Tamanho do texto

Nadia Bokody ficou "obcecada" por brinquedos eróticos como forma de apimentar a vida sexual, mas não sabia dos problemas que poderia ter

Apesar de ainda existir muito tabu acerca da masturbação feminina, as mulheres estão começando a descobrir a autonomia que têm sobre a própria sexualidade .  Ir ao  sex shop  e comprar um vibrador  , por exemplo, já não é motivo de vergonha — e utilizá-lo, muito menos. Porém, o caso da australiana Nadia Bokody mostra que usar o brinquedo sexual em excesso pode causar problemas, inclusive para a vagina.

Nadia Bokody ficou 'obcecada' pela masturbação depois que pediu divórcio do marido e comprou o primeiro vibrador
Reprodução/Instagram/Nadia Bokody
Nadia Bokody ficou 'obcecada' pela masturbação depois que pediu divórcio do marido e comprou o primeiro vibrador

Segundo informações do portal britânico "Mirror Online", Nadia quis apimentar a vida sexual depois de se divorciar do marido. Então, ela decidiu apostar na masturbação  e comprou o primeiro brinquedo sexual. "Fazia muito tempo que eu não transava", afirma. "Eu ainda não estava pronta para ter uma relação com uma nova pessoa, então pesquisei online e comprei o vibrador." 

A australiana de 34 anos de idade é especialista em sexo e, na época, estava escrevendo uma coluna focada em sexualidade para um site feminino. "É estranho perceber que eu estava dando informações sobre o uso de vibradores e nunca havia experimentado antes." 

Então, quando ela comprou o próprio "sex toy", não demorou para começar a se masturbar com frequência. "Fiquei obcecada, consegui sentir prazer de novo depois de meses de um casamento sem sexo de um jeito muito rápido e fácil. Era incrívelmente libertador e empoderador poder controlar minha sexualidade dessa forma pela primeira vez." 


Ainda mais rápido do que a "obsessão" de Nadia pelo vibrador, veio um problema doloroso. Depois de algumas semanas usando o brinquedo sexual, ela começou a sentir dores fortes na pélvis e começou a andar mancando.  "Sem fazer conexão [com o uso do vibrador], decidir ir ao médico e descobrir o que havia de errado comigo", relata a mulher.

O médico pediu que ela fizesse testes para doenças sexualmente transmissíveis e fez perguntas sobre a vida sexual da australiana. "Foi então que percebi que a dor era um resultado de usar demais o vibrador! Ao mesmo tempo, era humilhante e hilário." 

Nadia precisou admitir ao especialista que, durante a primeira semana, ela chegou ao utilizar o brinquedo sexual seis vezes por dia e em velocidade máxima. A recomendação foi proibi-la de usar qualquer tipo de "sex toy" para que pudesse se recuperar. 

Nadia compartilha mensagem após vício em masturbação

Depois da 'obsessão' pela masturbação, Nadia aprendeu que é preciso usar brinquedos eróticos controladamente
Reprodução/Instagram/Nadia Bokody
Depois da 'obsessão' pela masturbação, Nadia aprendeu que é preciso usar brinquedos eróticos controladamente


Depois do ocorrido, Nadia começou a aconselhar outras mulheres sobre o uso de brinquedos eróticos, mas isso não significa que ela tenha parado completamente de usá-los. "A primeira coisa a se lembrar quando experimentar algo novo é tentar ir devagar — aprendi essa lição do jeito mais difícil: não use a velocidade 'turbo' na sua primeira vez e não se deixe levar demais!".

Com mais de 11 mil seguidores no Instagram, ela compartilha imagens positivas sobre masturbação e sexualidade feminina, incluindo sua coleção de vibradores. "'Sex toys' são um ótimo jeito de explorar novas fantasias e sensações  , consigo mesma ou com um parceiro, e, desde que os compre em um local confiável, eles são seguros", finaliza.