A queda de cabelo, também chamada de eflúvio telógeno, é um sintoma relatado por 25% das pessoas que contraíram a Covid-19
Diana Grytsku no Freepik
A queda de cabelo, também chamada de eflúvio telógeno, é um sintoma relatado por 25% das pessoas que contraíram a Covid-19




A redução dos fios de cabelo pós-Covid é chamada de eflúvio telógeno e consiste no aumento diário da queda de cabelos, em especial na região próxima às têmporas. Este sintoma persiste após meses depois do diagnóstico. “ A perda de cabelo é um fenômeno bem descrito após qualquer estresse fisiológico no corpo. Embora ainda não tenhamos estudo científico sobre o assunto, essa queda pode estar ligada ao estresse físico e psicológico que os pacientes vivenciaram com a infecção”, diz o dermatologista Daniel Cassiano.

A dermaticista Patrícia Elias explica que 25% das pessoas recuperadas da Covi-19 sofrem com a queda de cabelo, e que este sintoma também é encontrado em pacientes que tiveram Chikungunya e Zika vírus. Fora o estressse físico e psicológico , ela explica como o processo de restabelecimento do organismo influencia para que a queda aconteça.

Tem solução?

Como o corpo está concentrado na recuperação do organismo, as vitaminas ingeridas são direcionadas para outros órgãos, deixando de lado a pele e as unhas, alterando o ciclo capilar. “O paciente deve esperar até seis meses para que o ciclo capilar volte a sua atividade natural. No período de recuperação, a instrução é uma higiene contínua do couro cabeludo com shampoos que reduzem o acúmulo de resíduos e que sejam menos agressivos para os fios”, indica Patrícia.

Você viu?

Outro ponto que merece atenção é conhecer as fases do ciclo capilar. Isso vai ajudar a identificar qual o momento de queda e crescimento a pessoa está vivendo. Entre todas as fases do ciclo capilar, existem duas muito importantes: a fase anágena e a fase telógena.O crescimento dos fios no couro cabeludo acontece durante a fase anágena, enquanto a fase telógena é conhecida por ser uma etapa de repouso, onde a queda de cabelos é algo comum.

Entretanto, mais fios entram em fase de repouso após o contato com o vírus provocando queda de cabelo em maior quantidade. “Além disso, os altos picos de cortisol devido às noites mal dormidas, má alimentação e estresse também são fatores determinantes para a perda excessiva dos cabelos”, afirma a dermaticista.

Tem tratamento?

A queda de cabelo pós-covid é reversível porque se trata de uma perda abrupta e não de uma doença no couro cabeludo. É preciso paciência durante o processo, já que o cabelo novo demora para crescer. Alguns cuidados básicos como uma nutrição equilibrada, comendo alimentos ricos em ferro, proteínas, vitamina C e vitamina D ajudam a recuperar as vitaminas e nutrientes com carência no organismo.

Também é recomendado procurar por  produtos que recuperem as estruturas dos novos fios . “É possível procurar em farmácias de manipulação alguns componentes que podem ser usados junto com as loções, como adenosina 0,75% e cafeína de 1 a 2%, e utilizá-los de manhã e à noite, mas é fundamental que um especialista avalie as condições de cada um, pois nenhum desses tratamentos trará um resultado positivo se o paciente não cuidar da alimentação e do nível de estresse no dia a dia”, explica a dermaticista.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários