Tamanho do texto

Pipoca, pirulito, pedaço de maçã e até enfeite de natal já engasgaram bebês

Uma das maiores preocupações dos pais é o risco de bebês e crianças engasgarem. Afinal, o engasgo pode ter consequências sérias e trágicas. Casos recentes revelam que os pequenos podem ficar paraplégicos e quase morrer após engasgar com um alimento.

Leia também: Guia básico de primeiros socorros em crianças

Menina tossindo
shutterstock
Alimentos difíceis de mastigar como pipoca, maçã e uva são mais fáceis de causar engasgo e complicações nos pequenos

Selecionamos cinco casos recentes de engasgo que serve de alerta aos pais:

  • Caso #1: pedaço de maçã

Neihana, da Nova Zelândia, engasgou com um pedaço de maçã , parou de respirar e teve uma parada cardíaca. O caso aconteceu quando o garoto tinha um ano e dez meses. Além disso, ele sofreu uma paralisia cerebral e precisou ficar dois meses internado. Como sequela, acabou ficando paraplégico, sem conseguir engolir e falar.

  • Caso #2: pipoca

Nash Goddard, três anos, estava assistindo um filme com seus pais quando engasgou com um milho de pipoca . Apesar de parar de tossir rapidamente, alguns dias depois virou um problema sério. Alguns dias depois, ele começou a tossir, ficar febril e apresentar dificuldades de respirar.

“Ele tinha aspirado a pipoca para os pulmões quando engasgou. Toda a inflamação causou uma pneumonia em seu pulmão esquerdo”, escreve a mãe de Nash na rede social. O garoto precisou fazer uma cirurgia para retirar o pedaço de milho.

  • Caso #3: pirulito

Em Cuiabá, Mato Grosso, no início de março deste ano um menino de apenas um ano engasgou com um pirulito e ficou sem respirar. Ele foi levado as pressas ao hospital e rapidamente foi atendido pela equipe médica, que o fizeram voltar a respirar e o deixaram fora de risco.

  • Caso #4: remédio

Em dezembro de 2018, um bebê de dois meses engasgou com um remédio e saliva e foi socorrido pelo corpo de bombeiros de Chapadão do Sul, Mato Grosso do Sul. A criança ficou desacordada, sem respirar e quase roxa. O bebê engasgou após os pais darem o remédio usando uma seringa, o que não é recomendado.

  • Caso #5: enfeite de natal

No início do ano, em Minas Gerais, um bebê de nove meses engasgou com um enfeite de Natal. Ele engoliu uma bolinha de árvore de Natal, mas o objeto ficou preso na garganta. A mãe tentou retirar o enfeite com a mão, mas ele se quebrou. Os bombeiros conseguir retirar todo o enfeite e o bebê foi encaminhado para o hospital.

Como evitar e o que fazer em caso de engasgo?

Bebê no médico
shutterstock
Apesar de existirem técnicas para reverter o engasgo, o mais recomendado é buscar ajuda médica

Atenção à alimentação dos pequenos é fundamental para evitar engasgos. A médica Sarah Alexander, da ONG Global Child Forum , alerta que alimentos crus ou difíceis de mastigar não devem ser dados às crianças. “Dar alimento como um pedaço de maçã crua, pipoca, uva e entre outros para crianças pequenas não é recomendado. Elas podem engasgar ”, fala.

Além disso, a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) alerta que a pipoca é um dos alimentos mais perigosos para crianças e só deve ser consumida a partir dos quatro anos de idade.

Em entrevista prévia ao Delas , a autora do livro “Turminha dos Primeiros Socorros” (Editora Phorte) Flaria Maria Serra Ghiroto explica quais são os primeiros socorros em caso de engasgo.

De acordo com a profissional, indica-se que até os sete anos de idade os adultos apliquem a técnica de tapotagem, que consiste em inclinar o corpo da criança para frente e com as mãos em concha bater nas costas até que o objeto seja expelido.

Após os sete anos, é possível aplicar a manobra de Heimlich, também conhecida como compressão abdominal. A técnica é parecida com abraçar uma pessoa pelas costas e fazer compressor com a mão para dentro e para cima ao mesmo tempo.

O reflexo imediatos de muitos pais é tentar tirar o que está obstruindo as vias respiratórias colocando o dedo na garganta da criança. No entanto, isso não é nem um pouco indicado. Se o objeto não estiver visível e com fácil acesso, isso pode fazer com que o problema se agrave.

Se os pais não souberem aplicar a técnica, é melhor não tentar. Dependendo da forma como é feito, pode prejudicar ainda mais a criança. Por isso, o mais indicado é sempre correr para o pronto socorro mais próximo e buscar ajuda médica em caso de engasgo .