Tamanho do texto

A descoberta da sexualidade não é um processo fácil, mas a gente te ajuda! Veja como lidar se você beijou sua amiga e não sabe o que está sentindo

A adolescência é a fase onde começamos a criar certa independência dos pais. Uma série de experimentações acontecem, do primeiro beijo à primeira viagem sozinha. Colocamos para fora sentimentos e desejos que antes pareciam não existir. Por exemplo, você já beijou uma amiga? Isso é muito comum nessa fase de descobertas e para muitas garotas esse fato vem carregado de inseguranças e questionamentos sobre a própria sexualidade .

Namorar: por que sempre precisamos de um relacionamento?

No seriado 'Glee', Brittany beija sua amiga Santana. As duas viram namoradas
Reprodução/ GlobalHD
No seriado 'Glee', Brittany beija sua amiga Santana. As duas viram namoradas

“É um momento de muitas confusões e dúvidas. Isso faz parte da adolescência em muitos aspectos da vida e tudo bem se sentir assim”, explica a neuropsicóloga Deborah Moss. Nem sempre a descoberta da própria sexualidade, que pode acontecer beijando uma amiga , é um processo fácil já que pressões e expectativas da sociedade podem contribuir para que muitos desejos sejam reprimidos. 

Aconteceu com elas

Larissa tinha 12 anos quando deu o primeiro beijo. Apesar de ter sido em um homem, ela conta que já se sentia apaixonada pela melhor amiga, mas ainda não racionalizava o sentimento na época. Um ano mais tarde, ela beijou uma menina. “Ela namorava um cara e, apesar de termos ficado juntas por alguns meses, nunca assumi a nossa relação. O fato é que foi a partir dela que me dei conta de que queria mesmo estar ao lado de outras mulheres", conta.

A história da Letícia também se relaciona com a da Larissa de certa forma. Ela também se sentia atraída por mulheres, mas não sabia o que isso significava. Uma série de dúvidas passaram pela cabeça dela quando beijou uma amiga aos 17 anos. “Eu achei tão bom quanto ficar com um homem. Claro, de formas diferentes, mas achei muito bom e por isso fiquei assustada. Ficava pensando 'Como posso gostar dos dois?' 'Será que sou lésbica?' 'Sou bi?' 'É algo momentâneo?'”.

Com Giovanna a história foi um pouco diferente. Ela também tinha 17 anos quando isso aconteceu. O contexto era de festa e, diferente das outras garotas, ela não se sentia atraída por mulheres. “Ela me beijou, não tinha entendido direito e fiquei assustada. Quando acordei no dia seguinte, fiquei bem mal, me senti culpada por ela namorar e foi uma experiência bem diferente", contou.  

+ Vic Ferreira: qual a importância da sororidade no feminismo

E se for só uma fase?

A neuropsicóloga explica que ainda vivemos o preconceito e a concepção religiosa de que o certo é ser hétero e que a homossexualidade está fora da curva. Diante desse padrão imposto, é muito difícil para algumas pessoas conseguirem se entender como lésbicas ou bissexuais. Por isso é tão comum que, ao beijar uma mulher, apareçam questionamentos e dúvidas sobre isso ter sido apenas uma fase.

“A questão não é somente o ficar, mas o desejo sexual e afetivo somente por mulheres”, explica Deborah. Segundo ela, quando esse desejo se sobrepõe em relação aos homens, a tendência é que essa jovem busque vínculos com mulheres futuramente.

"Quando me perguntam sobre a possibilidade da lesbiandade ser uma fase, eu costumo dizer que, na verdade, a heterossexualidade é que foi vivida por mim como uma fase, um desvio de quem eu sou e da forma como me sinto, e não o contrário", comenta Larissa.

Para Letícia, gostar de mulheres também não foi uma fase. "Achei que eu era tudo, menos bi. Cheguei a imaginar que era lésbica, mas não fazia sentido porque eu também sentia atração sexual por homens", contou. Ela percebeu que gostava de mulheres quando beijou outra menina, mas só passou a se sentir confortável com a própria sexualidade quando entrou na faculdade e conheceu outras pessoas bissexuais.

Ao contrário disso, Giovanna não chegou a se questionar sobre sua sexualidade ao beijar outra mulher. Ela é heterossexual, sente-se confortável com isso e não repetiu a experiência outras vezes. Para ela, foi apenas um episódio.

Então, se você beijou sua amiga e ainda está se questionando sobre ser hétero, bissexual ou lésbica, não se sinta pressionada para se definir. Pode ter certeza que você não é a única nessa situação. A sexualidade não é algo preto no branco com respostas certas e regras pré definidas.

Vic Ferreira: Como superar o primeiro fim de relacionamento da vida?

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.