Um dos episódios da quarta temporada da série “Black Mirror” conta a história de um casal que se une utilizando uma espécie de aplicativo de namoro que prevê quanto tempo os pares permanecerão juntos. De início, a ideia pode até parecer tentadora, mas o desenrolar da história mostra que as pessoas passam por bastante sofrimento antes de encontrar o par perfeito.

Leia também: Mencionar comida no perfil do app de relacionamentos atrai mais pessoas

undefined
Reprodução
Apesar de ainda não termos um aplicativo de namoro como o de 'Black Mirror', há um que usa DNA para criar pares

Seja para encontrar parceiros para sexo casual ou para buscar um relacionamento duradouro, não é raro encontrar pessoas que usam algum aplicativo de namoro . Hoje, ainda não há uma tecnologia como a mostrada em “Black Mirror”, mas, a julgar pelo fato de que já existe o Pheramor, aplicativo de relacionamentos que combina os usuários utilizando amostras de DNA deles, podemos estar no caminho para essa realidade.

Leia também: Quais fotos geram mais interesse em aplicativos de namoro? Estudo responde

Como funciona esse aplicativo de namoro?

De acordo com o site do Pheramor, para começar a busca pelo par perfeito , a pessoa deve, primeiramente, fazer o cadastro no aplicativo e autorizar que ele tenha acesso às redes sociais dela. O sistema não se baseia apenas na combinação genética entre os usuários, então também é preciso mapear os gostos das pessoas e as atividades pelas quais ela se interessa.

Leia também: Quais fotos geram mais interesse em aplicativos de namoro? Estudo responde

É no passo seguinte, porém, que começa a parte científica do processo. Após se cadastrar e iniciar a busca por pares, o usuário recebe um kit para retirar uma amostra de DNA e enviar de volta à companhia para que ela realize a análise e comece a gerar combinações. Mas, calma, não é preciso tirar sangue ou algo tão extremo quanto.

Para conseguir o DNA dos usuários, o Pheramor pede que eles utilizem o kit para coletar saliva (esfregando de leve um cotonete ou palitinho no interior da bochecha) e enviando a amostra de volta para a companhia. É isso mesmo, o pessoal do aplicativo vai analisar um bocado de saliva alheia.

Na hora de analisar as amostras de DNA, eles buscam 11 genes específicos que, segundo a companhia, foram comprovados pela ciência como os responsáveis por determinar as características que nos fazem sentir atração por outras pessoas. Após a análise, o aplicativo de namoro promete apresentar aos usuários pessoas solteiras com quem eles terão uma “química instantânea”. E você, arriscaria usar um app desses?

    Leia tudo sobre: Aplicativo Amor

    Veja Também

      Mostrar mais