Malala passa por nova cirurgia após nove anos de ataque do Talibã
Instagram
Malala passa por nova cirurgia após nove anos de ataque do Talibã


A ativista pelos direitos das mulheres à educação no Paquistão, Malala Yousafzai, passou por uma nova cirurgia nove anos após o ataque do Tabalibã, em 2012.


Quando o regime tomou o controle de sua cidade no Paquistão, a ativista levou um tiro na cabeça aos 15 anos por conta de suas declarações a favor das mulheres e meninas estudarem. "Duas semanas atrás, enquanto as tropas americanas se retiravam do Afeganistão e o Talibã assumia o controle, eu estava deitado em uma cama de hospital em Boston, passando por minha sexta cirurgia, enquanto os médicos continuavam a reparar os danos deles em meu corpo.", contou.

"Em outubro de 2012, um membro do Talibã do Paquistão embarcou no meu ônibus escolar e disparou uma bala na minha têmpora esquerda. A bala atingiu meu olho esquerdo, crânio e cérebro - lacerando meu nervo facial, estilhaçando meu tímpano e quebrando minhas articulações da mandíbula", continuou.

Você viu?

Malala também relembrou os procedimentos de emergências dos cirurgiões durante o ocorrido. "Os cirurgiões de emergência em Peshawar, Paquistão, removeram o osso do meu crânio temporal esquerdo para criar espaço para o meu cérebro inchar em resposta ao ferimento. Sua ação rápida salvou minha vida, mas logo meus órgãos começaram a falhar e fui transportado de avião para a capital, Islamabad. Uma semana depois, os médicos determinaram que eu precisava de cuidados mais intensos e deveria ser transferida do meu país de origem para continuar o tratamento", disse.

"Durante esse tempo, eu estava em coma induzido. Não me lembro de nada desde o dia do tiroteio até o momento em que acordei no Queen Elizabeth Hospital em Birmingham, Reino Unido. Quando abri os olhos, fiquei aliviado ao perceber que estava viva. Mas eu não sabia onde estava ou por que estava cercada por estranhos falando inglês", completou.

Ela ainda falou sobre o dano em seu crânio. "Toquei meu abdômen; parecia duro e rígido. Perguntei à enfermeira se havia algum problema no estômago. Ela me informou que quando os cirurgiões paquistaneses removeram parte do osso do meu crânio, eles o realocaram no meu estômago e que, um dia, eu faria outra cirurgia para colocá-lo de volta na minha cabeça. Mas os médicos do Reino Unido acabaram decidindo colocar uma placa de titânio onde estava o osso do meu crânio, reduzindo o risco de infecção, em um procedimento chamado cranioplastia. Eles tiraram o pedaço do meu crânio da minha barriga. Hoje está na minha estante", revelou.

Malala soube da notícia de tomada do Afeganistação no dia que faria sua última cirurgia. "Em 9 de agosto em Boston, acordei às 5h para ir ao hospital para minha última cirurgia e vi a notícia de que o Talibã havia tomado Kunduz, a primeira grande cidade a cair no Afeganistão. Nos dias que se seguiram, com bolsas de gelo e uma bandagem enrolada na cabeça, observei como província após província caíram sobre homens com armas carregadas de balas como a que atirou em mim", refletiu.


"Assim que consegui me sentar novamente, comecei a fazer telefonemas, escrever cartas para chefes de estado em todo o mundo e falar com ativistas pelos direitos das mulheres ainda no Afeganistão. Nas últimas duas semanas, ajudamos vários deles e suas famílias a chegarem a um lugar seguro. Mas eu sei que não podemos salvar a todos", complementou.

Por fim, ela escreveu: "As feridas da minha cirurgia recente são recentes. Nas minhas costas, ainda carrego a cicatriz de onde os médicos removeram a bala do meu corpo".

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários