Uma menina com 2,3 quilos e 42 centímetros nasceu na última segunda-feira (2) na República Tcheca. A informação seria comum se a mãe da criança, uma mulher de 27 anos, não estivesse em morte cerebral há quase quatro meses. A bebê, que agora é amamentada pela tia, nasceu depois de 34 semanas de gestação. 

Leia mais: "Adoção" antes do nascimento: mulher dá à luz após receber embrião doado

bebê deitado em superficie branca
shutterstock
Bebê nasceu após 117 dias da morte cerebral da mãe, que ficou esse período ligada à aparelhos

O falecimento da mãe aconteceu exatos 117 dias antes do parto, em decorrência de um AVC (acidente vascular cerebral). Na época com apenas 15 semanas, a chance de o feto sobreviver eram mínimas, mas os médicos encontraram uma solução para não interromper a gravidez. 

Assim, família e equipe médica concordaram em ligar a mulher à aparelhos que mantiveram o coração, pulmões e rins funcionando. Além disso, amigos e familiares seguiram se comunicando com feto para garantir estímulo semelhante ao que a bebê receberia caso a mãe estivesse viva. 

Leia mais: Condição rara faz mãe dar à luz filhos gêmeos com três meses de diferença

Considerado um “milagre”, o nascimento representa um recorde de gravidez artificial mais longa em uma mulher com morte cerebral . De acordo com a equipe médica, “foi um fato extraordinário que precisou da união de toda a família”. 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários