Volta às aulas é sinônimo de gastos para muitos pais. Rematrícula, uniforme e material escolar costumam pesar no bolso, principalmente quando se tem mais de um filho. Nesse período, repensar alguns gastos e adotar algumas estratégias para economizar pode fazer toda a diferença no fim do mês.

Leia também: Cuidados que podem facilitar a adaptação

material escolar arrow-options
shutterstock
Adotar estratégias de economia é fundamental para evitar gastos extras nesse período de volta às aulas

Esse foi o caso de Mariana Pimenta, mãe de dois filhos. Em 2015, ela que criou com alguns pais da zona sul de São Paulo o grupo “Circulando material escolar”. No Facebook, eles anunciam itens do material escolar para trocar, revender ou doar para outros alunos.

No caso dos livros paradidáticos, que as crianças usam para leitura na escola, Mariana conta que a média de economia fica em 50%. “Normalmente, os livros são vendidos a R$ 15 ou R$ 20 no grupo, quando na livraria eles custam R$ 48, R% 56”, compara.

Hoje, após cinco anos, a mãe fala que o grupo já tem mais de 2 mil membros e ultrapassou os limites do bairro e da cidade - são pais de diversos lugares compartilhando material escolar em busca de economia. Além de gastar menos, Mariana pontua que essa é uma opção mais sustentável e encoraja outros pais a fazerem o mesmo.

Leia também: Educação infantil: como escolher a melhor escola para seu filho?

Dicas práticas para economizar na compra do material escolar

mãe e filho comprando material escolar arrow-options
shutterstock
Pesquisar, comparar preços e comprar apenas o essencial são formas de economizar com o material escolar

Organizar uma troca com outros pais é uma ótima ideia, mas não é a única forma de economizar . Pesquisar e comparar preços, reaproveitar itens do ano anterior e fugir da lista de materiais prontas também são boas estratégias.

Abaixo, Pablo Ganassim, professor da Faculdade ESEG, matemático e especialista em finanças pessoais, dá mais nove dicas de como garantir uma volta às aulas sem pesar no bolso. Confira:

1. Recicle, reutilize, reaproveite

“Avalie todo o material que sobrou do ano anterior e veja as possibilidades de reutilizá-lo. Cadernos usados parcialmente, lápis, canetas, etc. que podem ser mantidos em uso, vão ajudar a reduzir o custo das compras”, orienta.

2. Pesquise e compare os preços

Parece óbvio, mas pesquisar e comparar os preços faz sim toda a diferença na hora de comprar. Avalie os produtos em diferentes lojas e opte por aquela que te trará mais economia. Em relação a isso, o professor faz um alerta: “A escola não pode exigir que as compras sejam em uma determinada loja, pois as famílias têm liberdade de pesquisar preços e adquirir onde julgar melhor”.

3. Compre os livros em sebos

Sebos são ótimas alternativas para a compra dos livros, que costumam ser a parte mais cara da lista. Segundo Ganassim, além de ser mais sustentável, a economia é significativa. Porém, claro, fique atento às condições do item. “Além de avaliar as condições do livro, é preciso verificar se há respostas escritas nele e se isso compromete o uso. Olhe também a edição e especificações fornecidas pela escola, para não comprar o livro errado ou desatualizado”, pontua.

4. Resista aos pedidos dos filhos

O especialista em finanças aconselha conversar com os filhos antes de ir às compras, explicando a situação e colocando limites sobre como e quanto irão gastar com os materiais. Como as crianças são facilmente influenciadas pelo marketing de produtos da moda, é importante que os pais se mantenham firmes. Se for o caso, vá às compras sem os filhos.

5. Evite personagens e grifes famosas

Personagens da moda e grifes famosas encarecem os produtos. “Não se deixe levar pelas estampas! Avalie antes o preço e qualidade do produto, e compare com algo similar que não seja de marca famosa. Certamente você irá encontrar estampas genéricas que também são bonitas”.

Leia também: O que servir de lanche para as crianças?

6. Pague à vista e negocie descontos

“Esse é um conselho que vale para a maioria das compras que temos que fazer: tentar pagar à vista para pedir e negociar um desconto no valor total”, sugere. Além disso, você evite que a parcela seja um peso nos próximos meses.

7. Faça uma compra coletiva

“Organizar compras em conjunto com outros pais aumenta as chances de conseguir melhores preços e condições para a compra. Sempre é possível negociar melhores descontos quando se faz compras em grande quantidade. É a máxima de que comprar no atacado é mais barato do que no varejo”, fala.

8. Prefira lojas virtuais

O professor fala que as lojas virtuais são ótimas alternativas para economizar. Os produtos costumam ser mais baratos e você não perde tempo com o deslocamento até a loja física. Só é preciso estar atento às condições de entrega para garantir que o material chegue a tempo.

9. Cuidado com os pedidos da escola!

Ganassim orienta atenção aos perdidos e exigências da escola. “Se na lista aparecer produtos de uso comum, seja de higiene e limpeza, ou para parte administrativa, questione! Essa é uma prática abusiva e proibida de acordo com a Lei 9.870/99. Fique atento a todos os itens da lista, sempre!”, finaliza.

    Veja Também

      Mostrar mais