A história de Jessica Hyer não é exatamente incomum. Aos 19 anos, a jovem britânica se viu endividada enquanto cursava Inglês e Dramaturgia na Universidade de Manchester, na Inglaterra. Sem apoio financeiro da família, visto que ela saiu de casa três anos antes e vinha se sustentando sozinha desde então, ela viu a solução para os seus problemas em um anúncio.

Leia também: Presentes caros, viagens, mimos e até sexo... Como é o relacionamento sugar?

sugar baby
Reprodução/Facebook/Jessica Hyer
Jessica Hyer diz que passou a trabalhar como "sugar baby" por não ter dinheiro

A propaganda no Facebook direcionava para um site no qual homens, geralmente mais velhos, "patrocinavam" mulheres mais jovens, uma relação entre "sugar daddy" e " sugar baby ". "Eles fazem você pensar que esses homens são mentores, que eles vão te ajudar na carreira, que não te veem de maneira sexual, quando, na realidade, sexo é o objetivo final", desabafa Jessica em entrevista ao site Manchester Evening News.

Jessica conta que uma das poucas experiências "glamurosas" que teve como "sugar baby" foi quando um cliente a buscou de Lamborghini e lhe deu uma quantia em dinheiro vivo que ela nunca havia visto na vida. No início, ela diz que eram apenas encontros, pelos quais ela recebia de 70 a 150 libras (R$ 340 a R$ 728, segundo a conversão do BC) mas conforme sua situação financeira se deteriorava, passou a topar mais riscos: "Eu estava desesperada".

Leia também: "Amor à primeira vista", diz jovem de 23 anos casada com homem de 65 anos

"Alguns dos meus amigos pensavam que [ser 'sugar baby'] era divertido e glamuroso, mas só porque eu não contava para ninguém como realmente era, a maioria das mulheres não conta", relata a britânica, hoje com 24 anos.

sugar baby Jessica Hyer
Reprodução/Facebook/Jessica Hyer
Sexo é o objetivo, diz Jessica sobre encontros

Embora chegasse a receber cerca de 600 libras (cerca de R$ 2,9 mil) em uma noite em raras ocasiões e o dinheiro a sustentasse, Hyer diz que receber dinheiro em troca de sexo a isolou e a fez sentir que não havia apoio para "pessoas como ela". 

"Não estou dizendo que todos os homens não são legais, mas, na minha experiência, a grande maioria deles não te trata como se você fosse um humano. Um ' sugar daddy ' disse uma vez para mim: 'Eu geralmente vou atrás de meninas menos atraentes porque elas são menos confiantes'", explica Jessica.

Leia também: Jovem de 21 anos sobre vida sexual com noivo de 74: "Não precisa de Viagra"

Em quatro anos como "sugar baby", a jovem estima que saiu com cerca de 50 homens. Hoje, recuperada com ajuda de terapia e de seu parceiro, Jessica afirma que quer ajudar mulheres e homens que têm dificuldades de deixar esta vida para trás.

    Veja Também

      Mostrar mais