Tamanho do texto

Saiba como manter instalações seguras para evitar acidentes com equipamentos ou algo mais grave em sua residência

Você já olhou em volta da sua casa ou apartamento e já refletiu e percebeu estar cercado de eletricidade? Sua importância é inquestionável em nossas vidas pois, além de permitir a iluminação dos ambientes, as instalações elétricas são fatores fundamentais ao funcionamento dos nossos lares. Entretanto, quando a elétrica de um imóvel é mal empregada pode trazer alguns perigos como choques e curto-circuito, fatores causadores de muitos incêndios.

Para conviver melhor com esse item essencial, a coluna Dentro de Casa traz dicas para que você desfrute com a máxima segurança e conforto, contribuindo para que as instalações elétricas possam ter mais qualidade e vida útil.

1.       É seguro usar benjamins/extensões? Em algumas aplicações como cozinha e locais com equipamentos para TV ou computadores, é recomendável prever uma quantidade de tomadas necessária para atendimento simultâneo dessas demandas, evitando-se o uso de benjamins e extensões. Além desses dispositivos colaborarem com o desperdício de energia, podem superaquecer e comprometer a segurança das instalações; 

2.       A lâmpada do banheiro pisca ao ligar o chuveiro? Provavelmente eles estão conectados em um mesmo circuito elétrico e, ao serem ligados simultaneamente, provocam uma breve queda de tensão, ocasionando a “piscada”. Chuveiros, torneiras elétricas, forno elétrico, geladeira, ar-condicionado, são exemplo de aparelhos que, sozinhos, apresentam necessidade de cargas elétricas altas e a recomendação é que cada aparelho seja conectado individualmente a uma tomada de uso específico (TUE´s);

3.       Fios expostos: além de ser extremamente propício para choques elétricos, podem provocar acidentes como quedas de pessoas e incêndios (no caso do conduto de cobre estar exposto). Não quer quebrar a parede para embutir os chamados conduítes? Hoje o mercado nos possibilita diversas alternativas de conduítes externos. 

Dica da Helô: aproveite os conduites elétricos externos e tire partido para a decoração. O estilo industrial traz o charme urbano, permitindo estruturas expostas em uma leitura super contemporânea.

4.       Verifique se o seu quadro de luz possui o DR – Dispositivo Diferencial Residual – instalado. Esse item é obrigatório desde 1997. Ele é um interruptor que desliga as correntes elétricas não detectáveis pelo disjuntor, mas que podem causar choques ou curto-circuíto. O aterramento é outra parte das instalações obrigatórios “esquecida” e muitas vezes inutilizada pelo próprio morador. O fio terra deve ser instalado em todas as tomadas e pontos de energia da casa. 

5.       Manutenção: um imóvel com mais de 10 anos deve passar por uma inspeção criteriosa e após esse período, a cada 5 anos. É importante ficar sempre atento ao funcionamento de equipamentos e, em qualquer situação de anormalidade, recorrer a um eletricista habilitado. Cabos elétricos e caixinhas tem a vida útil média de 20 anos. 

6.       Alguns  materiais utilizados em instalações elétricas devem obrigatoriamente possuir o selo INMETRO, comprovando a qualidade mínima do produto como: fios e cabos de elétrica, interruptores, tomadas, disjuntores, entre outros. 

7.       Nunca, em hipótese alguma, recorra a um eletricista amador. Peça referências e, se possível, exija que o profissional possua a NR10 (Norma Regulamentadora em segurança em instalações e serviços de eletricidade). O “faz-tudo” até pode conhecer das instalações básicas, mas, quando se trata de segurança, o barato pode sair caro.

Leia também:

Como evitar acidentes com aquecedores a gás em casa? Confira dicas

    Leia tudo sobre: casa