Tamanho do texto

"Sei que as pessoas podem pensar que sou idiota por ainda tomar sol, mas é um vício", afirma Sarah Boyton, que sempre evitou o uso de protetor solar

Amante do sol, a britânica Sarah Boyton, de 51 anos, não ficou surpresa quando recebeu, em 2016, o diagnóstico de câncer de pele . Desde muito jovem, ela sempre gostou de tomar sol e de ver sua pele bronzeada, o problema é que não usava protetor solar para isso. Devido à doença, precisou passar por cirurgia e ficou com uma cicatriz no rosto, mesmo assim ela se recusa a abandonar o vício de se bronzear.

Leia também: Jovem chora ao fazer bronzeamento artificial e viraliza com marca das lágrimas

Sarah Boyton ama se bronzear e mesmo após superar um câncer de pele ela continua tomando sol e evitando o protetor
Reprodução/Facebook
Sarah Boyton ama se bronzear e mesmo após superar um câncer de pele ela continua tomando sol e evitando o protetor


Sarah afirma que mesmo sabendo dos riscos para a saúde, ela não consegue parar. “Eu amo tomar sol e a sensação do calor na minha pele, eu sei que não deveria me bronzear , mas não consigo me controlar. Sou viciada em ser ‘marrom’ e vou manter meu esforço para garantir que eu tenha um brilho natural”, diz em entrevista ao portal britânico “The Sun”.

Leia também: Bronzeamento artificial dá errado e jovem acaba com pele verde

Essa fixação pela pele bronzeada é algo que acompanha a britânica desde muito cedo. Na juventude, chegou a ter uma espreguiçadeira em casa para poder tomar bastante sol e manter a pele num tom verão. E, mesmo depois de ser diagnosticada com câncer, ela continua a viajar nas férias para lugares ensolarados e a trocar o protetor solar por óleos.

Usar ou não o protetor solar?

Para remover o câncer do rosto, precisou fazer duas operações, pois a primeira não retirou o cancro por completo. “Estou muito satisfeita com a cicatriz (de cinco centímetros) no meu rosto, o cirurgião foi incrível, ela quase não aparece”, relata Sarah.

Após a cirurgia, ela foi advertida pelos médicos para ficar longe do sol e usar protetor solar com um fator alto. A britânica ouviu os conselhos e passou a usar o protetor, mas optou pelo de menor fator, pois acredita que sua pele já está danifica e que não tem mais volta. Apenas na região dos olhos, onde foi feita a cirurgia, ela aplica pequenas quantidade de protetor solar fator 50, para evitar danos futuros.

“Fui avisada pelos médicos para ficar longe do sol, mas é um vício”, afirma Sarah. “Apesar disso, depois do meu diagnóstico de câncer, avisei meus amigos e familiares sobre os perigos de tomar muito sol. Muitos também ficavam em espreguiçadeiras, mas depois da minha provação e vendo minhas cicatrizes, pararam.”

Leia também: Bronzeamento natural: como conseguir a pele com a cara do verão

A britânica possui uma filha de 28 anos, Amy, que também adora se bronzear . “Eu a avisei para sempre proteger a pele e fazer isso enquanto é jovem”, garante. “Sei que as pessoas podem pensar que sou idiota por ainda tomar sol, mas é um vício”, volta a afirmar. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.