A convidada de desta sexta-feira (24) para a live com o iG foi a doutora Marília Fonseca, gerente médica da Novo Nordisk, indústria farmacêutica dinamarquesa e maior produtora de insulina no mundo. A médica falou mais sobre a diabetes e, sobretudo, quando ela acomete gestantes.

Além da psicoterapia tradicional%2C manter uma rotina de exercícios físicos ajuda a amenizar os sintomas da doença
shutterstock
Além da psicoterapia tradicional, manter uma rotina de exercícios físicos ajuda a amenizar os sintomas da doença


Durante a gravidez, para permitir o desenvolvimento do bebê, a mulher passa por mudanças hormonais. A placenta, por exemplo, é uma fonte importante de hormônios que reduz a ação da insulina, responsável pela captação e utilização da glicose pelo corpo. Como resposta, o pâncreas acaba aumentando a produção de insulina. Mas isso não acontece em todos os casos e é por isso que a diabetes gestacional ocorre.

Segundo a médica, a doença, geralmente, é transitória, mas isso não é regra. "Em geral, você diagnostica durante a gravidez. Eventualmente você trata com alguma medicação, como a insulina, mas na maioria das vezes não precisa de tratamento com remédio", explica.

Na maior parte dos casos, as pacientes conseguem controlar o quadro seguindo uma dieta bastante rigorosa e praticando exercícios físicos. E caso seja necessário algum tipo de medicação, ela deve ser muito bem controlada e seu uso muito bem orientado. Tudo isso para evitar que mãe e bebê sofram complicações decorrentes da diabetes gestacional.

Sobre amamentação, Marília explica que a doença em si não influencia nela, mas sim os remédios que podem ser utilizado para tratar a diabetes. Por isso, é sempre importante saber quais são as medicações contraindicadas na fase de amamentação. 

    Leia tudo sobre: gravidez

    Veja Também

      Mostrar mais