Tamanho do texto

Pessoas sensitivas, como a personagem de Fernanda Montenegro na novela, têm a capacidade de ver coisas imperceptíveis ao olho humano normal

Quem assiste à novela “O Outro Lado do Paraíso” , da rede Globo”, sabe que a personagem da atriz Fernanda Montenegro, Mercedes, tem algo de especial. Esta mulher escuta vozes e é respeitada por todos na região do Jalapão, que sempre vão pedir sua ajuda. Mercedes faz parte de um grupo de pessoas chamados de sensitivos, mas você sabe o que isso quer dizer?

Leia também: O que a astrologia diz sobre você no sexo? Saiba onde fica sua Vênus e descubra

Especialista explica que a Mercedes de
Globo/Raquel Cunha
Especialista explica que a Mercedes de "O Outro Lado do Paraíso", vivida por Fernanda Montenegro, é uma sensitiva

Quem explica a habilidade de Mercedes é Claudiney Prieto, especialista no assunto e organizador da Mystic Fair. “Quando falamos de sensitivos , estamos falando de pessoas que têm algum grau de mediunidade. E isso não tem a ver com espíritos, mas com a capacidade psíquica de servir como ponte entre o mundo sutil e o físico. Todos os seres humanos, até certo ponto, têm uma parte sensível que os permite sentir coisas que muitas vezes não podem ser vistas com os olhos, mas nem todas as pessoas são capazes de perceber essa sensibilidade.”

As pessoas sensitivas podem ser capazes de curar doentes por meio da imposição das mãos e também ajudar as almas perdidas a atravessar para o outro mundo, mas Prieto resume a habilidade como a capacidade de ver coisas imperceptíveis ao olho humano normal. “Enquanto o resto das pessoas tem a capacidade de ver e sentir, as pessoas sensíveis podem sentir sem ver. Eles são capazes de ter conexões telepáticas com outras pessoas sem perceber e ouvir coisas que os outros não conseguem ouvir.”

Prieto explica que existem três poderes extra-sensoriais básicos: a clarividência, clariaudiência e a clarisenciência. A clarividência é a arte de captar as informações psíquicas na forma de imagens visuais, enquanto a clarisenciência na forma de sensações no corpo e a clariaudiência, através dos sons.

“Quando alguém passa por algum problema e a impressão psíquica dessa pessoa se manifesta para alguém que está afetivamente em sintonia com ela, um clarividente irá captar e ver essa determinada pessoa em sua sala, um clarisenciente irá sentir uma mão familiar sobre seus ombros, e um clariaudiente poderá ouvir uma voz familiar pedindo por ajuda. A personagem da Fernanda Montenegro seria classificada como clarisenciente. As vozes que ela ouve são a impressão psíquica que existe entre ela, espíritos ou pessoas.”

Lembrando que há uma margem de erro quando uma pessoa intui algo, já que uma boa intuição depende de um conhecimento profundo das emoções em voga na hora que a previsão é feita através da sensibilidade.

Habilidades

Prieto conta que algumas pessoas já nascem com a percepção psíquica e a capacidade extra-sensorial desenvolvidas. Para elas, basta fechar os olhos para que as imagens comecem a surgir na sua tela mental. Ao invés de imagens concretas, também podem emergir sensações que se tornam prognósticos.

“Para esses sensitivos naturais, não há qualquer necessidade de elementos externos para captar as impressões do futuro. Outros, já necessitam de objetos materiais para ter acesso a esse conjunto de informações, e podemos perceber que, ao longo da história da humanidade, esta parece ser a forma mais usada para contemplar o futuro – ou aquilo que muitos chamam de destino.”

Os elementos externos funcionam como ferramentas ou pontes que estabelecem os gatilhos necessários para que a pessoa consiga estabelecer um prognóstico. Exemplos de objetivos usados são os jogos de pedras, ossos, conchas e cartas.

“O homem está sempre querendo prever o que vai acontecer, ainda que muitas vezes não possa mudar os fatos, seja pelas circunstâncias ou quaisquer outros motivos. Tem sido assim desde o início dos tempos e parece que não será diferente ainda por muitas gerações”, sugere o especialista.

Leia também: Discussão sem erro: veja como lidar melhor com esse aspecto do relacionamento

E apesar da habilidade já estar desenvolvida em algumas pessoas, Prieto explica que todos nós, em maior ou menos escala, são clarividentes. Mas para que isso seja possível é necessário, antes de tudo, que a pessoa queira fazer parte dos sensitivos. Só assim essa habilidade pode ser despertada, desenvolvida e aprimorada.

“Claro que existem pessoas que nascem naturalmente com essa habilidade, assim como alguns nascem com talento musical ou com o dom de pintar por exemplo. No entanto, para aqueles que não possuem esse poder despertado naturalmente, existem exercícios que podem fazer para desenvolver suas habilidades psíquicas e extra-sensoriais.

Ajuda aos outros

Por conta de sua habilidade, a personagem Mercedes é sempre buscada por moradores da região que procuram por ajuda
Globo/Raquel Cunha
Por conta de sua habilidade, a personagem Mercedes é sempre buscada por moradores da região que procuram por ajuda

Por conta de suas habilidades, Mercedes costuma ser buscada pelas pessoas da região, que estão em busca de alguma ajuda sobre a vida. No caso da personagem da atriz Fernanda Montenegro, a sensitiva usa algumas vezes um pote de sal como gatilho para a intuição sobre determinada situação. Outros sensitivos podem usar uma Bola de Cristal ou uma carta de Tarot, por exemplo, como auxílio físico.

A partir daí, o sensitivo faz contato com a informação intuitiva que reside no inconsciente de alguém, chamada muitas vezes de memória ou registro akáshico, como explica Prieto. Essa memória envia essa informação em forma de imagens ou símbolos para a mente, que uma pessoa experiente nos dons da visão pode captar e interpretar.

“Poderíamos dizer que a pessoa que faz uma consulta é geradora da energia necessária para contemplarmos o futuro. Através de uma consulta, uma pessoa clarividente pode ajudar as outras pessoas a lançar luz sobre os acontecimentos futuros, abrindo um portal de acesso ao nosso eu interior, aquela parte de nós que dialoga com o Sagrado.”

Segundo o especialista, o eu interior é o aspecto do nosso inconsciente que trabalha como um sinalizador, que sabe o que necessitamos e aquilo que nos levará na direção correta. O eu interior pode receber diferentes nomes, como alma, superconsciência, inconsciente ou guia interior. 

Preconceito

Muitas vezes, as pessoas não entendem bem sobre temas extra-sensoriais, como no caso dos sensitivos. A falta de informação, somado ao fato de ele ser um assunto confuso e que, muitas vezes, é distorcido e mal interpretado, resulta em uma situação delicada: o preconceito.

“A novela auxiliará as pessoas a compreenderem que videntes também são humanos, acertam e erram como qualquer pessoa que lide com prognósticos. Ainda que a tecnologia moderna nos dê ferramentas para prever, ela parece não ser tão eficaz ainda em nos fornecer veículos que nos reaproxime do divino.”

Prieto explica que as pessoas buscam o divino para encontrar direcionamentos para os seus dilemas, sendo assim as diferentes formas de divinação sempre tiveram e continuarão a ter lugar em qualquer tempo e momento da vida humana, independentemente dos seus avanços científicos e tecnológicos.

Leia também: Decoração de Natal: como incluir as crianças na hora de preparar a casa?

“Para algumas pessoas do mundo moderno, pautados em dados e investigações científicas, talvez seja difícil compreender essa antiga arte, sem perceber que eles partem de dois pontos de vista completamente distintos. Eles não são opostos, mas complementares", completa Pietro sobre as habilidades dos sensitivos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.