Tamanho do texto

Segundo obstetra e ortopedista, sapatos altos podem prejudicar a saúde da mulher e a vida do bebê. Saiba a hora de trocar os calçados pelas sapatilhas

Foi-se o tempo em que as mulheres só usavam vestidos largos ou macacões na gravidez. Isso não quer dizer, porém, que as clássicas recomendações dos médicos acerca do vestuário de suas pacientes devem ser descartadas. O uso de sapatos de salto alto, por exemplo, é uma das principais preocupações de especialistas com as grávidas .

Leia também: Ideias simples para adaptar o que você tem no guarda-roupa na gravidez

O uso do salto alto não é proibido no início da gravidez, mas é importante tomar cuidado e parar de usar na hora certa
shutterstock
O uso do salto alto não é proibido no início da gravidez, mas é importante tomar cuidado e parar de usar na hora certa


De acordo com Andreia Gozzi, ginecologista do Instituto Lerner, o salto alto mantém os músculos da panturrilha contraídos por mais tempo e atrapalham a circulação do sangue nas pernas. Os malefícios, inclusive, não param por aí. Segundo o ortopedista João Paulo Cortez, outro problema ligado ao tipo do sapato está nas possíveis quedas, que colocam em risco a vida dos bebês e das futuras mamães.

“Os calçados com plataformas baixas e bases largas são mais indicados para evitar esses contratempos”, alerta o médico, recomendando também o uso de meias de compressão com a intenção de evitar o inchaço nos pés.

Para quem gosta de ficar um pouco mais alta, no entanto, Andreia lembra que as sandálias de plataforma podem ser alternativas. Ainda assim, os riscos de desequilíbrio e torção, segundo a ginecologista, existem. Por isso, todo cuidado é pouco.

“Tênis, sapatilhas e rasteirinhas são mais aconselháveis nesta fase”, defende. Associado a isso, a médica sugere caminhadas, exercícios para as panturrilhas e repouso com os membros inferiores elevados durante todo o período de gestação.

Com quantos meses de gestação é interessante abandonar o salto alto?

O quinto mês de gestação é o período ideal, segundo especialistas, para aposentar o salto alto e investir em sapatilhas
shutterstock
O quinto mês de gestação é o período ideal, segundo especialistas, para aposentar o salto alto e investir em sapatilhas


Embora os médicos não recomendem o uso de saltos durante a gravidez, isso não quer dizer que as mulheres precisem trocar botas altas ou scarpins por rasteirinhas assim que souberem que esperam um bebê. Para os especialistas, a hora certa de apostar nos sapatos mais baixos é a partir do quinto mês de gestação.

“Neste período, a barriga já está maior e a tendência é a mulher projetar o corpo para trás para conseguir equilíbrio. Com isso, ocorre uma curvatura maior da coluna lombar, chamada de hiperlordose”, explica Andreia. Segundo ela, essa “má postura”, por causa do peso, gera maior pressão sobre as vértebras e o salto alto agrava ainda mais o problema.

Leia também: Grupo de mães ajuda Mariana Ferrão a superar depressão pós-parto

O ortopedista acrescenta, ainda, que mulheres grávidas tendem a aparecer nos consultórios reclamando de câimbras, que podem ter ligação direta com o uso dos saltos. Segundo Andreia, uma dica para a mulherada que não consegue desapegar dos calçados é sair de casa usando algo mais confortável e só ao chegar na porta do evento trocar pelo sapato querido. O conselho, no entanto, só se aplica em ocasiões especiais.

Artistas contam que se redescobriram longe do salto alto

Isis Valverde deixou de usar salto alto quando percebeu que isso poderia afetar a saúde do bebê que está esperando
Reprodução/Instagram
Isis Valverde deixou de usar salto alto quando percebeu que isso poderia afetar a saúde do bebê que está esperando


Grávida de sete meses, Isis Valverde conta ao Delas que resolveu seguir a recomendação dos médicos e está evitando, sem esforço, o uso do salto alto. Antes de engravidar, a atriz confessa que não pensava em fazer isso, pois achava que mulheres que mudam o estilo de vida durante a gravidez eram “frescurentas”.

 Hoje, sentindo na pele, ela não pensa duas vezes antes de colocar uma sapatilha no lugar do salto alto. “As outras mulheres só vão entender isso quando engravidarem. A gente quer proteger, não quer deixar nada de mal acontecer com o bebê. Teve uma vez que eu saí de sapato alto e o meu pé ficou parecendo um porquinho, inchado. A partir daí, até para a noite eu comecei a ir de rasteirinha. Não vale a pena correr riscos desnecessários”, afirma.

Animada com o momento que está vivendo, Isis conta que se redescobriu a partir do momento que percebeu que não precisa estar em cima do salto para estar bela e preparada para um evento. No ano passado, quem também entendeu a importância de não usar o sapato alto durante a gestação foi a filha de Silvio Santos, Patrícia Abravanel.

Com seis meses de gravidez, a apresentadora caiu durante a exibição do Teleton e deixou a família desesperada. A mãe dela, Iris Abravanel, conta que ficou tão assustada depois disso, que assim que descobriu que a atriz Milena Toscano ficou grávida conversou com a artista para dar um jeito de a licença-maternidade ser antecipada.


 Assim que a decisão de afastar a moça do SBT foi divulgada, porém, muitas pessoas não entenderam a substituição de Milena pela atriz Thais Melchior, no folhetim infanto-juvenil. A preocupação de Iris Abravanel, no entanto, era a de deixar a atriz correndo riscos dentro do estúdio, assim como aconteceu com sua filha, no ano passado.

Leia também: Engordar muito ou pouco? Qual o ganho de peso ideal na gravidez?

“Gravar novela não é fácil, ainda mais usando salto alto . Eu, por exemplo, vivo tropeçando por aqui. Não queria passar por esse medo com a Milena Toscano também”, afirma a autora.  Ao que tudo indica, o repouso e a distância dos sapatos fizeram a diferença na gestação da atriz. Na semana passada, o filho de Milena nasceu e a nova mamãe do pedaço não escondeu a alegria, mostrando que vale a pena seguir as dicas. “Meu menino é lindo e saudável”, celebrou.

    Leia tudo sobre: gravidez
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.