Tamanho do texto

Mulher cogitou cancelar a cerimônia, mas parceiro a incentivou a seguir em frente; ela passou por tratamento pouco tempo depois e até engravidou

Charlotte Drake, de 34 anos, que vive em Oxfordshire, na Inglaterra, foi diagnosticada com câncer de mama depois de sentir um nódulo em um de seus seios enquanto estava deitada na cama. A doença foi descoberta uma semana antes da noiva subir ao altar ao lado de Luke Drake, de 32 anos, em maio de 2014.

Leia também: Com câncer, noiva emociona em casamento: "Entrar na igreja comoveu a todos"

A noiva Charlotte foi diagnosticada com câncer de mama uma semana antes do casamento e pensou em desistir da união
Reprodução/Instagram/luke_a_drake
A noiva Charlotte foi diagnosticada com câncer de mama uma semana antes do casamento e pensou em desistir da união

A noiva conta que, momentos antes de ir ao hospital pegar seus exames, estava preocupada com qual vestido iria usar na lua de mel. “Uma hora depois, me disseram que eu tinha câncer nos seios. Colocou tudo em perspectiva e eu não podia acreditar que estava me preocupando com uma roupa”, diz, de acordo com o Daily Mail .

Naquela hora, Charlotte estava convencida de que sua vida havia acabado e chegou a dizer ao marido que eles não deveriam se casar. “Pensei que tinha arruinado a vida dele e não queria ser sua esposa e morrer. Senti como se estivesse acabando com o dia da nossa união, mas ele foi incrível e disse que iríamos em frente sem que nada importasse”, expõe.

O casal, então, resolveu seguir com a seguir em frente com a cerimônia e manter em segredo dos convidados o câncer de mama da mulher, que havia se manifestado de forma agressiva. Conforme relata, seu desejo era que o momento "fosse uma ocasião feliz, sem que as pessoas sentissem pena” – ou seja, era para ser um “um casamento e não um funeral.”

“Eu planejava meu casamento desde que eu era uma garotinha. Eu estava tão animada para o dia chegar, para que eu pudesse finalmente vestir meu vestido e trocar votos com o Luke. Mas, agora, minha vida estava em jogo. Lembro-me de pensar: pelo menos se eu morrer, todo mundo vai me ver na festa com o melhor visual que eu já usei”, conta.

Leia também: Jovem com câncer terminal tem casamento dos sonhos financiado por estranhos 

A mãe de Charlotte, Elizabeth Johnson, de 66 anos, o pai, a irmã e as madrinhas eram as únicas pessoas conscientes de seu diagnóstico. “A manhã do dia do grande dia foi difícil. Foi o dia que eu estava sonhando há anos e eu tinha câncer. Mas consegui me livrar da tristeza e disse a mim mesma que aquele dia não era só meu, mas para Luke e minha família também”, diz.

A noiva conta que ficou orgulhosa de como seus pais e o marido se mantiveram durante a cerimônia. “Tenho certeza que eles queriam ir para um canto e chorar. Em vez disso, eles estavam sorridentes e asseguraram que o dia fosse exatamente como planejei desde que era uma menina”, ressalta.

Noiva começou o tratamento três dias depois do casamento

Pouco tempo após a cerimônia, a noiva começou seu tratamento, que incluiu quimioterapia, para combater o câncer
Reprodução/Instagram/charlotte_johnodrake
Pouco tempo após a cerimônia, a noiva começou seu tratamento, que incluiu quimioterapia, para combater o câncer

O casal adiou a lua de mel para que Charlotte pudesse iniciar o tratamento contra a doença que começou três dias após dizerem sim um ao outro. A primeira cirurgia foi feita. Uma semana depois, fez outro procedimento cirúrgico e, em seguida, começou a quimioterapia e a radioterapia.

“Quando passei a perder cabelo, comprei um barbeador elétrico e disse ao meu parceiro que ele teria que raspar a minha cabeça. Nos divertimos com isso. Primeiro, ele cortou bem curtinho e depois fez um moicano antes de tirar tudo. Após isso, passei a usar um chapéu a maior parte do tempo”, detalha a noiva.

A noiva passou por nove meses de quimioterapia, dois de radioterapia e um ano de medicamento próprio para tratar o câncer de mama . A mulher temia que todos esses processos afetassem suas chances de se tornar mãe. Para realizar esse desejo, o casal passou pela fertilização in vitro e, logo na primeira tentativa, teve sucesso.

“Eu estava em um almoço de trabalho quando soube do resultado positivo. Estava me sentindo sobrecarregada e desesperada para contar a novidade ao Luke, mas ele estava viajando no exterior a trabalho. Evitei falar com ele nos dias seguintes, então não precisei contar por telefone”, lembra.

Charlotte deu à luz após complicações na gravidez

Por conta do tratamento, a noiva passou pela fertilização in vitro e conseguiu ter um filho logo na primeira tentativa
Reprodução/Instagram/charlotte_johnodrake
Por conta do tratamento, a noiva passou pela fertilização in vitro e conseguiu ter um filho logo na primeira tentativa

Assim que o marido voltou, Charlotte fez uma surpresa. Ela lhe entregou uma caixa com dois pares de botas, sendo um rosa e outro azul. Não foi possível esconder a felicidade ao saber que eles iriam ter um bebê . Com 30 semanas de gravidez, ela sofreu uma hemorragia e foi mantida no hospital durante quase dois meses para ser monitorada de perto.

Com 36 semanas, a mulher deu à luz seu filho por meio de uma cesariana. “Quando olhei para Henry e depois para Luke, parecia que tudo o que havíamos passado valeu a pena. Há tantos milagres que aconteceram e nosso pequeno é o maior deles”, explica. No mês passado, o bebê foi batizado na mesma igreja em que se casaram.

Depois de tudo que passou,  Charlotte faz check-ups e exames regulares e está incentivando todos a verificar seus seios regularmente.  “Minha mãe sempre me ensinou a ter consciência dos seios e a verificá-los, embora não tenhamos histórico familiar de câncer de mama. Estou convencido de que ela salvou minha vida”, afirma.

Leia também: Mulher com endometriose relata batalha para engravidar por fertilização in vitro

Por fim, a noiva traz conselhos. “Se você encontrar um caroço, aja rapidamente. Quando eu encontrei o meu, meu médico pensou que era um cisto, mas eu pedi para um especialista verificar mais. Meu câncer era agressivo e, se eu não tivesse pressionado, me disseram que eu poderia ter morrido em dois anos”, alerta.