Tamanho do texto

Mãe é bem clara: se o menino quebrar alguma das cláusulas do contrato, terá o aparelho confiscado. Veja os detalhes desse contrato entre mãe e filho

No mundo digital atual é praticamente impossível deixar os filhos longe dos aparelhos eletrônicos. Quando crescem, logo pedem um celular para si. Para evitar problemas com o filho de 12 anos, essa mãe australiana até cedeu aos pedidos do menino, mas arrumou um jeito de impor regras no uso do aparelho. 

Como impor regras para os filhos usarem o celular? Mãe escreve contrato e faz sucesso com a ideia
shutterstock
Como impor regras para os filhos usarem o celular? Mãe escreve contrato e faz sucesso com a ideia

Leia também: Como restringir o uso dos aparelhos eletrônicos entre as crianças?

Mel Watts é uma blogueira e influenciadora digital com mais de 308 mil seguidores no Instagram. Ela é mãe de quatro filhos e está fazendo sucesso ao compartilhar o contrato que impôs ao mais velho para que ele pudesse ganhar um celular

Contrato para o uso do celular

Mel ao lado do filho, que teve de assinar o contrato para ganhar o celular
Reprodução/Instagram/@melwatts
Mel ao lado do filho, que teve de assinar o contrato para ganhar o celular

A mãe compartilhou o contrato em seu blog, The Modern Mumma (A mãe moderna, em português), e foi parar nas páginas de jornais internacionais, como o tabloide The Sun . Ela diz que decidiu divulgar esse acordo como uma forma de ajudar outras mãe a lidar com os filhos adolescente

Leia também: Veja como a tecnologia pode ajudar no desenvolvimento das crianças

O contrato tem, ao todo, 17 cláusuras que incluem atos de diversas categorias. Para começar, a mãe deixa claro que a responsabilidade do aparelho é do filho. Se ele quebrar ou perder o celular, terá que arcar com os custos do reparo ou de um aparelho novo. 

Sobre o uso, Mel impõe horários no contrato . O garoto deve entregar o aparelho aos pais todos os dias antes de dormir. E também nada de "madrugar". "Nada de mandar mensagens antes das 7h30 da manhã. As pessoas geralmente estão dormindo. Estranho, não", escreve a mãe. 

Algumas regras de conduta também fazem parte do documento, como não tirar fotos ou fazer vídeos de pessoas que não tenham dado permissão para isso e não fazer trolagem nas redes sociais, ou elas serão excluidas imediatamente. As contas também serão apagadas se os pais perceberam que o menino apagou itens propositalmente do aparelho. 

Ela ressalta ainda que o filho não poderá usar o aparelho na escola, a não ser quando isso for permitido, e alerta para outros cuidados, como ao afirmar que o que for postado nas redes sociais ficará lá para sempre e, se sofrer algum tipo de bullying online, deve reportá-lo aos pais imediatamente. 

Leia também: Afogamentos de crianças aumentam quando pais mexem no celular

Para finalizar, Mel afirma que o contrato é válido até o filho completar 15 anos. 

Ao The Sun , a mãe diz que decidiu dar o celular ao filho porque quando era jovem não teve esse privilégio - seus pais proibiam o uso de aparelhos - e ela se sentia isolada por conta disso. E o contrato foi uma boa ideia. "Esse pedaço de papel nos permite colocar regras e também nos permite que a gente monitore o que ele está fazendo", completa Mel. Nas redes sociais da mãe, os seguidores também aprovaram a ideia.