Tamanho do texto

O pequeno passou por uma atividade com tinta na creche e ficou com o corpo cheio de manchas; ele foi levado às pressas ao hospital sem respirar direito

Christen Hyde, de 28 anos, ficou em choque após seu filho, Lofton Hyde, de sete meses, quase morrer ao ter uma reação alérgica grave enquanto estava no berçário. De acordo com a agência Mercury Press , a mãe conta que a criança participou de uma atividade que envolvia usar tintas nos pés para fazer fotos de pegadas.

Leia também: Mãe faz alerta após filha desenvolver doença grave e ficar com manchas na pele

bebê alergia
Reprodução/Facebook/Christen Lofton Hyde
O pequeno Lofton Hyde ficou com o corpo cheio de manchas e dificuldade para respirar após ter reação alérgica grave

A mãe , dos Estados Unidos, explica que o pequeno é intolerante ao leite e acredita que a tinta, da marca Cra-Z-Art, contém traços do alimento. “Eu nunca soube que muitas tintas podem conter ovos e leite, então quando a tinta foi aplicada nos pés de Lofton para fazer pegadas, acho que foi absorvida através de sua pele, causando a reação anafilática”, detalha.

O menino foi levado às pressas ao hospital após a pele ficar cheia de manchas . O bebê também foi medicado para que pudesse respirar melhor e, após seis horas, apresentou sinais de melhora. "Felizmente, ele ficou mais alerta e tudo que eu podia fazer era segurá-lo em meus braços, chorar e agradecer a Deus por ele estar estável e vivo”, expõe.

Leia também: Mãe sabia que havia algo errado na gravidez e conta história de bebê natimorto

Apesar das circunstâncias, Christen não culpa a creche pelo ocorrido. “Se não fosse por suas reações rápidas, nosso filho poderia não estar conosco hoje. O fato dele estar vivo significa mais para mim do que qualquer coisa neste mundo. Eu realmente não sei o que faria se algum dia o perdesse”, expõe. 

Médicos dizem que tinta foi a responsável, mas empresa nega

Christen, que trabalha como enfermeira no mesmo hospital em que seu filho foi levado, afirma que a reação alérgica foi causada pela tinta e estava ligada à sua alergia ao leite. De acordo com informações do The Sun , a embalagem do produto não mostrava informações que sugerem ter leite em sua composição.

Ela afirma que, quando começou a pesquisar, descobriu que muitas marcas de tinta destinadas a crianças contém leite, trigo, milho ou aveia, mesmo que esses itens não estejam listados nos rótulos. Além disso, afirma que o bebê não foi alimentado com nada além de suas fórmulas livres de lácteos – e que os médicos concordam que a tinta foi a responsável.

"Não houve outra causa possível para sua reação. Os médicos estavam confiantes em seu diagnóstico e acreditavam que a tinta era a culpada”, afirma. Por outro lado, um porta-voz da Cra-Z-Art diz que nenhum de seus produtos contém laticínios e “que, portanto, não há contaminação.”

Leia também: Mãe de bebê com doença rara cria página no Instagram para conscientizar pessoas

O bebê, felizmente, se recuperou bem, mas seus pais estão compartilhando sua história para ajudar outras pessoas a evitar que o mesmo incidente aconteça com outras crianças. Em seu Facebook, a mãe publicou as fotos do filho e, por lá, escreveu: “Eu gostaria de compartilhar o que aprendemos e espero que ajude alguém.”