Tamanho do texto

Viajar tem seu custo, mas ele pode ser bem menor se você tomar as atitudes corretas

Férias é o que todo habitante do planeta terra sonha o ano todo para chegue logo. Segundo dados do Ministério do Turismo, 24,3% dos brasileiros pretendem viajar nos próximos seis meses, no entanto, uma viagem mal planejada pode ser um pesadelo na volta, inclusive na hora de pagar os cartões de crédito. 

Carol Sandler, autora do livro “Detox das Compras (Saraiva, 2017) e coautora do livro “Finanças Femininas – Como organizar suas contas, aprender a investir e realizar seus sonhos” (Saraiva, 2015), junto com o economista Samy Dana, deu algumas dicas para economizar nas férias sem deixar a diversão de lado.

Leia também: Confira dicas valiosas de 6 grandes empresários antes de começar um negócio

Carol Sandler arrow-options
Divulgação
Carol Sandler


1. Planeje com antecedência

A ansiedade de viajar de última hora pode gerar más – e caras – escolhas. Planejar as férias com calma permite que você pesquise os preços de passagens, hospedagem, passeios e todos os demais gastos envolvidos. Tirar esse tempinho também é fundamental para executar a próxima dica.

2. Pague à vista

Ninguém merece continuar pagando parcelas depois de já ter feito a viagem. Além de facilitar o planejamento financeiro, pagar as férias em uma tacada só permite que você negocie descontos e diminui seu esforço poupador, visto que os juros compostos te ajudarão a juntar a grana mais rapidamente.

Leia também: Conheça 14 novos restaurantes em São Paulo

Férias arrow-options
Divulgação
férias com economia


3. Escolha o destino com cuidado

Este é um dos principais fatores de encarecimento de uma viagem. No verão, os destinos favoritos costumam ser as praias, especialmente do Nordeste. Já no inverno, os mais procurados são em serras. Fazer o caminho inverso da maioria e viajar na baixa temporada pode baratear – e muito – sua viagem.

4. Faça um orçamento

Há quem prefira fazer isso por planilhas ou aplicativos, enquanto outras pessoas se sentem mais confortáveis escrevendo em um papel. Seja qual for seu método favorito, é fundamental definir o quanto você poderá gastar nessa aventura.

Considere passagem, traslado (passagem, transporte, gasolina, pedágio), hospedagem, alimentação, seguro viagem, presentes, lazer e, se necessário, o pré-viagem (malas, roupas, alimentos e outros gastos que antecedem a viagem). Uma boa dica para definir estes valores é utilizar a plataforma Quanto Custa Viajar, que informa os preços atualizados dos principais custos de uma viagem.

5. Defina o roteiro

Com o orçamento em mais, será mais fácil definir exatamente o que será feito durante a viagem. Este “plano de ação” ajudará a reduzir custos e mantê-lo fiel ao orçamento definido. Pular essa etapa pode te fazer correr para os braços dos pacotes fechados de agências de turismo que, além de reduzir sua liberdade durante a viagem, ainda costuma sair mais caro.

 6. Vai viajar para fora? Compre dólar aos poucos

Em terra de dólar alto, é preciso ter muitos truques na manga para reduzir os custos da viagem internacional. O principal deles é comprar a moeda aos poucos. O preço do dólar flutua bastante e, com essa medida, você consegue adquiri-lo pelo preço “médio”, sem cair nas garras de uma cotação alta demais.

7. Corte gastos onde puder

Passagens: use e abuse do programa de milhagens e, se tiver coragem de arriscar, espere para comprá-las 10 a 14 dias antes da data. É neste período em que as companhias emitem as vagas remanescentes com valores mais baixos. Horários da madrugada ou o famoso “voo do padeiro” – de manhã cedinho – costumam ter passagens mais baratas, assim como voos nos feriados, em vez da véspera, e durante a semana.

Hospedagem: procure alternativas, como hostels, camping, locações de imóveis, AirBnbs e afins, ou faça um downgrade nas acomodações do hotel.

Alimentação: se você quiser experimentar a gastronomia real de um lugar e, de quebra, economizar, fuja de roteiros turísticos e redes de fast foods e coma onde os locais comem. Isso inclui feiras locais e muita comida de rua. Caso a hospedagem permita, vale comprar ingredientes para cozinhar.

Passeios: prefira aqueles com acesso gratuito ou preço promocional.

8. Organize-se

Esqueceu o carregador do celular? Trouxe roupa a menos? Esses deslizes se convertem em mais gastos durante a viagem. Antes de embarcar, faça um checklist de tudo que você terá que levar, confira a previsão do tempo e capriche na mala para evitar comprinhas desnecessárias. 

9. Cuidado com as compras por impulso

Antes de sair comprando lembrancinhas para a família toda (e para você mesmo), faça uma listinha de pessoas que você deseja presentear. Além disso, nada de comprar souvenirs no aeroporto e no hotel: estes lugares costumam cobrar mais pelos mesmos produtos vendidos na cidade por conta da conveniência.

10. Atenção à criançada!

Elas também precisam de um orçamento diário – essa medida evitará o “mamãe eu quero” e ensinará os conceitos de limite e responsabilidade. Este valor pode ser dado em dinheiro vivo, cartão pré-pago ou mesmo de maneira virtual (você continuará passando o cartão, mas elas saberão que aquilo foi descontado do orçamento diário).