Tamanho do texto

Pressão sanguínea da mãe despencou, e ela ficou com feridas vermelhas na pele, ainda assim, quer gerar outro filho, com chance de ter reação de novo

Laura Guiney, mulher de 28 anos de Norfolk, condado na Inglaterra, revelou ao site "Daily Mail" que sofreu alergia à sua primeira  gravidez . Ela começou a perceber que havia algo de errado quando sua pressão sanguínea despencou e seu corpo começou a ter vários ferimentos vermelhos, quando estava grávida de seu filho, Flynn, em 2016.

Leia também: Saiba como se proteger das complicações da gripe durante a gravidez

Laura Guiney teve reação alérgica ao ficar grávida, com o alongamento da pele e mudança hormonal em seu corpo
Shutterstock
Laura Guiney teve reação alérgica ao ficar grávida, com o alongamento da pele e mudança hormonal em seu corpo


Os médicos diagnosticaram Laura com erupção polimórfica da gravidez (PEP), uma reação alérgica ou sintoma que é causado, ao que indicam, pelo alongamento da pele e pelas mudanças hormonais experienciados durante a gravidez .

A mulher ficou coberta de machucados até um mês depois de seu filho ter nascido, o que tornou a amamentação ao recém-nascido “quase insuportável”. Mesmo assim, ela revela que ainda tem a intenção de gerar um segundo bebê, com chance de ter a mesma reação mais uma vez, já que os médicos lhe disseram que ela teria 50% de chance de desenvolver PEP em uma próxima gestação.

Ela descreve que o sintoma foi “o mais doloroso” que já sentiu. “Minha pele parecia que estava queimando, mas eu ainda quero dar a Flynn um irmão ou irmã. Flynn é adorável, então experienciar tudo isso valeu a pena”, diz.

Leia também: Grávida tem alergia à própria filha; entenda

Laura começou a ter sintomas de PEP com 12 semanas, quando ela foi fazer o ultrassom e acabou sentindo fraqueza e tendo um colapso no hospital com a diminuição de sua pressão sanguínea. No início, os médicos apontaram o estresse como causa.

No entanto, ela começou a sentir fraqueza repetidas vezes. Com 20 semanas, Laura encontrou as primeiras feridas entre as coxas, nos peitos e na barriga. “Eram muito dolorosas, eu sabia que era algo além [do estresse]”, conta.

Então, Laura se encontrou com o médico, que a diagnosticou com PEP. “Eu nunca tinha ouvido sobre isso anteriormente, mas o médico disse que o meu corpo estava basicamente lutando contra a gravidez”, explica. “Me disseram que acabaria com o final da gravidez e com os hormônios ‘no lugar certo’.”

O que é erupção polimórfica da gravidez?

Erupção polimórfica da gravidez é um machucado que coça e aparece em várias partes do corpo, e, logo em seguida, desaparece. Pode não parecer, mas a reação acontece em uma a cada 160 mulheres grávidas.

A causa para a reação alérgica continua desconhecida, apesar de o médicos sugerirem que está relacionada ao alongamento da pele, principalmente. Felizmente, o bebê não é afetado com as reações.

    Leia tudo sobre: gravidez
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.