Tamanho do texto

Nesta semana, a psicanalista Mônica Cruz fala sobre a importância de ter uma boa comunicação com os filhos para garantir a educação

Como ja dizia o velho Guerreiro "quem não se comunica se trumbica", a frase já tem muitos anos, mas é mais atual do que nunca.  Na era da comunicação, onde os meios se multiplicam a cada dia, nos lembramos dos "velhos" telegramas, fax, cartas e etc. Agora é a vez dos e-mails (já um pouco antigos também ), Messenger, WhatsApp e por ai vai.

Leia também: Limites na infância: Como saber se o que o seu filho faz é certo ou errado?

mãe abaixada para conversar com o filho arrow-options
shutterstock
Em tempos de tecnologia, será que os pais se comunicam com os filhos? Mônica Cruz fala sobre isso esta semana

Não usamos esses meios de comunicação com nossos filhos – pelo menos a maioria de nós não usa. Usamos algo mais pessoal, mais simples e mais intimo também: a velha e boa comunicação através da fala. Algumas vezes menos do que a fala, um pequeno gesto ou até somente um olhar.

Sim, é muito clichê dizer "um olhar transmite mais do que mil palavras". É clichê, mas pode ser muito verdadeiro, muitas vezes conversamos com nossos filhos somente olhando para eles.

Algumas pessoas um pouco mais velhas aqui devem se lembrar da frase "minha mãe (ou meu pai) não precisava falar uma palavra, bastava olhar e eu já sabia".

Sabia o que? Sabia que me amava, sabia que eu estava fazendo alguma coisa errada, sabia que estava fazendo alguma coisa certa, eu podia saber muitas coisas, mas o fato é que com um olhar eu realmente sabia.

O que os nossos filhos sabem hoje? Estamos conseguindo nos comunicar com eles?

Iniciamos a comunicação com nossos filhos já na gestação, no começo conversamos com a barriga, logo após o nascimento inicia-se o contato olho a olho, existe o toque e podemos então nos expressar através da fala.

Leia também: Amar o seu filho é suficiente

Mas será que o bebe entende o que dizemos? Não, ele não entende o significado das palavras, mas a palavra associada ao gestual dos pais, a maneira como é dita, começa a ser percebida logo cedo, por volta de dois meses.

Conforme a criança vai crescendo a percepção aumenta a cada dia, portanto comece a falar "não" logo cedo.

Não estou incentivando aos pais a só falar “não” para os seus filhos, apenas que no meio de tantos "sim", você diga alguns não com substancia.

Não diga não quando você vai acabar deixando fazer o que quer que seja, isso é comunicação errônea,  eu filho vai entender que o seu "não" significa sim.

Fale claramente com o seu filho, em qualquer idade a comunicação direta é o melhor caminho.

Seu filho não pode deduzir o que você quer, alias ninguém pode saber o que você está querendo dizer se não for dito de maneira clara. 

mãe abaixada para falar com filho arrow-options
shutterstock
Abaixar para conversar com os filhos garante proximidade na comunicação e reforça os laços com os pais

Experimente se abaixar na altura do seu filho, olhe nos olhos dele, e diga a ele calmamente o que você quer, não faca longos diálogos, ele não vai compreender isso, diga o básico, com um ano, com dois e ai por diante, fale uma vez, não funcionou? Abaixe-se novamente, fale outra vez, é cansativo, mas a mensagem que você estará passando é que o que você diz tem força, que é o que vale.

Leia também: Estamos educando nossos filhos ou eles estão nos educando?

A comunicação entre pais e filhos é muito melhor quando ela é verdadeira, não diga não se vai dizer sim depois, não faça promessas que não pretende cumprir, você está ocupado e seu filho fica choramingando querendo alguma coisa que você não vai fazer naquela hora, não enrole seu filho, pare por 10 segundos e diga a verdade para ele, não vou fazer agora, estou ocupado, quando puder farei, etc.

Comunique-se com seu filho de maneira honesta, evite metáforas, subterfúgios , use palavras fáceis, de fácil entendimento no universo infantil, seu filho não é um pequeno adulto, ele é só uma criança.