Tamanho do texto

Conhecida como "Parto de Lótus", a prática pode causar infecção no bebê

Uma nova prática pós-parto está se tornando cada vez mais popular entre as mães. Chamada de “Parto de Lótus”, a prática consiste em manter o bebê ligado à placenta após o nascimento até que o cordão umbilical caia sozinho.

Leia também: Polvos de crochê estão ajudando bebês prematuros; entenda o motivo

'Parto de Lótus' defende que o cordão umbilical deve cair de forma natural
Reprodução/Instagram
'Parto de Lótus' defende que o cordão umbilical deve cair de forma natural

Geralmente, o cordão umbilical cai alguns dias após o nascimento - ele pode levar até 10 dias para se soltar. Os pais que defendem o método acreditam que deixar o bebê ligado à placenta proporciona benefícios ao recém-nascido. No entanto, não é isso que dizem os médicos. Especialistas afirmam que essa nova tendência pode colocar a saúde do bebê em risco. 

“Quando a placenta é deixada ligada ao bebê por um tempo após o nascimento, há um grande risco de infecção que pode se espalhar para o bebê”, explica Patrick O’Brien, médico e pesquisador da Universidade de Obstetrícia e Ginecologia, em entrevista ao tabloide britânico “The sun”.

De acordo com o especialista, a placenta é particularmente propensa à infecção por conter sangue e, depois que o cordão para de pulsar, a placenta não tem circulação e passa a ser um tecido essencialmente morto.

Leia também: Mãe escreve "amor" com cordão de bebê preso à placenta

Ele ainda acrescenta que não existem estudos que comprovem a evidência de benefícios que o método proporciona ao bebê. Por isso, o médico recomenda que aqueles que optarem pela prática devem monitorar o bebê com muito cuidado para que seja possível identificar rapidamente qualquer sinal de infecção.

Diferença entre bloqueio tardio e “Parto de Lótus”

Recentemente, um estudo apontou que esperar alguns minutos para cortar o cordão pode ser benéfico para o bebê  – método chamado de bloqueio tardio.  Patrick alerta sobre as diferenças entre o bloqueio tardio e o "Parto de Lótus".

"Trata-se de atrasar o processo durante pelo menos um minuto ou até que a pulsação do cordão tenha deixado de permitir que o sangue extra passe da placenta para o bebê”, explica sobre o bloqueio tardio.

A prática de esperar para cortar o cordão umbilical aumenta a concentra de hemoglobina e armazenamento de ferro nos bebês. Isso é importante, uma vez que a deficiência de ferro nos primeiros meses de vida está associada ao atraso do desenvolvimento neurológico da criança.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.