muitas vezes não podemos nem ter certeza que o que está contido na cápsula é a substância do rótulo. Ao mesmo tempo, tais medicamentos naturais são vistos pela população como sendo sem riscos à saúde, e por esse motivo precisamos alertar à população sobre seu potencial medicinal, e portanto, tóxico também."

Laura explica que na prática da fitoterapia, o profissional capacitado para o uso das plantas medicinais fará uso do que chamam de medicamentos fitoterápicos, que possuem registro na ANVISA, dose controlada para as necessidades do paciente e que devem ser usados por, no máximo, três meses e com acompanhamento do profissional prescritor.

"Assim como qualquer medicamento alopático, a metabolização é majoritariamente feita pelo fígado, e esse é um dos principais motivos pelos quais tanto medicamentos alopáticos quanto fitoterápicos devem sempre ser usados cuidadosamente, por tempo definido, com acompanhamento médico e evitando o que chamamos de polifarmácia (o uso concomitante de diversos medicamentos)."

Uso culinário das plantas e ervas

"Também é importante diferenciarmos o uso culinário das ervas do uso medicamentoso. Os alimentos e ervas que ingerimos possuem potenciais medicinais, mas o que diferencia o remédio do alimento, e também do veneno, é a dose. Portanto, o uso culinário em quantidades moderadas e sempre variando os ingredientes raramente representa risco à saúde, ao contrário do uso em larga escala e corriqueiro."

Dessa forma, a orientação é evitar o uso de chás, ervas e principalmente de misturas de diversas ervas em grandes quantidades e por muito tempo, sem o acompanhamento e orientação de um profissional da saúde.

"Mas aquele bom e velho chá de camomila para acalmar um dia ansioso, ou um chá de hortelã para melhorar a digestão e até mesmo um chá verde para reduzir o sono e melhorar a energia ainda podem ser utilizados sem medo ou culpa, e sempre tomando cuidado para comprar de locais com procedência confiável", conclui Laura.

** Luciana Teixeira Morais é jornalista formada desde 2016, com experiência em reportagens para mulheres, UX writer, SEO e mídias sociais. No iG, escreve para os canais Delas e Receitas, além de uma coluna sobre maternidade.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários